Políticas da imagem fotográfica em “Elas, Madalenas”

subjetivação e desidentificação de mulheres trans

  • Ana Luisa Mayrink Universidade Federal de Minas Gerais
  • Ângela Cristina Salgueiro Marques Universidade Federal de Minas Gerais
  • Marco Aurélio Máximo Prado Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Mulheres trans. Estética. Fotografia. Subjetivação

Resumo

Este artigo visa compreender a relação entre a aparência de mulheres trans e seu respectivo potencial político. A partir dos conceitos de subjetivação, desidentificação, estética e política de Jacques Rancière, a reflexão busca, através da análise de algumas das imagens fotográficas da exposição “Elas, Madalenas” (Lucas Ávila, 2011), evidenciar como essas mulheres valem-se de recursos da ordem do visível para performar gênero e, ao mesmo tempo, dão a ver questões de sua exclusão sistemática dos espaços de discurso presentes na sociedade. O esforço empreendido foi no sentido de tentar entender como mulheres trans, através da maquiagem, das roupas, do cuidado com os cabelos e de tantos outros artifícios que fazem parte da aparência visível, se apropriam criativamente de seus corpos, elaboram uma linguagem própria e inventam uma forma de vida cuja potência está no ato de aparecer, na construção de uma cena enunciativa argumentativa e performática animada pelo dissenso.

Biografia do Autor

Ana Luisa Mayrink, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Ângela Cristina Salgueiro Marques, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Adjunta do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Comunicação Social pela UFMG (2007) e mestre em Comunicação Social pela mesma instituição. Realizou pós-doutorado em Comunicação e em Ciências Sociais na cidade de Grenoble (França), onde atuou junto a dois grupos de pesquisa: o Groupe de Recherche sur les Enjeux de la Communication (Institut de Communication et Medias - Université Stendhal) e o Groupe de Recherche en Sciences Sociales sur lAmérique Latine (MSH-Alpes, Université Pierre Mendes France). Foi professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero. Integra os grupos de pesquisa: MARGEM - Grupo de Pesquisa em Democracia e Justiça (UFMG) e Teorias e Processos da Comunicação (Faculdade Cásper Líbero). É membro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação Organizacional e Relações Públicas (ABRAPCORP), da qual foi vice-presidente entre 2014 e 2016. Seus atuais interesses de pesquisa estão voltados para a interseção entre a Comunicação, a Política e a Estética; entre a Comunicação e a Cultura, e entre a Comunicação e processos políticos, com destaque para práticas sociais e processos deliberativos; políticas públicas e cidadania;comunicação pública e comunicação organizacional; reconhecimento social de grupos minoritários; abordagem comunicacional-pragmática das relações entre estética e política; a composição de redes discursivas destinadas a publicizar questões de interesse coletivo (incluindo discursos televisivos ficcionais e de entretenimento); o aprimoramento de metodologias qualitativas de pesquisa que objetivam evidenciar a articulação entre diferentes atores, discursos estético-expressivos e arenas argumentativas.

Marco Aurélio Máximo Prado, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Estágios internacionais como pesquisador: City University of New York (1997-1998); Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (2004-2005); Universidade Nacional de San Luis na Argentina (2009) e Universidade de Massachusetts/Fundação Fulbright na Cátedra de Estudos Brasileiros (2015). Foi secretário da Sociedade Brasileira de Psicologia Política, sendo um dos Editores da Revista Psicologia Política (2001-2007) e foi também Presidente da Associação Brasileira de Psicologia Política (2009-2011). Tem Pos-Doutorado pelo Center for Latin American, Caribbean, Latino Studies - Fulbright Chair in Brazilian Studies/Fulbright Foundation/University of Massachusetts/Amherst (2015). Atua principalmente nos seguintes temas: psicologia social, ações coletivas, preconceito, género, identidade coletiva e movimentos sociais, políticas públicas e participação social, estudos LGBT, sexualidades e democracia.

