Inclusão e permanência de universitários com diagnóstico de transtorno do espectro autista

discussões acerca de barreiras linguísticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1414-40772020000300008

Palavras-chave:

Autismo., Inclusão, Universidade.

Resumo

A Educação Superior brasileira vem passando por modificações. Houve diversificação quanto ao ingresso do público devido às políticas públicas voltadas para a inclusão educacional. Atualmente, se encontram nas Universidades, pessoas com diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA), mas embora seu acesso tenha sido garantido, a permanência nem sempre tem sido discutida na literatura. Desta forma, objetivo deste estudo é analisar as condições de acesso e permanência de pessoas com TEA na Universidade a partir das queixas linguísticas apresentadas por eles. Como metodologia, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com dois estudantes com diagnóstico de TEA que estudam em uma Universidade federal do sul do Brasil. Além disso, foi realizada avaliação fonoaudiológica. Os resultados apontam que os dois acadêmicos têm histórico de dificuldades de relacionamento interpessoal na escola e na Universidade, dificuldades de leitura e escrita. Um dos estudantes, Charles, também tem dificuldade na fluência de fala; já Luís, o outro universitário, tem mais queixas quanto às suas habilidades de leitura e escrita. Quanto à percepção acerca da inclusão na Universidade, os dois estudantes referem que se sentem acolhidos e que não sofrem nenhum tipo de discriminação referente às suas dificuldades. Também procuram atendimento fonoaudiológico para suprir uma demanda de inclusão que as políticas públicas ainda não compensaram. Apesar de amparados em lei, estes estudantes ainda enfrentam barreiras que podem dificultar sua permanência na instituição ou seu rendimento acadêmico. Deste modo, a ação do fonoaudiólogo pode ser uma alternativa para minimizar os obstáculos impostos pelas suas dificuldades dentro da Universidade.

Referências

APA. Manual diagnóstico e estatístico de transtorno dsm-5. American Psychiatnc Association. Tradução de Maria Inês Corrêa Nascimento et al. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ARRUDA, Jalsi Tacon et al. Educação de pessoas que apresentam transtorno do espectro autista: perspectivas da inclusão. RENEFARA, Goiânia, p. 39-49, 2018. Disponível em: https://www.fara.edu.br/sipe/index.php/renefara/article/view/668. Acesso em: 6 jun. 2019.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BIANCHI, Eugenia. Diagnósticos psiquiátricos infantiles, biomedicalización y DSM: ¿hacia una nueva (a)normalidad? Rev. Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, Colômbia, v. 14, n.1, p. 417-430, 2016. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S1692-715X2016000100029&script=sci_abstract&tlng=es. Acesso em: 9 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Especial - SEESP. Secretaria de Educação Superior - SeSu. Programa oncluir: acessibilidade na Educação Superior. Brasília, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pet/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/17433-programa-incluir-acessibilidade-a-educacao-superior-novo. Acesso em: 15 maio 2019.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, Brasília – DF, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 15 mai. 2019.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, DF: [s. n.], 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20112014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 15 maio 2019.

BRASIL. Lei no 12.764/2012, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Brasília, DF, 2012. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em 06 jun. 2019.

BRASIL. Documento orientador: Programa Incluir - Acessibilidade na educação superior. SECADI/SESu, Brasília, DF, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17433&Itemid=817. Acesso em: 19 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 12 maio 2019.

DONIDA, Lais Oliva; SANTANA, Ana Paula. Apoio Pedagógico como proposta de educação para todos. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 45, e192527, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022019000100554&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 6 jun. 2019.

DONATI, Grace Cristina Ferreira, CAPELLINI, Vera Lucia Messias Fialho. Consultoria colaborativa no ensino superior, tendo por foco um estudante com transtorno do espectro autista. RIAEE: Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13. n. esp. 2, p. 1459-1470, set., 2018. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6683074. Acesso em: 6 jun. 2019.

FARIA, Karla Tomaz et al. Atitudes e práticas pedagógicas de inclusão para o aluno com autismo. Rev Educ. Esp., Santa Maria, p. 353-370, jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/28701. Acesso em: 6 jun. 2019.

FAVORETTO, Natalia Caroline; LAMONICA, Dionísia Aparecida Cusin. Conhecimentos e necessidades dos professores em relação aos transtornos do espectro autístico. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 20, n. 1, p. 103-116, mar. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382016000200233&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 9 jun. 2019.

GOMES, Camila Graciella Santos; SOUZA, Deisy das Graças de. Ensino de sílabas simples, leitura combinatória e leitura com compreensão para aprendizes com autismo. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 22, n. 2, p. 233-252, jun. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382016000200233&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 9 jun. 2019.

GOMES, Paulyane T. M. et al. Autismo no Brasil, desafios familiares e estratégias de superação: revisão sistemática. J. Pediatr., Porto Alegre, v. 91, n. 2, p. 111-121, abr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572015000200111&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 9 jun. 2019.

MATTOS, Jací Carnicelli. Alterações sensoriais no Transtorno do Espectro Autista (TEA): implicações no desenvolvimento e na aprendizagem. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 36, n.109, p. 87-95, 2019. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862019000100009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 6 jun. 2019.

MIILHER, Liliane Perroud; FERNANDES, Fernanda Dreux Miranda. Considerando a responsividade: uma proposta de análise pragmática no espectro do autismo. CoDAS, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 70-75, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2317-17822013000100013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 9 jun. 2019.

NEVES, Anderson Jonas das et al. Escolarização formal e dimensões curriculares para alunos com autismo: o estado da arte da produção acadêmica brasileira. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 30, n. 2, p. 43-70, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982014000200003. Acesso em: 9 jun. 2019.

PALMEIRO, Kemely. A atuação da fonoaudiologia no ensino superior e suas contribuições no apoio pedagógico e na educação especial dentro da perspectiva inclusiva. 30f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fonoaudiologia) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

PASSERINO, Liliana Maria; BEZ, Maria Rosangela; VICARI, Rosa Maria. Formação de professores em comunicação alternativa para crianças com TEA: contextos em ação. Revista Educação Especial, Santa Maria, p. 619-638, nov. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/10475. Acesso em: 9 jun. 2019.

REIS, Helena Isabel da Silva; PEREIRA, Ana Paula da Silva; ALMEIDA, Leandro da Silva. Características e Especificidades da Comunicação Social na Perturbação do Espectro do Autismo. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 22 n. 3, p. 325-336, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382016000300325&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 9 jun. 2019.

SANTANA, Ana Paula de Oliveira et al. Acessibilidade e permanência: um estudo do programa institucional de apoio aos estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina. Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Marília, p. 673-690, 2015. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/7919/5426. Acesso em: 6 jun. 2019.

SIGNOR, Rita; MAIA, Mirian. MALEC - material para avaliação da leitura e escrita da criança: uma proposta com base nos gêneros do discurso. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

SILVA, Mariane Carloto da; PAVÃO, Silvia M. de Oliveira. (Im)possibilidades das adaptações curriculares na educação superior. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 621-649, out. 2018. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/curriculum/article/view/30099/26723. Acesso em: 6 jun. 2019.

SILVA, Naytiara Júlia Andrade da. Pessoa com paralisia cerebral na educação superior: da inserção na cultura escrita à trajetória educacional. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Fonoaudiologia) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

Publicado

2020-11-18

Como Citar

Silveira, P. T. da ., Donida, L. O. ., & Santana, A. P. . (2020). Inclusão e permanência de universitários com diagnóstico de transtorno do espectro autista: discussões acerca de barreiras linguísticas . Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 25(3). https://doi.org/10.1590/S1414-40772020000300008

Edição

Seção

Artigos