Avaliação dos egressos de engenharias

um estudo a partir da inserção e desafios no mercado das primeiras turmas da UFSJ (2013-2017)

Autores

  • Daniel Calbino
  • Priscila da Silva Castro
  • Edinalva Rodrigues Gonçalves
  • Geruza Tomé Sabino

Palavras-chave:

Egresso., Mapeamento do perfil., Mercado de trabalho., Avaliação institucional.

Resumo

O trabalho teve como objetivo avaliar os egressos das Engenharias, tendo por recorte os ex-alunos das primeiras turmas da Universidade Federal de São João del Rei-MG. Enquanto percurso metodológico recorreu-se a análise estatística descritiva do perfil sociocultural e desempenho acadêmico de todas as matrículas do Campus. Em seguida foram realizadas entrevistas em forma de questionário online com os egressos. Os resultados indicam que os egressos constituem apenas 23% dos alunos que colaram grau, cujo perfil é feminino (69,0%), solteiro (86,5%) e oriundo do estado de Minas Gerais (93,5%). Referente aos desafios da inserção no mercado de trabalho, observou-se que o índice de rejeição nos processos seletivos nas pós-graduações foram baixos (9,2%) em comparação com as tentativas de trabalho nas iniciativas privadas (48,9%), o que parece ilustrar a atual crise econômica do país. Por fim, as avaliações em relação à instituição de ensino cursada foram positivas na percepção dos egressos, sendo que para a maioria dos que não estão atuando (62,5%), atribuiu-se a falta de oportunidades no mercado. Em vista do alto índice de desocupados, os dados da pesquisa se mostram relevantes para a criação de indicadores de avaliação dos cursos e da própria gestão Universitária, bem como, refletir sobre os desafios da formação do ensino superior em engenharia na empregabilidade do século XXI.

Referências

AGÊNCIA IBGE NOTICIAS. Estatísticas sociais: mulher estuda mais, trabalha mais e ganha menos. 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20234-mulher-estuda-mais-trabalha-mais-e-ganha-menos-do-que-o-homem.html. Acesso em: 13 maio 2018.

ATKINSON, H; PENNINGTON, M. Unemployment of engineering graduates: the key issues. Engineering Education, Camberra, v. 7, n. 2, 2012.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o SINAES e dá outras providências. Disponível em: https://goo.gl/ETS63. Acesso em: 02 ago. 2017.

CAETANO, S. Contribuição à avaliação do curso de graduação da faculdade de engenharia de alimentos da Unicamp em face dos saberes da prática profissional de seus egressos. Avaliação, Campinas, v. 2, n. 2, 2002.

CAMPBELL, T. A. et al. Employment and Earnings of International Science and Engineering Graduates of U.S. Universities: a comparative perspective. Journal of International Students, Baltimore, v. 6, n. 1, 2018.

CASTRO, E. et al. Employability of Computer Engineering Graduates during Academic Year 2015-2016 and their Lifelong Learning Options. Asia Pacific Journal of Academic Research in Social Sciences, Batangas, v. 2, 2017. Disponivel em: https://research.lpubatangas.edu.ph/wp-content/uploads/2018/12/Employability-of-Computer-Engineering-for-2016.pdf. Acesso em: 02 ago. 2018.

CISLAGHI, R. et al. Gestão de qualidade de cursos a partir da percepção de estudantes egressos. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 13, n. 1, jul. 2015. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/57667. Acesso em: 20 nov. 2017.

COELHO, M. S. C.; OLIVEIRA, N. C. M. Os egressos no processo de avaliação. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 8, n. 2, ago. 2012.

CREA- Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura. Salário mínimo profissional. Disponível em: https://novoportal.crea-rj.org.br/salario-%20minimo-profissional/. Acesso em: 20 nov. 2017.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao SINAES. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 15, n. 1, p. 195-224, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v15n1/v15n1a11.pdf. Acesso em: 20 nov. 2017.

ESPARTEL, L. B. O uso da opinião dos egressos como ferramenta de avaliação de cursos: o caso de uma instituição de ensino superior catarinense. Revista Alcance, Itajaí, v. 16, n. 1, 2009.

FERREIRA, A.; CRISÓSTOMO, J. A influência do desempenho acadêmico na carreira profissional: um estudo de caso em um curso de engenharia. Revista de Ensino em Engenharia, Brasília, v. 30, n. 1, p. 35-44, 2012.

FRAGA, L. O curso de graduação da faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp: uma analise a partir da educação em ciência, tecnologia e sociedade. 2006. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica) - UNICAMP, Campinas, 2006.

FRANCISCO, A. M. et al. Avaliação da formação de enfermeiros: o reflexo dos métodos de ensino-aprendizagem e pressupostos curriculares na prática profissional. Avaliação Campinas; Sorocaba, v. 21, n. 2, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v21n2/1982-5765-aval-21-02-00479.pdf. Acesso em: 30 mar. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatística do registro civil em 2015. 2015. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/135/rc_2015_v42.pdf. Acesso em: 20 nov. 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pnad contínua: taxa de desocupação. 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/15693-pnad-continua-taxa-de-desocupacao-cai-em-11-das-27-ufs-no-2-trimestre-de-2017. Acesso em: 20 nov. 2017.

