ENSINO SUPERIOR, ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL E MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO COM EGRESSOS DA UFMG

Autores

  • Michely de Lima Ferreira Vargas

Resumo

O presente artigo apresenta os principais resultados de estudo que examinou as conexões entre as desigualdades de acesso e permanência no ensino superior, a assistência estudantil e a inserção profissional de uma amostra de egressos da UFMG. A análise comparativa da situação socioeconômica dos egressos da amostra, composta tanto por profissionais que participaram dos programas de assistência estudantil oferecidos pela universidade, bem como por aqueles que não foram bolsistas, demonstrou que, de posse do diploma, no que diz respeito aos níveis de remuneração, os ex-bolsistas estão em igualdade de condições no mercado de trabalho com seus congêneres que não receberam esse apoio. No caso da amostra analisada neste trabalho, a remuneração dos bolsistas é afetada pelos mesmos fatores que influenciam a composição dos rendimentos dos não bolsistas, ou seja, carreira, titulação e setor de atuação. O exame dos dados apontou que a renda se relaciona fortemente com a carreira, assim como têm demonstrado estudos sobre perfil de egressos de graduação no Brasil. A análise efetuada evidenciou que ao auxiliar estudantes pobres a obter o diploma de graduação, a assistência estudantil colabora para que estes universitários tornem-se profissionais qualificados e ingressem no mercado de trabalho portando credenciais valorizadas, ampliando suas possibilidades de ascender socialmente.

Como Citar

Vargas, M. de L. F. (1). ENSINO SUPERIOR, ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL E MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO COM EGRESSOS DA UFMG. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 16(1). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/886

Edição

Seção

Artigos