Qualidade da educação superior e a tensão entre democratização e internacionalização na universidade brasileira

  • Maria Isabel da Cunha Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Resumo

O texto decorre de uma investigação que toma a democratização e a internacionalização como dois referentes da qualidade da educação brasileira. A primeira aponta para a inclusão de uma população estudantil de primeira geração, em que muitos dos seus integrantes trabalham e estudam, são provenientes de camadas médias da população e, em alguns casos, ingressam através de cotas étnicas ou cotas de escolas públicas, distantes dos padrões anteriores da meritocracia. A outra parece apontar para exigências meritocraticas, envolvendo carreiras de complexidade mais alta, trajetórias estudantis com maiores oportunidades culturais incluindo o domínio de idiomas e disponibilidade de condições para afastar-se do trabalho, entre outras condições. Explorando contribuições de autores que têm se dedicado a explorar o impacto dos dois vetores na educação superior, o texto defende uma democratização na perspectiva cultural e epistemológica que mediará o avanço da internacionalização, quando esta estiver preocupada em favorecer o processo de acumulação de capital de atores hegemônicos. Aposta, também, na importância de uma globalização que se identifica com o trabalho solidário e nos movimentos defensores das identidades culturais que dialogam com os referentes globais. Essa será uma possibilidade de se constituir numa conquista de sistemas educacionais mais justos e numa sociedade mais igualitária.

Publicado
Nov 9, 2017
Como Citar
CUNHA, Maria Isabel da. Qualidade da educação superior e a tensão entre democratização e internacionalização na universidade brasileira. Avaliação - Revista da Avaliação da Educação Superior, [S.l.], v. 22, n. 3, p. 817-832, nov. 2017. ISSN 1982-5765. Disponível em: <http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/3159>. Acesso em: 20 jan. 2018.
Seção
Artigos