Histórico das avaliações institucionais e sua mudança na percepção de valor

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1414-40772021000100010

Palavras-chave:

Educação superior, Avaliação institucional, Inovação

Resumo

A avaliação, sobretudo da qualidade da educação, é essencial para que a sociedade saiba o que está sendo produzido nas universidades. Portanto, a busca pela qualidade na educação tem sido objeto de estudo de diversas áreas de conhecimento, e, pode-se dizer que a área de avaliação institucional tem ganhado força nos últimos tempos, tendo em vista os desafios impostos que envolvem, acima de tudo, o diagnóstico de quão bem estão as instituições de ensino. Por meio da avaliação institucional é mapeada a realidade da instituição, que é o alicerce para proposições de ações de melhoria. Assim, esse artigo tem como objetivo identificar o que as instituições de ensino superior consideram valor no processo de avaliação. Essa pesquisa exploratória analisa o valor nos estudos sobre avaliação institucional e aponta a inovação como caminho determinante. A inovação nesse processo se torna crucial e a gestão da transição é uma lente que auxilia na identificação dos atores envolvidos, bem como na concretização da implementação dessa transição sociotécnica, com foco na mudança social e cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2000.

ANDRIOLA, Wagner Bandeira; ARAÚJO Adriana Castro. Uso de indicadores para diagnóstico situacional de Instituições de ensino superior. Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 100, p. 645-663, 2018.

BALDIGEN, Francine Adriane. Maturidade e inovação na avaliação institucional nas instituições de ensino superior do setor público. 2018. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

BARREYRO, Gladys Beatriz; ROTHEN, José Carlos. Para uma história da avaliação da educação superior brasileira: análise dos documentos do PARU, CNRES, GERES e PAIUB. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 13, n. 1, p. 131-152, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772008000100008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 22 out. 2019.

BAUREN, Ilse Maria; TEIXEIRA, Silvio Aparecido. Avaliação dos sistemas de controle gerencial em instituição de ensino superior com o performance management and control. Journal of Information Systems and Technology Management, Brasil, v. 11, n. 1, p. 169-192, 2014.

BESE, Regina Macedo Boaventura. Um Breve Histórico da avaliação institucional no Brasil. Revista Gestão Universitária, São Paulo, n. 100, p. 138-496, 2007. Disponível em: http://gestaouniversitaria.com.br/artigos/um-breve-historico-da-avaliacao-institucional-no-brasil. Acesso em: 22 out. 2019.

BITITCI, Umit et al. PM: challenges for tomorrow. International Journal of Management Review, United Kingdom, v. 14, n. 3, p. 305–327, 2012.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Brasília, DF, 2004.

CASTRO, Rosângela Nunes Almeida et al. Integração de processos avaliativos em uma instituição de ensino superior brasileira. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 23, n. 1, p. 58-74, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772018000100058. Acesso em: 22 out. 2019.

CORRÊA, Angela Cristina et al. Resistência à mudança na educação superior: design e operacionalização de um instrumento de medida para o MEES. Revista GUAL, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 55-78, 2013.

CRESWELL, John. Qualitative inquiry and research design: choosing among five approaches. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2006.

CUNHA, Luiz Antônio. Nova reforma do ensino superior: a lógica reconstruída. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 101, p. 20-49, jul. 1997.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação: técnica e ética. Avaliação, Campinas, v. 6, n. 3, set. 2001. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/1151. Acesso em: 22 out. 2019.

FALLEIROS, Ana Elisa de Souza; PIMENTA, Márcio Lopes; VALADÃO JUNIOR, Valdir Machado. O significado da autoavaliação institucional na perspectiva de técnicos-administrativos de uma universidade pública. Avaliação, v. 21, n. 2, p. 593-618, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-40772016000200593&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 out. 2019.

FELIX, Glades Tereza; BERTOLIN, Julio Godoy; POLIDORI, Marlis Morosini. Avaliação da educação superior: um comparativo dos instrumentos de regulação entre Brasil e Portugal. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 22, n. 1, p. 35-54, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772017000100035&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 22 out. 2019.

FRANCISCO, Thiago Henrique Almino et al. Análise epistemológica da avaliação institucional da educação superior brasileira: reflexões sobre a transposição de paradigmas. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 20, n. 2, p. 531-562, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772015000200531&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 22 out. 2019.

