MEDICALIZAÇÃO DA SEXUALIDADE: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS - (DSM) E GÊNERO

  • Patricia de Paulo Antoneli
Palavras-chave: Medicalização. Patologização. Sexualidade. DSM. Diagnóstico. Gênero.

Resumo

Este artigo pretende discutir sobre a medicalização da sexualidade cercada pelas questões históricas e sociais, e refletir sobre alguns transtornos presentes nas versões do Manual de Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM), por meio dos estudos de gênero. Entende-se que a sexualidade constitui um importante dispositivo social de controle sobre as pessoas (Foucault, 1977). O DSM possui uma importância política para a sociedade e denuncia os sujeitos anormais da sociedade. Parte das normas acerca da sexualidade é relacionada ao modo como cada cultura lida com a reprodução, os papéis sociais do masculino e feminino, e com o fim de manter os gêneros e as práticas sexuais presas à diferença sexual. Cumpre à sociedade recusar esse projeto patologizante e se abrir para uma sexualidade fluida e dinâmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
ANTONELI, P. MEDICALIZAÇÃO DA SEXUALIDADE: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS - (DSM) E GÊNERO. REU - Revista de Estudos Universitários, v. 39, n. 1, p. p. 147-159, 11.
Seção
Artigos