Transtornos mentais comuns em docentes do ensino superior

evidências de aspectos sociodemográficos e do trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1414-40772020000300012

Palavras-chave:

Docentes., Estudos Transversais, Transtornos mentais.

Resumo

Os Transtornos Mentais Comuns (TMC) apresentaram crescimento significativo nas últimas décadas. Apesar das elevadas prevalências registradas e de representar importante causa de afastamento do trabalho entre docentes, ainda há lacunas do conhecimento sobre esse evento em docentes universitários. Este estudo objetivou estimar a prevalência de TMC em docentes de uma universidade pública da Bahia, analisando sua associação com aspectos sociodemográficos, laborais e psicossociais. Foi realizado estudo epidemiológico de corte transversal, de caráter exploratório, envolvendo 127 docentes. Foram realizadas análises univariada, bivariada e multivariada com regressão logística não condicional. Para entrada no modelo, estabeleceu-se valor de p ≤ 0,25, obtido pelo Teste Qui-Quadrado de Pearson (X²) ou Exato de Fisher. As razões de prevalência foram estimadas por Regressão de Poisson. O nível de significância estatística adotado para permanência no modelo final foi de 5%. A prevalência de TMC na população estudada foi de 29,9%. Observou-se associação estatisticamente significante de TMC com sentimento de desgaste na relação com os alunos (RP: 2,31) e falta de satisfação em trabalhar na instituição (RP: 2,13). Elevada prevalência de TMC foi observada entre os docentes participantes do estudo reforçando a necessidade de ações de intervenção e do olhar atento sobre a saúde mental destes profissionais.

Referências

ARAÚJO, Tânia Maria de et al. Trabalho docente e sofrimento psíquico: um estudo entre professores de escolas particulares de Salvador, Bahia. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 12, n. 20, p. 485-495, jul./dez., 2003.

ARAÚJO, Tânia Maria de et al. Mal-estar docente: avaliação de condições de trabalho e saúde em uma instituição de ensino superior. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 29, n. 1, p. 6-21, jan./jun. 2005.

ARAÚJO, Tânia Maria de; CARVALHO, Fernando Martins. Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 107, p. 427-449, maio/ago. 2009.

ARAÚJO, Tânia Maria de; GRAÇA, Cláudia Cerqueira; ARAÚJO, Edna. Estresse ocupacional e saúde: contribuições do modelo Demanda-Controle. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 4, p. 991-1003, 2003.

BALDAÇARA, Leonardo et al. Common psychiatric symptoms among public school teachers in Palmas, Tocantins, Brazil. An observational cross-sectional study. São Paulo Medical Journal, São Paulo, v. 133, n. 5, p. 435-438, set./out. 2015.

BEUSENBERG, Michale et al. A user’s guide to the Self Reporting Questionnaire (SRQ). Geneva: Division of Mental Health, World Health Organization, 1994.

BORSOI, Izabel Cristina Ferreira. Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de ensino superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 81-100, jun. 2012.

CARLOTTO, Mary Sandra; CÂMARA, Sheila Gonçalves. Prevalence and risk factors of common mental disorders among teachers. Journal of work and organizational psychology, Madri, v. 31, n. 3, p. 201-206, 2015.

DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5. ed. São Paulo: Cortez-Oboré, 1992.

DEJOURS, Christophe; ABDOUCHELI, Elisabeth; JAYET, Christian. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2009.

DELCOR, Núria Serre et al. Condições de trabalho e saúde dos professores da rede particular de ensino de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 187-196, jan./fev. 2004.

DIEHL, Liciane; MARIN, Angela Helena. Adoecimento mental em professores brasileiros: revisão sistemática da literatura. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 7, n. 2, p. 64-85, dez. 2016.

FERREIRA, Raquel Conceição et al. Transtorno mental e estressores no trabalho entre professores universitários da área da saúde. Trabalho, educação e saúde, Rio de Janeiro, v. 13, p. 135-155, 2015.

FIGLIOULO, Danielle Santana da Silva; LIMA, Pedro Olavo de Paula; LAURENTINO, Glória Elizabeth Carneiro. Estresse ocupacional e fadiga em fisioterapeutas que exerciam função de docência em universidades da cidade de Recife/PE. Terapia Manual, [S. L.], v. 9, n. 43, p. 231-237, 2011.

FREITAS, Paula Adriana Lima de Matos; SILVA, Marluce Souza e. Trabalho docente cercado por circunstâncias que são fontes de adoecimento. Revista Direitos, trabalho e política social, Cuiabá, v. 2, n. 2, p. 126-151, jan./jun., 2016.

