A incidência dos ativos intangíveis nas instituições de ensino superior

uma análise em documentações oficiais

Autores

  • Liária Nunes Silva
  • Alan Malacarne
  • Ricardo Fontes Macêdo
  • Robelius De-Bortoli

Palavras-chave:

Ativos de inovação, . Ativos de relacionamento, Ativos humanos, Ativos estruturais, CPA

Resumo

Os ativos intangíveis são importantes fatores de diferenciação e potenciais geradores de benefícios futuros para as instituições, portanto são elementos que devem ser considerados pela gestão das Instituições de Ensino Superior. O objetivo deste estudo é determinar o grau de importância que as Instituições de Ensino Superior dedicam nos relatórios das Comissões Próprias de Avaliação aos fatores classificados como ativos intangíveis. Neste artigo, adotou-se a Teoria Fundamentada em Dados ou Grounded Theory para analisar os documentos institucionais de autoavaliação de Instituições de Ensino Superior, a partir de então os dados coletados foram categorizados como ativos intangíveis segundo a taxonomia proposta por Kayo et al. (2006). Verificou-se que os ativos de relacionamento são os mais negligenciados pelas Instituições de Ensino Superior e que há uma tendência de que os ativos humanos recebam maior atenção nos relatórios. Observa-se que as Instituições de Ensino Superior, independente da organização acadêmica ou categoria administrativa, tratam os ativos intangíveis da mesma forma, apesar de as Universidades Públicas dedicarem maior atenção a esses ativos nos relatórios de Comissões Próprias de Avaliação, se comparada às Instituições Privadas. Pesquisas anteriores discutiram sobre a importância dos ativos intangíveis em Instituições de Ensino Superior, sobretudo os ativos humanos. Neste artigo, formula-se um novo entendimento sobre a gestão dos ativos intangíveis em Instituições de Ensino Superior, polos fomentadores da geração de ativos intangíveis, sobretudo ativos humanos e ativos de inovação.

Referências

BRASIL. Lei Nº 10.861 de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior–SINAES e dá outras providências. Brasília, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm. Acesso em: 25 jul. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf. Acesso em: 2 ago. 2018.

BRASIL. Decreto N° 9.235 de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino. Brasília, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9235.htm. Acesso em: 12 jul. 2018.

BUAINAIN, A. M.; MENDES, C. I. C.; SILVA, A. B. O.; CARVALHO, S. M. P. Indústria criativa: direitos de autor e acesso à cultura / Creative Industry: copyrights and access to culture. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 510-537, 2011. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3319. Acesso em: 25 jul. 2018.

CRICELLI, L.; GRECO, M.; GRIMALDI, M.; DUEÑAS, L. P. L. Intellectual capital and university performance in emerging countries: Evidence from Colombian public universities. Journal of Intellectual Capital, Flórida, v. 19, n. 1, p. 71-95, 2018. Disponível em: https://fardapaper.ir/mohavaha/uploads/2019/07/Fardapaper-Intellectual-capital-and-university-performance-in-emerging-countries.pdf. Acesso em: 3 ago. 2018.

CHATTERJIA, N.; KIRANB, R. Role of human and relational capital of universities as underpinnings of a knowledge economy: A structural modelling perspective from north Indian universities. International Journal of Educational Development, Amsterdã, v. 56, p. 52-61, 2017. Disponível em: https://ideas.repec.org/a/eee/injoed/v56y2017icp52-61.html. Acesso em: 10 set. 2018.

FOROUDI, P. Influence of brand signature, brand awareness, brand attitude, brand reputation on hotel industry’s brand performance. International Journal of Hospitality Management, Amsterdã, v. 5, n. 16, p. 1-15, 2018. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0278431917308411: Acesso em: 3 jun. 2018.

FREEMAN, R. E.; REED, D. L. Stockholders and stakeholders: A new perspective on corporate governance. California Management Review, California, v. 25, n. 3, p. 88-106, 1983. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.2307/41165018. Acesso em: 6 jun. de 2018.

GAMBETTI, R. C.; MELEWAR, T. C.; MARTIN, K. D. Guest Editors’ Introduction: Ethical Management of Intangible Assets in Contemporary Organizations. Business Ethics Quarterly, England, v. 27, n. 3, p. 381-392, 2017. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/business-ethics-quarterly/article/guest-editors-introduction-ethical-management-of-intangible-assets-in-contemporary-organizations/8E439286448DA7E4F12E16AC2FB5C8C1. Acesso em: 10 jul. 2018.

