Modernidade em (des) encontro

a educação entre expressivismo e objetividade

Autores

Resumo

Este artigo procura esclarecer certos conflitos em que incorrem as Teorias da Educação e a formação de professores seguindo os preceitos do reconhecimento. Para isso, parte da divisão proposta por Charles Taylor em seu monumental escrito “Hegel” (1975), quando denota a existência de duas forças contrárias presentes no coração da modernidade: o espírito do Romantismo, por um lado, e o da Ilustração ou do Iluminismo, por outro. A partir da correlação dessas ideias com as filosofias de Rousseau e Kant, procurou-se responder as seguintes perguntas: “Como refletir a Educação para além dos panópticos do sistema, próprios das políticas públicas de avaliação hoje hegemônicas globalmente?” Ou então, “Como desenvolver a resistência a políticas equivocadas sem cair nos riscos do romantismo?” Dessa forma, procurou-se articular a consideração à expressividade com a objetividade das normas e procedimentos no campo das pesquisas acadêmicas, bem como na melhoria das campanhas educativas de mudança da mentalidade social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

10-01-2019

Como Citar

TREVISAN, Amarildo Luiz; ROSA, Geraldo Antonio da. Modernidade em (des) encontro: a educação entre expressivismo e objetividade. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 23, n. 3, 2019. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/avaliacao/article/view/3504. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos