LIMITES, POSSIBILIDADES E DESAFIOS NO PROCESSO DE GESTÃO E PARTICIPAÇÃO DAS IFES/UFT

Autores

  • Roberto Francisco de Carvalho

Resumo

Neste artigo buscamos explicitar a compreensão de participação na gestão da UFT conforme estudo realizado envolvendo os documentos institucionais e a percepção da comunidade universitária. A discussão acerca da participação na gestão da UFT teve como ponto de partida o entendimento do processo de regulação social resultante da imbricação das esferas pública e privada e das abordagens liberal e histórico-materialista de democracia. Neste sentido, tem sido fortalecida a esfera privada mercantil em detrimento da pública evidenciando-se a mercantilização da educação superior e suas características de natureza neoprofissional, heterônoma, competitiva e operacional. Assim, têm sido fortalecidos nas IFES/UFT os valores da democracia liberal/neoliberal minimalista, operacionalizados na lógica da gestão e da participação estratégico-empresarial. Nesta lógica, os obstáculos à participação no processo de gestão da UFT não diferem dos obstáculos à participação na sociedade de uma forma geral, e têm a ver com o modo de organização e efetivação do sistema de produção e reprodução social capitalista.

Como Citar

Carvalho, R. F. de. (1). LIMITES, POSSIBILIDADES E DESAFIOS NO PROCESSO DE GESTÃO E PARTICIPAÇÃO DAS IFES/UFT. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 18(2). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/1585

Edição

Seção

Artigos