Referências

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. 2. v. 5. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.
BARNARD, Malcolm. Moda e comunicação. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.
BARTHES, Roland. Sistema da moda. São Paulo: Companhia Editora Nacional; USP, 1979.
BATTISTELLI, Piergiorgio. A psicologia e a moda. In: SORCINELLI, P. (Org.). Estudar a moda: corpos, vestuários, estratégias. 2. ed. São Paulo: Senac, 2008, p. 81-85.
BENTO, Berenice. A (re)invenção da transexualidade: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.
BERTOLAZO, I. N. O conceito de espaço da aparência em Hannah Arendt. Facnopar, Apucarana, v. 4, n. 1, p.1-21, jan. 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2013.
BIROLI, Flávia (2012). "Agentes imperfeitas: contribuições do feminismo para a análise da relação entre autonomia, preferências e democracia". Revista Brasileira de Ciência Política, n.9, p. 7-39.
BIROLI, Flávia. Autonomia, opressão e identidades: a ressignificação da experiência na teoria política feminista. Revista Estudos Feministas (UFSC. Impresso), v. 21, p. 81-105, 2013.
BIROLI, Flávia. Autonomia, preferências e assimetria de recursos, Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.31, n.90, p. 39-57, 2016.
BRAGA, J. Reflexões sobre a moda. São Paulo: Anhembi Morumbi, 2008.
BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2002.
BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.
CALANCA, Daniela. História e moda. In: SORCINELLI, Paolo. (Org.). Estudar a moda: corpos, vestuários, estratégias. 2. ed. São Paulo: Senac, 2010. p. 47-55.
CHAMBERS, Simone. The lessons of Rancière. Oxford: Oxford University, 2013.
CRANE, Diane. A moda e seu papel social: classe, gênero e identidade das roupas. São Paulo: Senac, 2006.
DASGUPTA, Sudeep. Words, Bodies, Times: Queer theory before and after itself, Borderlands. Dossiê: Jacques Rancière on the Shores of Queer Theory. v. 2, n. 8. Sidney: 2009. p. 1-20.
FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.
FOUCAULT, Michel. Les techniques de soi. In: DEFERT, Daniel; EWALD, François; LAGRANGE, Jacques. Dits et écrits. 1954-1988. Paris: Gallimard, 1984.
FOUCAULT, Michel; DEFERT, Daniel. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: N-1 Edições, 2013.
GOLDENBERG, Mirian (Org.). O corpo como capital: Estudos sobre gênero, sexualidade e moda na cultura brasileira. Barueri: Estação Das Letras e Cores, 2015.
KOLLIAS, Hector. “How Queer is the Demos?: Politics, sex, and equality”, Borderlands, Dossiê: Jacques Rancière on the Shores of Queer Theory. v. 2, n. 8. Sidney: 2009. p. 1-15.
MARQUES, Ângela. Política da imagem, subjetivação e cenas de dissenso. Discursos Fotográficos. v.10, n.17. Londrina: 2014. p. 61-86.
MAYRINK, Ana. Desafios metodológicos na leitura de Rancière em conjunto com a apropriação da aparência por mulheres trans. In: MARTINO, L. M; MARQUES, A. (Orgs.). Teorias da comunicação: processos, desafios e limites. São Paulo: Plêiade, 2015. p. 91-108.
MENDONÇA, Carlos; LEAL, Bruno. Ver a ellas: mulheres trans e as dimensões políticas da cultura visual. In: LEAL, Bruno; CARVALHO, Carlos Alberto de; ALZAMORA, Geane (Orgs.). Textualidades Mediáticas. SELO PPGCOM, 2017, v. 1, p.101-110. MUZZARELLI, Maria Giuseppina. Um outro par de mangas. In: SORCINELLI, Paolo (org.). Estudar a Moda: Corpos, vestuários, estratégias. 2. ed. São Paulo: Senac, 2010. p. 19-29.
PICADO, José Benjamim. Das funções narrativas ao aspectual nos ícones visuais: notas sobre modos de interpretar imagens. Contemporânea: Revista de comunicação e Cultura, p.136-164, 2007. RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2005. RANCIÈRE, Jacques. The method of equality: an answer to some questions. In: ROCKHILL, Gabriel; WATTS, Philip (eds.). Jacques Rancière: History, Politics, Aesthetics. Duke University Press, 2009, p. 273-288. RANCIÈRE, Jacques. The thinking of dissensus: politics and aesthetics. In: BOWMAN, Paul; STAMP, Richard. Reading Rancière. London: Continuum International Publishing Group, 2011. RANCIÈRE, Jacques . The ethical turn of aesthetics and politics. In: CORCORAN, Steven (ed.). Dissensus: on politics and aesthetics. Londres: Continuum, 2010.
RANCIÈRE, Jacques. Dissenting words: a conversation with Jacques Rancière (interview by Davide Panagia). Diacritics, Baltimore. v. 30, n.2. 2000, p.113-126. RANCIÈRE, Jacques. Le travail de l’image. Multitudes, n. 28. 2007, p.195-210. RANCIÈRE, Jacques. Estética e política: a partilha do sensível. Com entrevista e glossário por G. Rockhill. Porto: Dafne, 2010. RANCIÈRE, Jacques. La mésentente: politique et philosophie. Paris: Galilée, 1995. RANCIÈRE, Jacques. Aux bords du politique. Paris: Gallimard, 2004. RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
SCOTT, Joan. Théorie critique de l’histoire. Identités, expériences, politiques. Paris: Fayard, 2010.
SIBILIA, Paula. A técnica contra o acaso: os corpos inter-hiperativos da contemporaneidade. Revista Famecos. Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 638-656, set./dez. 2011. SIBILIA, Paula. O homem pós-orgânico. Rio de Janeiro: Contraponto, 2015. TENORIO, Leonardo Farias Pessoa; PRADO, Marco Aurélio Máximo. As contradições da patologização das identidades trans e argumentos para mudança de paradigma. Revista Periódicus, v. 1, p. 41-55, 2016.
Publicado
2018-05-05