Avaliação institucional e gestão estratégica

vínculos necessários para o desenvolvimento institucional

Autores

Palavras-chave:

Avaliação institucional, Gestão universitária, Planejamento estratégico, Unicamp

Resumo

O presente artigo busca apresentar alguns resultados objetivos decorrentes de ações planejadas e orientadas pelo processo de avaliação, demonstrando que a implantação da gestão estratégica, vinculada à avaliação institucional, produz resultados tangíveis para a instituição no curto, médio e longo prazos. Estes resultados são, na nossa concepção, a maneira objetiva de defesa institucional a ser apresentada aos stakeholders como forma de accountability da missão institucional. Alguns dos stakeholders típicos são o governo do Estado de São Paulo, a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, o Conselho Estadual de Educação, o Tribunal de Contas Estadual, o Ministério Público, as agências de fomento públicas, os agentes privados, tais como os agentes sociais críticos da universidade pública, os competidores do mercado da educação superior, e a mídia em geral (meios de comunicação e outros formadores de opinião, entidades e organismos sociais). Para tanto, as interações metodológicas ocorrem sob as bases da pesquisa exploratória, de caráter documental e que se classifica como sendo descritiva-explicativa, predominantemente qualitativa por meio de observação participante, tendo como lócus da observação a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pode-se afirmar que a Unicamp tem hoje uma “expertise” em Avaliação Institucional, em Planejamento Estratégico e em Gestão Estratégica, com processos adaptados a sua realidade enquanto universidade pública com perfil “comprehensive”. Importante ressaltar que a gestão estratégica e a avaliação institucional são processos dinâmicos, carecendo sempre de atualizações e aperfeiçoamentos que ocorrerão nos ciclos sucessivos. Consideramos que são atividades institucionais relevantes para suprir a falta de integração que ocorrem nos sistemas nacionais de avaliação, pois permitem avaliar e impactar todas as atividades acadêmicas na sua integridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, E. M. de; MARTINS, N. R. (org.). Zeferino Vaz, ideia de universidade. Campinas: Mercado das Letras, 2018.

AMORIM, A., SOUZA, S. M. Z. L. Avaliação institucional da universidade brasileira. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 10, 1994.

AUCOIN, P. Administrative reform in public management: paradigms, principles, paradoxes and pendulums. Governance, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 115-137, 1990.

BARREYRO, G. B. Avaliação da educação superior em escala global: da acreditação aos rankings e os resultados de aprendizagem. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 23, n. 1, p. 5-22, mar. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v23n1/1982-5765-aval-23-01-00005.pdf. Acesso em: 26 maio 2019.

BERDAHL, R. Academic freedom, autonomy and accountability in British universities. Studies in Higher Education, [S.l.], v. 15, n. 2, p. 169-180, 1990.

BERTOLIN, J. C. G., Indicadores em Nível de Sistema para Avaliar o Desenvolvimento e a Qualidade da Educação Superior Brasileira. Avaliação, Campinas, v. 12, n. 2, p. 309-331, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772007000200007. Acesso em: 26 maio 2019.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Gestão. Guia D simplificação. 2. ed. Brasília: MPOG/SEGES, 2006.

BRUNNER, J. J. Gobernanza universitaria: tipología, dinámicas y tendencias. Revista de Educación, Madrid, n. 355, p. 137-159, 2011.

BUCHMANN, J. A. et al. Introduction to Public Key Infrastructures. Nova Iorque: Springer, 2013.

BUCHMANN, J. A. et al. Projeto Qualidade. Conselho Universitário (CONSU). 19a Sessão Ordinária. Ordem do Dia. 18.09.1990. p. 154-169. [Pauta da reunião].

COMISSÃO ORGANIZADORA. Relatório da Comissão Organizadora da Universidade de Campinas ao Egrégio Conselho Estadual de Educação. Sessão de 19 de dezembro de 1966. (assinado por Zeferino Vaz, Paulo Gomes Romeu, Antônio Augusto de Almeida). Arquivo Central. Campinas: Unicamp, 1966. 35 p. Disponível em: https://www.siarq.unicamp.br/siarq/images/siarq/historia_memoria/relatorio_comissao_organizadora.pdf. Acesso em: 7 maio 2019.

COSTA, Eliezer Arantes da. Gestão estratégica: da empresa que temos para a empresa que queremos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

DRUGOVICH, F. J. R.; MUZY, P. T. A. Os desafios da autonomia universitária: história recente da USP. Jundiaí: Paco, 2018.

DERLIEN, H. Una comparación internacional en la evaluación de las políticas públicas. Revista do Serviço Público, Rio de Janeiro, v. 52, n. 1, p. 105-122, jan./mar. 2001.

DIAS SOBRINHO, José. Universidade: projeto, qualidade, avaliação e autonomia, Pro-Posições, Campinas, n. 3, p. 7-17, 1992.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação institucional. Marcos teóricos e políticos. Avaliação, Campinas, v. 1, n. 1, 1996. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/722. Acesso em: 26 maio 2019.

