A interdisciplinaridade na prática acadêmica universitária

conquistas e desafios a partir de um projeto de pesquisa-ação

Autores

Palavras-chave:

Sistemas socioecológicos, Resiliência, Transdisciplinaridade, Processos dialógicos, Ensino Superior, Agricultura familiar

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar as reflexões de um grupo de docentes e pesquisadores, com diferentes formações, perfis e áreas de atuação, sobre o processo de construção de uma nova agenda de pesquisa e extensão interdisciplinares, com vistas à transdisciplinaridade. Para tanto, descreve um processo de concepção e elaboração de projetos, baseado no conceito de pesquisa-ação e tendo a interdisciplinaridade como meta, na caracterização de sistemas socioecológicos complexos. Os projetos realizados enfocaram a resiliência da agricultura familiar, na região de fronteira agrícola intitulado Portal da Amazônia (MT). Discute-se, a partir desse processo, a possibilidade de construção dialógica de projetos, narrando seus principais desafios na busca pela real indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão. Conclui-se que as escolhas relativas aos fundamentos teóricos e metodológicos que embasaram os projetos foram essenciais para a construção do fazer acadêmico interdisciplinar, e que o processo de pesquisa-ação, conforme construído e aqui descrito, possibilitou a relação dialética entre a transdisciplinaridade e as três dimensões do conhecimento acadêmico, pauta constante nas discussões atuais sobre a avaliação do Ensino Superior no Brasil.

Referências

ACOSTA, Alberto. El buen vivir, una oportunidad por construir. Ecuador Debate, Quito-Equador, dez. 2008. Disponível em; https://repositorio.flacsoandes.edu.ec/bitstream/10469/4162/1/RFLACSO-ED75-03-Acosta.pdf. Acesso: 23 maio 2019.

ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016.

ALBERNAZ-SILVEIRA, Ruth. Voos xamânicos: uma imagética da diversidade biocultural amazônica. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 7, n. 2, p. 311-334, 2016.

BALDISSERA, Adelina. Pesquisa-ação: uma metodologia do “conhecer” e do “agir” coletivo. Sociedade em Debate, Pelotas, v. 7, n. 2, p. 5-25, 2001.

BICALHO, Lucineia Maria; OLIVEIRA, Marlene. Aspectos conceituais da multidisciplinaridade e da interdisciplinaridade e a pesquisa em ciência da informação. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 1-26, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2011v16n32p1/19336 Acesso em: 23 maio 2019.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org.). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BRUNEAU, Michel et al. A framework to quantitatively assess and enhance the seismic resilience of communities. Earthquake Spectra, Oakland, v. 19, p. 733–752, 2003.

BURLANDY, Luciene et al. Saúde e sustentabilidade: desafios conceituais e alternativas metodológicas para a análise de sistemas locais de Segurança Alimentar e Nutricional. Tempus Actas de Saúde Coletiva, Brasília v. 9, n. 3, p. 55-70, 2015.

BUSCHBACHER, Robert. Teoria da resiliência e os sistemas socioecológicos: como se preparar para um futuro imprevisível? Boletim IPEA Regional, Urbano e Ambiental, Brasília, v. 9, n. 11, p. 11-24, 2014.

BUSCHBACHER, Robert. et al. Resilience assessment as a tool for understanding the Amazon frontier as a social ecological system. Sustentabilidade em Debate, Local, v. 7, n. 2, p. 20-35, 2016.

FARRAL, Maria Helena. O conceito de resiliência no contexto dos sistemas socio-ecológicos. Revista Online da Sociedade Portuguesa de Ecologia, Lisboa, n. 6, p. 50-62, 2012. Disponível em: https://www.academia.edu/4150929/O_conceito_de_Resili%C3%AAncia_no_contexto_dos_sistemas_socio_ecol%C3%B3gicos . Acesso em: 23 maio 2019.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 11. ed. Campinas: Papirus, 2003.

FERRAZ, Lídia Rochedo. O cotidiano de uma escola rural ribeirinha na Amazônia: práticas e saberes na relação escola-comunidade. Tese (Doutorado em Ciências na área de Psicologia) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Ribeirão Preto, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 29. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

GADOTTI, Moacir. Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

GONÇALVES, Nadia G. Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão: um princípio necessário. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 3, p. 1229-1256, 2015.

GRÜN, Mauro. Descartes, historicidade e educação ambiental. In: CARVALHO, Isabel Cristina de Moura; GRÜN, Mauro. Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. Brasília: MEC, UNESCO, 2006. p. 61-75.

GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais. 2. ed. Campinas: Papirus, 2004.

KRASNY, Marianne E. et al. Resilience in social-ecological systems: the role of learning and education. New York: Routledge, 2011.

LEBEL, Louis et al. Governance and the capacity to manage resilience in regional social-ecological systems. Ecology and Society, Wolfville, v. 11, n. 1, 2006.

LEFF, Enrique. Ecologia, capital e cultura. Blumenau: EDIFURB, 2000.

MORIN, Edgar A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

OLIVAL, Alexandre de Azevedo et al. Resiliência da agricultura familiar na Amazônia: co-construção de um programa de pesquisa-ação multi-institucional no Brasil. In: ENCONTRO LUSÓFONO EM ECONOMIA, SOCIOLOGIA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO RURAL. 2. Évora, 07 a 09 de setembro de 2016. Anais [...]. Évora: Associação Portuguesa de Economia Agrária, 2016.

PERIPOLLI, Odimar João. Expansão do capitalismo na Amazônia norte mato-grossense: a mercantilizaçao da terra e da escola. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

REIS, Kimberley; FERREIRA, Jo-Anne. Community and school gardens as spaces for learning social resilience. Canadian Journal of Environmental Education, Canadá, v. 20, p. 63-77, 2015.

RESILIENCE ALLIANCE. Assessing resilience in social-ecological systems: workbook for scientists. Estocolmo, 2010, 54 p. Disponível em: https://www.resalliance.org/files/ResilienceAssessmentV2_2.pdf Acesso em: 30 ago. 2019.

SANTOS, Akiko. Complexidade e transdisciplinaridade em educação: cinco princípios para resgatar o elo perdido. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13 n. 37 p. 71-83, 2008.

SATO, Michèle. Educação para o ambiente amazônico. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 1997.

SAVIANI, Dermeval. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 18. ed. Campinas: Autores Associados, 2009.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2008.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos (org.). A pesquisa-ação-participativa em educação ambiental: reflexões teóricas. São Paulo: Annablume; Fapesp; Botucatu: Fundibio, 2007.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos; VASCONCELLOS, Hedy Silva Ramos. A metodologia da pesquisa-ação em educação ambiental: reflexões teóricas e relatos de experiência. In: PEDRINI, Alexandre de Gusmão; SAITO, Carlos Hiro. Paradigmas metodológicos em educação ambiental, Petrópolis: Vozes, 2014. p. 113-131.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Oliveira, R. E. de, Figueiredo, R. A. de, Makishi, F. ., Sais, . A. C. . ., Olival, A. de A. ., Alcântara, L. C. S., Morais, J. P. G. de ., & Veiga, J. P. C. . (2021). A interdisciplinaridade na prática acadêmica universitária: conquistas e desafios a partir de um projeto de pesquisa-ação. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 26(2). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/4691

Edição

Seção

Artigos