GATTI, B. A. Política de ciência e tecnologia e pesquisa em educação. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 151-164, 2017. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/2084. Acesso em: 14 jul. 2018.

KAYO, E. K.; KIMURA, H.; MARTIN, D. M. L.; NAKAMURA, W. T. Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, Maringá, v. 10, n. 3, p. 73-90, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-65552006000300005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 2 ago. 2018.

LIM, S. C.; MACIAS, A. J.; MOELLER, T. Intangible assets and capital structure. SSRN Electronic Journal, Rochester, NY, 2018. Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2514551. Acesso em: 12 jul. 2018.

MARCUZZO, R.; DOS SANTOS, J. R. G.; SILUK, J. C. M. Delineamento para identificação e gerenciamento de ativos intangíveis em empresas de base tecnológica. Revista Científica online-Tecnologia, Gestão e Humanismo, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 2017. Disponível em: http://www.fatecguaratingueta.edu.br/revista/index.php/RCO-TGH/article/view/137. Acesso em: 23 set. 2018.

MARINHO, S. V.; POFFO, G. D. Diagnóstico da qualidade em uma IES: a percepção da comunidade acadêmica. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 21, n. 2, p. 455-477, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772016000200455&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 15 jul. 2018.

MENDES, E. N.; CERQUEIRA, M. O.; MARQUES, A. V.; VENEROSO, J. A. C. Ativos intangíveis: análise do impacto do grau de intangibilidade nos indicadores de desempenho empresarial. Enfoque: Reflexão Contábil, Maringá, v. 31, n. 1, p. 37-52, 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3071/307124722004.pdf. Acesso em: 7 maio 2018.

MONCADA, J. Estadística para ciencias del movimiento humano. San José: CR Editorial de la Universidad de Costa Rica, 2005.

NIEBEL, T.; O'MAHONY, M.; SAAM, M. The contribution of intangible assets to sectoral productivity growth in the EU. Review of Income and Wealth, Ontário v. 63, p. S49-S67, 2017. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/roiw.12248. Acesso em: 13 jul. 2018.

NORO, L. R. A.; NARVAI, P. C. Produzir conhecimento significativo na área da saúde em tempos de crise: inviável ou quase impossível? Revista Ciência Plural, Natal, v. 4, n. 1, p. 4-6, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/14797. Acesso em: 15 jul. 2018.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Características estratégicas dos ativos intangíveis e o desempenho econômico da empresa. Unisanta Law and Social Science, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 107-123, 2015. Disponível em: https://ojs.unisanta.br/index.php/lss/article/view/393. Acesso em: 13 set. 2018.

PERKMANN, M.; WALSH, K. University–industry relationships and open innovation: Towards a research agenda. International Journal of Management Reviews, UK, v. 9, n. 4, p. 259-280, 2007. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/j.1468-2370.2007.00225.x. Acesso em: 28 set. 2018.

PINTO, C. V. D. S.; ROCHA, B. N.; PIRANI, N. D. C. Indicadores sociais e desenvolvimento rural: um estudo sobre o índice de desenvolvimento humano municipal rural no Brasil. Boletim Regional, Urbano e Ambiental, Brasília, v. 18, jan./jun. 2018. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/boletim_regional/180618_brua_18_ensaio08.pdf. Acesso em: 30 jul. 2018.

PIONTKEWICZ, R.; FREITAS, M. C. D. Pré-requisitos necessários para um sistema de informação contábil realizar a gestão do capital intelectual. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, v. 14, n. 31, p. 171-188, 2018. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rts/article/view/7023. Acesso em: 15 jul. 2018.

RAMÍREZ CÓRCOLES, Y. Intellectual capital management and reporting in European higher education institutions. Intangible Capital, España, v. 9, n. 1, p. 1-19, 2013. Disponível em: http://www.intangiblecapital.org/index.php/ic/article/view/201/297. Acesso em: Acesso em: 22 jul. 2018.

RODRIGUES, J.; MIYAHIRA, N. N.; NASCIMENTO, FERNANDO.; MARINHO, B. L. Por que marcas corporativas? A percepção de executivos brasileiros sobre os motivos para adotar corporate branding. REAd - Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 23, p. 232-261, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-23112017000400232&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 2 jul. 2018.