IGLESIAS, A. G. Perfil dos alunos egressos do curso de Medicina da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. 2016. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) - USP, Ribeirão Preto, 2016.

INEP - Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatística da Educação Superior. Brasília: Inep, 2017.

LIMA; L. A; ANDRIOLA, W. Acompanhamento de egressos: subsídios para a avaliação de Instituições de Ensino Superior (IES). Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 23, n. 1, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772018000100104&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 30 mar. 2018.

LOUSADA, A. C; MARTINS, G. A. Egressos como fonte de informação a gestão dos cursos de Ciências Contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 1, n. 37, 2005.

MACHADO, A. S. Acompanhamento de egressos: caso CEFET/PR - Unidade Curitiba. 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, SC, 2001.

MACHADO, G. R. Perfil do egresso da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2010. 337f. Tese. (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

MEIRA, M. D.; KURCGANT, P. Avaliação de curso de graduação segundo egressos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 43, n. 2, 2009.

MELO FILHO, D. T. Os egressos do PPGCI/UFPB: representações, perfil e trajetórias profissionais. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências da Informação) UFPB, João Pessoa, 2014.

MICHELAN, L. S. et al. Gestão de egressos em instituições de ensino superior: possibilidades e potencialidades. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO UNIVERSITÁRIA NA AMÉRICA DO SUL, 9., 2009, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2009.

OLIVEIRA, A. P. et al. Políticas de avaliação e regulação da educação superior brasileira: percepções de coordenadores de licenciaturas no Distrito Federal. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 18, n. 3, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772013000300007. Acesso em: 30 mar. 2018.

PAUL, J. J. Acompanhamento de egresso do ensino superior: experiência brasileira e internacional. Caderno CRH, Salvador, v. 28, n. 74, p. 309-326, maio/ago. 2015.

PEREIRA, G, M. et al. Panorama de oportunidades para os egressos do ensino superior no Brasil: O papel da inovação na criação de novos mercados de trabalho. Ensaio: avaliação de políticas públicas educacionais, Rio de Janeiro, v. 34, n. 90, 2016.

POLIDORI, M. M. Política de avaliação da educação superior brasileira: provão, SINAES, IDD, CPC, IGC e... outros índices. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 14, n. 2, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v14n2/a09v14n2.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

QUEIROZ, T. P. O bom filho a casa sempre torna: análise do relacionamento entre a Universidade Federal de Minas Gerais e seus egressos por meio da informação. 2014.

Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – UFMG, Belo Horizonte, 2014.

RAMOS, R. Programa de acompanhamento de estudante egresso da Universidade Federal do Espírito Santo: diagnóstico e proposta de melhorias em seus instrumentos. 2016. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão Pública) – UFES, Vitória, 2016.

REGIO, M. L. et al. Gestão de competências profissionais na formação de administradores. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 19, n. 1, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v19n1/07.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1999.

SALLES, P. E. A autoavaliação: processo a serviço da gestão. In: COLOMBO, S. Gestão universitária: os caminhos para a excelência. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 59-89.

SANTOS, L. et al. Perfil profissional dos egressos do curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Scientia Plena, Sergipe, v. 11, n. 1, p. 1-9, 2015.

SCAGLIONE, V. A avaliação da educação superior e a gestão universitária. In: COLOMBO, S. Gestão universitária: os caminhos para a excelência. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 43-57.

SCHWARTZMAN, S.; CASTRO, M. H. M. A trajetória acadêmica profissional dos alunos da USP. NUPES: São Paulo, 1991.

SILVA, J. F. C. Os egressos da Unesp no mercado de trabalho da engenharia cartográfica. In: UNESP. Impacto das novas tecnologias na engenharia cartográfica. Presidente Prudente: Ed. UNESP, 1997. p. 120-126.

SIMON, L. W; PACHECO. A. Ações de acompanhamento de egresso: um estudo das universidades públicas do sul do Brasil. Revista Brasileira de Ensino Superior, Passo Fundo, v. 3, n. 2, 2017.

SOUTO, R, M. Egressos da licenciatura em matemática abandonam o magistério: reflexões sobre profissão e condição docente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 4, 2016.

TEIXEIRA, D. et al. Perfil e destino ocupacional de egressos graduados em Ciências Biológicas nas modalidades a distância e presencial. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v16n1/1983-2117-epec-16-01-00067.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

VASCONCELOS, N. Egressos na avaliação da qualidade de um curso: o caso da engenharia de produção da UFRN. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

ZAHARIM, A. et al. Engineering employability skill required by employers in Asia. In: WSEAS INTERNATIONAL CONFERENCE ON ENGINEERING EDUCATION, 6., 2009. Stevens Point. Proceedings […]. Stevens Point, 2009.

Publicado

2020-09-08

Como Citar

Calbino, D. ., Castro , P. da S. ., Gonçalves , E. R. ., & Sabino , G. T. . (2020). Avaliação dos egressos de engenharias: um estudo a partir da inserção e desafios no mercado das primeiras turmas da UFSJ (2013-2017). Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 25(2). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/4030

Edição

Seção

Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##