Imagem e memória

uma perspectiva bergsoniana no estudo da recepção da telenovela “Velho Chico”

  • Antonio Hélio Junqueira Universidade Anhembi Morumbi
Palavras-chave: Comunicação. Teleficção. Recepção. Imagem. Memória.

Resumo

Esse artigo alinha-se às discussões sobre as estratégias e as inovações nos modos do fazer teleficcional seriado brasileiro contemporâneo, as quais, pelo agenciamento da memória, do imaginário e de novas linguagens e narrativas imagéticas e textuais, elevam a qualidade de telenovelas e minisséries  em comparação aos produtos culturais da indústria massiva tradicional, tornando-as aptas, assim, ao trabalho da elevação da consciência, da reflexão e do pensamento crítico e, portanto, da instauração da praxis em espaços e brechas do cotidiano utilitário e pragmático da recepção doméstica. Nesse sentido, a perspectiva bergsoniana aplicada aos estudos da recepção – antes restrita aos estudos de cinema – pode ser estendida também à teleficção seriada. Como corpus empírico a pesquisa contempla a obra teleficcional “Velho Chico”, de autoria de Benedito Ruy Barbosa e com direção de arte de Luiz Fernando Carvalho, publicamente reconhecida pela inovação e subversão do produto teleficcional brasileiro tradicional, a partir do que pode viabilizar estados expandidos da consciência, necessários para a reflexão e a modificação do sujeito e de sua realidade-mundo.

Biografia do Autor

Antonio Hélio Junqueira, Universidade Anhembi Morumbi

Doutor em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Pós doutorado (CNPq) e Mestre em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Professor e pesquisador do Mestrado Profissional da Universidade Anhembi Morumbi (UAM).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2010.
ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
BACCEGA. Maria Aparecida. Narrativa ficcional de televisão: encontro com temas sociais, Comunicação & Educação, São Paulo, n. 26, p. 7-16, 2003.
BACCEGA. Maria Aparecida.. Ressignificação e atualização das categorias de análise da “ficção impressa” como um dos caminhos de estudo da narrativa teleficcional. In: BACCEGA, Maria Aparecida; OROFINO, Maria Isabel. Consumindo e vivendo a vida: telenovela, consumo e seus discursos. São Paulo: Intermeios, 2013. p. 27-48.
BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1992.
BECKER, Beatriz. O sucesso da telenovela “Pantanal” e as novas formas da ficção televisiva. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor; ROXO, Marco. A história da televisão no Brasil. São Paulo: Contexto: 2010. p. 239-258.
BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
DELEUZE, Gilles. Cinema II. Imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.
DELEUZE, Gilles. Foucault. Lisboa: Veja, 1987.
EAGLETON, Terry. A ideologia da estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.
FERREIRA, Jairo. Uma abordagem triádica dos dispositivos midiáticos, Líbero, São Paulo, ano IX, n.º 17, p. 137-145, jun. 2006.
FISH, Stanley. Is there a text in this class? The authority of interpretive communities. Cambridge, Massachusetts & London: Harvard University Press, 1980.
FISKE, John. Television culture. London; New York: Methuen, 1987.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 17. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.
HELLER, Agnes. O cotidiano e a História. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.
JAMESON, Fredric. Espaço e imagem: teorias do pós-moderno e outros ensaios. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.
JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.
JENKINS, Henry; GREEN, Joshua; FORD, Sam. Cultura da conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.
JUNQUEIRA, Antonio Hélio. “Eu vi um Brasil na TV: imaginário e representação do rural na primeira fase da telenovela “Velho Chico”. In: COMUNICON 2016 - CONGRESSO INTERNACIONAL COMUNICAÇÃO E CONSUMO, 2016, São Paulo, SP. Anais... São Paulo: ESPM, 2016a..
JUNQUEIRA, Antonio Hélio. Imaginário e memória na tessitura narrativa da telenovela “Velho Chico”: as mediações do cotidiano. In: INTERCOM – CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, XXXIX, 2016, São Paulo, SP. Anais... São Paulo: Intercom, 2016b.
JUNQUEIRA, Antonio Hélio; BACCEGA, Maria Aparecida. “Velho Chico”: narrar para audiências desatentas. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 75-83, 2017.
KLEIN, Otávio José. A gênese do conceito de dispositivo e sua utilização nos estudos midiáticos. Estudos em Comunicação, Covilhã, Portugal, n.1, p. 215-231, abr./2007.
LA PLANTINE, François; TRINDADE, Liana. O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense: 2003.
LOPES, Maria Immacolata Vassalo de. Por uma teoria de fãs da ficção televisiva brasileira. Porto Alegre: Sulina, 2015.
LOPES, Maria Immacolata Vassalo de.. Telenovela como recurso comunicativo, MATRIZes, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 21-47, ago./dez. 2009..
LOPES, Maria Immacolata Vassalo de.. Telenovela: internacionalização e interculturalidade. São Paulo: Loyola, 2004b.
MELO, Danilo Augusto Santos. Bergson e os paradoxos do tempo, ou como o cinema faz pensar. Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, v. 12, n. 1, p. 9-28, jun. 2014.
MOTTER, Maria Lourdes. A telenovela: documento histórico e lugar de memória. Revista USP, São Paulo, n. 48, p. 74-87, 2001.
ORLANDI, Eni Pulcinelli. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 1996.
OROZCO GÓMEZ, Guillermo. O telespectador frente à televisão. Uma exploração do processo de recepção televisiva. Revista Communicare, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 27-42, 2005.
OROZCO GÓMEZ, Guillermo. Televisión, audiências y educación. Buenos Aires: Grupo Editorial Norma, 2001.
SILVERSTONE, Roger. Let us return to the murmuring of everyday practices: a note on Michel de Certeau, televisiona and everyday life. Theory, Culture and Society, v. 6, p. 77-94, fev. 1989.
THOMASSEAU, Jean-Marie. O melodrama. São Paulo: Perspectiva, 2005.
WILLIAMS, Raymond. Television: technology anda cultural form. New York: Shocken Books, 1975.
Publicado
2018-05-05
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas