Economia criativa e a mídia radical. Laboratórios experimentais para a inovação de plataformas midiáticas, conteúdos e recursos informativos

Autores

  • Juarez Tadeu de Paula Xavier

Resumo

A Economia Criativa é o laboratório experimental para a criação, inovação, invenção e reinvenção do universo das mídias – analógicas e digitais. O cenário nas mídias e tecnologias convergentes favorece o processo de “criação destrutiva e destruição criativa” desse campo. A cartografia das bacias e corredores tecnológicos distribuídos pelo território das áreas concentradas cria um chassi infraestrutural para a produção de conteúdo, de informação e entretenimento. Como lócus e logos da produção imaterial, essa ecologia digital dá velocidade aos fluxos de produção – planejamento, captação, edição, distribuição e fruição – e permite a desterritorialização dos seus arranjos produtivos locais, com a fragmentação e pulverização das suas cadeias criativas. Os coletivos culturais de produção e criação se apropriam desses artefatos capilarizados, e produzem conteúdo contra o status quo político, econômico e social. O terreno é fértil e favorável ao surgimento de mídias radicais e rebeldes, que recriam a esfera pública, e editam esferas públicas precárias, alternativas, radicais e eficientes, do ponto de vista tático. Este artigo visa contribuir com os estudos e pesquisas que esquadrinham o ecossistema das mídias, para a compreensão da gestão dos seus processos criativos, dos seus atores críticos e dos recursos materiais e imateriais que dão suporte às suas ações comunicacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2013-12-20

Como Citar

Xavier, J. T. de P. (2013). Economia criativa e a mídia radical. Laboratórios experimentais para a inovação de plataformas midiáticas, conteúdos e recursos informativos. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 1(2). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/triade/article/view/1765