SAFRIT, M. J. Introduction to measurement in physical education and exercise science. St Louis: C.V. Mosby Company, 1990.

SILVA, C. M. M. Gestão do capital intelectual e dos ativos intangíveis para geração de valor em instituições de ensino superior privadas no Brasil. 2017. 143 f. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade do Grande Rio, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: http://tede.unigranrio.edu.br/handle/tede/191. Acesso em: 28 jul. 2018.

SILVEIRA, S. K. R.; SCHNORRENBERGER, D.; GASPARETTO, V.; LUNKES, R. J. Abordagens de avaliação de ativos intangíveis: uma revisão da literatura. Revista Catarinense da Ciência Contábil, Santa Catarina, v. 16, n. 47, p. 9-25, 2017. Disponível em: http://revista.crcsc.org.br/index.php/CRCSC/article/view/2258. Acesso em: 18 set. 2018.

SINCLAIR, R.; KELLER, K. L. Brand value, accounting standards, and mergers and acquisitions: “The Moribund Effect”. Journal of Brand Management, Switzerland, v. 24, n. 2, p. 178-192, 2017. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1057/s41262-016-0025-1. Acesso em: 1 jul. 2018.

SOARES, T. C.; LIMA, M. A. Managerialism nas instituições de ensino superior brasileiras. Revista Ciências Administrativas ou Journal of Administrative Sciences, Fortaleza, v. 24, n. 2, p. 1-13, 2018. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/rca/article/view/7183. Acesso em: 2 set. 2018.

SOARES, R. S.; CUNHA, M. I. Qualidade do ensino de graduação: concepções de docentes pesquisadores. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 22, n. 2, p. 316-331, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v22n2/1982-5765-aval-22-02-00316.pdf. Acesso em: 1 jul. 2018.

STEWART, T. A. The wealth of knowledge: Intellectual capital and the twenty-first century organization. New York: Crown Business, 2001.

TAHAT, Y. A.; AHMED, A. H.; ALHADAB, M. M. The impact of intangibles on firms’ financial and market performance: UK evidence. Review of Quantitative Finance and Accounting, Switzerland, v. 50, n. 4, p. 1147-1168, 2018. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11156-017-0657-6. Acesso em: 25 jun. 2018.

TEECE, D. J. Short Note on Intangible Assets, Intellectual Capital, & the Mission & Focus of the Tusher Center. University of California, Berkeley, p. 1-8, 2017. Disponível em: https://businessinnovation.berkeley.edu/wp-content/uploads/2017/08/Tusher-Center-Presentation-No.-4.July-2017.pdf. Acesso em: 19 ago. 2018.

TENÓRIO, M.; MELLO, G. A.; VIANA, A. L. D’A. Políticas de fomento à ciência, tecnologia e inovação em saúde no Brasil e o lugar da pesquisa clínica. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 1441-1454, 2017. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2017.v22n5/1441-1454/. Acesso em: 25 ago. 2018.

TODERICIUA, R.; SERBAN, A. Intellectual Capital and its Relationship with Universities. Procedia Economics and Finance, Amsterdã, v. 27, p. 713-717, 2015. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2212567115010527. Acesso em: 13 jun. 2018.

VOSGERAU, D. S. R.; ORLANDO, E. A.; MEYER, P. Produtivismo acadêmico e suas repercussões no desenvolvimento profissional de professores universitários. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 138, p. 1-17, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302017005001102&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 1 ago. 2018.

WIESCHE, M.; JURISCH, M. C.; YETTON, P. W.; KRCMAR, H. Grounded Theory methodology in information systems research. MIS Quarterly, Australia, v. 41, n. 3, p. 685-701, 2017. Disponível em: http://dro.deakin.edu.au/eserv/DU:30105882/yetton-groundedtheory-2017.pdf. Acesso em: 8 set. 2018.

Publicado

2020-06-19

Como Citar

Silva, L. N. ., Malacarne, A. ., Macêdo, R. F. ., & De-Bortoli , R. . (2020). A incidência dos ativos intangíveis nas instituições de ensino superior: uma análise em documentações oficiais. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 25(1). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/3917

Edição

Seção

Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##