GLINA, Débora Miriam Raab et al. Saúde mental e trabalho: uma reflexão sobre o nexo com o trabalho e o diagnóstico, com base na prática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 607-616, maio/jun., 2001.

GONÇALVES, Daniel Maffasioli; STEIN, Airton Telelbon; KAPCZINSKI, Flavio. Avaliação de desempenho do Self-Reporting Questionnaire como instrumento de rastreamento psiquiátrico: um estudo comparativo com o Structured Clinical Interview for DSM-IV-TR. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 380-390, 2008.

JACARANDÁ, Elza Maria de Freitas. Sofrimento mental e satisfação no trabalho: um estudo com professores das escolas inclusivas estaduais de ensino fundamental em Porto Velho, Rondônia. 96f. Dissertação (Mestrado Ciências da Saúde) – Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

JARDIM, Renata; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. Condições de trabalho, qualidade de vida e disfonia entre docentes. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 10, p. 2439-2461, out. 2007.

LEITE, Délia Ribeiro et al. Trabalho docente em foco: relação entre as condições de trabalho e o adoecimento de professores na Universidade Federal de Ouro Preto. Trabalho e Educação, Belo Horizonte, v. 17, n. 3, p. 71-83, set./dez. 2008.

LEMOS, Denise Vieira da Silva. Precarização do trabalho docente nas Federais e os impactos na saúde: o professor no seu limite. Entreideias, Salvador, v. 3, n. 1, p. 95-109, jan./jun. 2014.

LUDERMIR, Ana Bernarda; MELO FILHO, Djalma A. de. Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 213-221, 2002.

LYRA, Gabriela Franco Dias et al. A relação entre professores com sofrimento psíquico e crianças escolares com problemas de comportamento. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 435-444, 2009.

MENDES, Luciano et al. Da arte ao ofício: vivências de sofrimento e significado do trabalho de professor universitário. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, v. 7, n. 2, p. 527-556, set. 2007.

PORTO, Lauro Antonio et al. Associação entre distúrbios psíquicos e aspectos psicossociais do trabalho de professores. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 5, p. 818-826, 2006.

REIS, Eduardo José Farias Borges dos et al. Trabalho e distúrbios psíquicos em professores da rede municipal de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, p. 1480-1490, set./out. 2005.

ROCHA, Luise Marques da; SOUZA, Luciano Dias de Mattos. Voice Handicap Index associated with Common Mental Disorders in elementary school teachers. Journal of voice, v. 27, n. 5, p. 595-602, 2013.

SANTOS, Kionna Oliveira Bernardes et al. Avaliação de um instrumento de mensuração de morbidade psíquica: estudo de validação do Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20). Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 34, n. 3, p. 544-560, jul./set. 2010.

SANTOS, Gustavo Barreto. Bem estar e condições de trabalho de professores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco. 71f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

SANTOS, Daniel Alberto Santos. Estresse ocupacional e transtornos mentais comuns entre professores universitários. 157f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2016.

SANTOS, Kionna Oliveira Bernardes; ARAÚJO, Tânia Maria de; OLIVEIRA, Nelson Fernandes de. Estrutura fatorial e consistência interna do Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20) em população urbana. Cad. de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 214-222, jan. 2009.

SANTOS, Élem Guimarães dos; SIQUEIRA, Marluce Miguel de. Prevalência dos transtornos mentais na população adulta brasileira: uma revisão sistemática de 1997 a 2009. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 59, n. 3, p. 238-246, 2010.

SILVA, Luciane Goulart da; SILVA, Marcelo Cozzensa da. Condições de trabalho e saúde de professores pré-escolares da rede pública de ensino de Pelotas, RS, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 11, p. 3137-3146, nov. 2013.

SILVA-JUNIOR, João Silvestre; FISCHER, Frida Marina. Afastamento do trabalho por transtornos mentais e estressores psicossociais ocupacionais. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 18, n. 4, p. 735-744, out./dez. 2015.

TAVARES, Juliana Petri et al. Distúrbios psíquicos menores em enfermeiros docentes de universidades. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 20, n. 1, jan./fev. 2012.

Publicado

2020-11-18

Como Citar

Campos, T. C. ., Véras, R. M. ., & Araújo, T. M. de . (2020). Transtornos mentais comuns em docentes do ensino superior: evidências de aspectos sociodemográficos e do trabalho. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 25(3). https://doi.org/10.1590/S1414-40772020000300012

Edição

Seção

Artigos