GEELS, Frank. Technological transitions as evolutionary reconfiguration processes: a multi-level perspective and a case-study. Research Policy, Amsterdam, v. 31, n. 8–9, p. 1257-1274, 2002.

GEELS, Frank. The dynamics of transitions in socio-technical systems: a multi-level analysis of the transition pathway from horse-drawn carriages to automobiles (1860– 1930). Technology Analysis & Strategic Management, United Kingdom, v. 17, n. 4, p. 445-476 2005.

GEELS, Frank. The multi-level perspective on sustainability transitions: Responses to seven criticisms. Environmental Innovation and Societal Transitions, United Kingdom, n. 1, p. 24-40, 2011.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HOFFMANN, Celina et al. O desempenho das universidades brasileiras na perspectiva do Índice Geral de Cursos (IGC). Educação e Pesquisa, Campinas, v. 40, n. 3, p. 651-666, 2014.

KEMP, René; ROTMANS, Jan. The management of the co-evolution of technical, environmental and social systems. In: WEBER, M.; HEMMELSKAMP, J. (eds). Towards environmental innovation systems. Berlin: Springer, 2010. p. 33-55.

LOORBACH, Derk Albert. Transition management: new mode of governance for sustainable development. Utrecht: International Books, 2007.

MARKARD, Jochen; RAVEN, Rob; TRUFFER, Bernhard. Sustainability transitions: an emerging field of research and its prospects. Research Policy, Amsterdam, v. 41, n. 6, p. 955-967, 2012.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.

MILES, Lawrence Delos. Lawrence Delos Miles Value Foundation. 2019. Disponível em: https://web.archive.org/web/20110106035244/http://www.valuefoundation.org/biography.htm. Acesso em: 3 out. 2019.

MURMAN, Earll et al. Lean enterprise value: insights from MIT's Lean Aerospace Initiative. Suffolk: Aardvark editorial, 2002.

NEIVA, C. Avaliação institucional. Brasília: Dois Pontos, 1987.

PEDERNEIRAS, Marcleide Maria Macedo et al. Exame nacional de desempenho dos estudantes na visão de líderes formais. Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 71, p. 381-400, 2011.

PRODANOV, Cleber Cristiano. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

PUCCIARELLI, Francesca; KAPLAN, Andreas. Competition and Strategy in Higher Education: Managing Complexity and Uncertainty. Business Horizons, Indiana, v. 59, n. 3, p. 311–320, 2016.

RIBEIRO, Jorge Luiz Lordêlo de Sales. SINAES: o que aprendemos acerca do modelo adotado para avaliação do ensino superior no Brasil. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 20, n. 1, p. 143-161, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772015000100143&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 22 out. 2019.

RISTOFF, Dilvo Ilvo. Universidade em foco: reflexões sobre a educação superior. Florianópolis, SC: Insular, 1999.

SEMESP. Resultados dos processos de avaliação institucional podem ser melhorados. 2018. Disponível em: https://www.semesp.org.br/wp-content/uploads/2018/01/Resultados-processos-avaliacao-institucional-melhorados-1.pdf. Acesso em: 04 out. 2019.

STEINHARDT, Isabel et al. Mapping the quality assurance of teaching and learning in higher education: the emergence of a specialty? Higher Education, Netherlands, v. 74, n. 2, p. 221-237, 2016.

VAN RAAN, Anthony. Fatal attraction: conceptual and methodological problems in the ranking of universities by bibliometric methods. Scientometrics, Budapest, v. 62, n. 1, p. 133-43, 2005.

VENTURINI, Jonas Cardona et al. Percepção da avaliação: um retrato da gestão pública em uma instituição de ensino superior (IES). Revista de Administração Pública - RAP, Rio de Janeiro, v. 44, n. 1, p. 31-53, 2010.

VIEIRA, Rui; MAJOR, Maria João; ROBALO, R. Investigação qualitativa em contabilidade. In: MAJOR, M. J.; VIEIRA, R. (ed.). Contabilidade e controle de gestão: teoria, metodologia e prática. Lisboa: Escolar Editora, 2009. p. 301-331.

Downloads

Publicado

19-04-2021

Como Citar

HEIDERSCHEIDT, Francisca Goedert; FORCELLINI, Fernando Antônio. Histórico das avaliações institucionais e sua mudança na percepção de valor. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 26, n. 1, 2021. DOI: 10.1590/S1414-40772021000100010. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/avaliacao/article/view/4656. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.