Avaliação da Gestão das Instituições Federais de Educação Superior

categorias analíticas de inserção das mulheres

Palavras-chave: Avaliação, Práticas de gestão, Mulheres

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma proposta de avaliação de práticas instituicionais, por meio de categorias de avaliação de gestão das Instituições Federais de Educação Superior (IFES), no que se refere a inserção de mulheres. Essa avaliação poderá permitir a elaboração de um diagnóstico situacional, visando incentivar as organizações a se sensibilizarem sobre o tema, com vistas a contribuir para superação de desigualdades de gênero.

Referências

ABRAMO, Lais Wendel. A inserção da mulher no mercado de trabalho: uma força de trabalho secundária? Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.
ACKER, Joan. Hierarchies, jobs, bodies: a theory of gendered organizations. Gender & Society, SAGE Publications, v. 2, n. 4, p.139-158, jun. 1990.
ALVES, José Eustáquio Diniz. O crescimento da PEA e a redução do hiato de gênero nas taxas de atividade no mercado de trabalho. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2013.
ANTONELLO, Cláudia Simone; PANTOJA, Maria Júlia. Aprendizagem e o desenvolvimento de competências. In: BERGUE, S. T.; CAMÕES, M. R. S.; PANTOJA, M. J. (orgs.) Gestão de pessoas: bases teóricas e experiências no setor público. Brasília: ENAP, 2001. p. 51-101.
BETIOL, Maria Irene Stocco; TONELLI, Maria José. A Mulher executiva e suas relações de trabalho. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 31, n. 4, p. 17-33, out./dez. 1991.
BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2013.
BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.
BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 110, p. 67-104, 2000.
COLLING, Ana Maria. Tempos diferentes, discursos iguais: a construção do corpo feminino na história. Dourados: Ed. UFGD, 2014.
ETHOS, Instituto. Indicadores Ethos para negócios sustentáveis e responsáveis: Guia Temático. 2017. Disponível em: https://www3.ethos.org.br/conteudo/indicadores/guias-tematicos/#.W7VMc2hKjIU. Acesso em: 10 out. 2018.
FERREIRA, Maria José de Resende. Interdições e resistências: os difíceis percursos da escolarização das mulheres na EPT. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.
GAA. Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões. Guia de Avaliação. 3. ed. Lisboa: Instituto da Cooperação e da Língua, 2014.
GODINHO, Tatau (org.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004.
GONÇALVES, Rosemary Cavalcante. O assédio moral no Ceará: naturalização dos atos injustos no trabalho. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2006.
GUIRALDELLI, Reginaldo. Adeus à divisão sexual do trabalho? Desigualdade de gênero na cadeia produtiva da confecção. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 27, n. 3, p. 709-732, dez. 2012.
HIRATA, Helena. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, set./dez. 2007.
HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2012.
HIRATA, Helena; KERGOAT, Daniele. A classe operária tem dois sexos. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, n. 1, p. 93-100, jan./jun. 1994.
IBGE. Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho. Pesquisa Mensal de Emprego. Rio de Janeiro, 2016.
IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD): síntese de indicadores 2013. Rio de Janeiro, 2014.
IBGE. Sobre a percentagem de mulheres no mercado de trabalho. Rio de Janeiro, 2011.
IPEA. Mulheres e trabalho: breve análise do período 2004-2014. Nota Técnica n. 24. Brasília, 2016.
LAVINAS, Lena. Empregabilidade no Brasil: inflexões de gênero e diferenciais femininos. Rio de Janeiro: Ipea, set. 2001.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.
MARUANI, Margaret. Introdução. In: MARUANI, Margaret e HIRATA, Helena (orgs.). As novas fronteiras da desigualdade: homens e mulheres no mercado de trabalho. São Paulo: SENAC, 2003.
NICKNICH, Mônica. O direito social das mulheres ao trabalho e o princípio da fraternidade: uma nova relacionalidade na pós-modernidade. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.
OIT. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Igualdade de gênero e raça no trabalho: avanços e desafios. Brasília: OIT, 2010.
ONUBR. Nações Unidas no Brasil. Glossário de termos do objetivo de desenvolvimento sustentável 5: alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. [s. l.], 2016.
PIRES, Rui Pena. O problema da integração. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Lisboa, v. 24, p. 55-87, 2012.
RELATÓRIOS DINÂMICOS. Sistema relatórios dinâmicos empoderamento das mulheres: trabalho e valorização, Curitiba, 2017. Disponível em: http://relatoriosdinamicos.com.br/mulheres/trabalho/BRA004041095/curitiba---pr. Acesso em: 10 out. 2018.
SAMMARTINO, W. A influência das políticas e práticas de gestão de recursos humanos no desempenho organizacional: um estudo de caso na área industrial de uma empresa do setor de telecomunicações. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
Publicado
2019-09-20
Como Citar
Witt, A. T. da S., & Schlickmann, R. (2019). Avaliação da Gestão das Instituições Federais de Educação Superior. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, 24(2). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs3/index.php/avaliacao/article/view/3727
Seção
Artigos