DIAS SOBRINHO, José. Qualidade, avaliação: do Sinaes a índices. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 13, n. 3, p. 817-825, nov. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772008000300011#:~:text=%C3%89%20responsabilidade%20do%20Estado%20assegurar,com%20os%20grandes%20objetivos%20sociais. Acesso em: 26 maio 2019.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao Sinaes. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 15, n. 1, p. 195-224, mar. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772010000100011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 maio 2019.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: dilemas e conflitos institucionais e políticos. Editorial. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 23, n. 1, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772018000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 26 maio 2019.

DIAS SOBRINHO, J., BALZAN, N.C. (org). Avaliação institucional: teoria e experiências. São Paulo: Cortez, 1995.

DILL, D. D. The regulation of public research universities: changes in academic competition and implications for university autonomy and accountability. Higher Education Policy, [S.l.], v. 14, n. 1, p. 21-35, 2001.

DIXON, K.; D. COY. University governance: governing bodies as providers and user of annual reports. Higher Education, [S.l.], v. 54, p. 267-291, 2007.

ESTERMANN, T.; NOKKALA, T. University autonomy in Europe. Exploratory study. Brussels: European University Association, 2009.

FARIA, C. A. P. A política da avaliação de políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 20, n. 59, 2003.

FRANCISCO, Thiago Henrique Almino et al. A contribuição do PDI nas atividades de planejamento e gestão das instituições de educação superior. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 81-107, 2012.

GOMES, Eustáquio; VAZ, Zeferino. O mandarim: história da infância da Unicamp. Campinas: Unicamp, 2006.

HARDY, C.; FACHIN, R. Gestão estratégica na universidade brasileira: teoria e casos. Porto Alegre: Universidade/UFRGS, 1996.

HARDY, C.; FACHIN, R. Gestão estratégica na universidade brasileira: teoria e casos. 2. ed. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

HICKS, D. et al. The Leiden Manifesto for research metrics, Nature, [S.l.], n. 50, p. 429, 2015.

KAPLAN, R; NORTON, D. A estratégia em ação: balanced scorecard. 13. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

MARCACINI, A. T. R. Direito e informática: uma abordagem jurídica sobre criptografia. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

MINTZBERG, H. Strategy-making in three modes. Management Review, California, v. 26, n. 2, p. 44-53, 1973.

MONTICELLI, N. A. M. (coord.). A aplicação da gestão por processos nas diversas áreas da Unicamp (Metodologia Gepro) 2003-2012. São Paulo: Moderna, 2012. Disponível em: https://www.ccuec.unicamp.br/gepro/pdf/LivroGepro_Final_PPortal IS.pdf. Acesso em: 26 maio 2019.

MONTICELLI, N. A. M. et al. Planejamento estratégico em instituições universitárias: Desafios da Universidade Pública. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTIÓN UNIVERSITÁRIA. 18., 2018, Loja, Equador. Anais [...], Loja, Equador, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/190487/101_00018.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 26 maio 2019.

PLANES. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Universitário. Planejamento estratégico Universidade Estadual de Campinas 2016-2020. Campinas: UNICAMP/PRDU, 2016.

PRADO, A. B. et al. Processo da avaliação institucional com desenvolvimento de novo sistema integrado com o Planes. SIMTEC, [S.l.], 2014. Disponível em: http://www.prdu.unicamp.br/a-prdu/midia/noticias/premio-da-carreira-paepe-2014. Acesso em: 26 maio 2019.

RAMOS, M. P.; SCHABBACH, L. M. O estado da arte da avaliação de políticas públicas: conceituação e exemplos de avaliação no Brasil. Revista de Administração Pública-RAP, Rio de Janeiro, v. 46, n. 5, p. 1271-1294, 2012.

RANIERI, Nina. Autonomia universitária e Lei de Responsabilidade Fiscal: relações e implicações. Revista USP, São Paulo, n. 105, p. 33-42, 2015.

SÃO PAULO. Decreto n. 29.598, de 2 de fevereiro de 1989. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1989/decreto-29598-02.02.1989.html Acesso em: 4 jul. 2018.

SAUPE, J. L. The Functions of Institutional Research. 2. ed.Tallahassee, FL: Association for Institutional Research, 1990.

SCHWARTZMAN, Simon; DURHAM, Eunice R. (org). Avaliação do ensino superior. São Paulo: EdUSP, 1992.

SINAES. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: da concepção à regulamentação. 5. ed. Brasília: INEP, 2009.

UNESCO. System-level and strategic indicators for monitoring higher education in the twenty-first century. Studies on higher education. Bucharest: CEPES, 2003.

VALLÉS, J. M. Gobierno universitario: entre la autogestión estamental y la responsabilidad social. Gestión y Análisis de Políticas Públicas, Madrid, v. 5, n. 6, p. 59-67, 1996.

Downloads

Publicado

2021-04-19

Como Citar

MONTICELLI, N. A. M. .; RODRIGUES, S. D. .; SERAFIM, M. P. .; ATVARS, T. D. Z. . Avaliação institucional e gestão estratégica: vínculos necessários para o desenvolvimento institucional. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 26, n. 1, 2021. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/avaliacao/article/view/4666. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>