O mesmo e o outro em Blade Runner

Autores

  • Rosana de Lima Soares Universidade de São Paulo
  • Silvio Anaz

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2017v5n9p98-111

Resumo

 Este artigo tem como objetivo apresentar possibilidades teóricas e metodológicas para o estudo de narrativas audiovisuais contemporâneas presentes nas mídias. Por meio da análise mitocrítica e de aportes conceituais advindos da teoria geral do imaginário (Gilbert Durand), analisaremos alguns aspectos míticos presentes no filme Blade Runner, o caçador de androides (Ridley Scott, 1982) apontando para processos de identidade e de alteridade nas mídias, e articulando questões relativas à construção de estigmas e estereótipos nelas presentes. Nesse percurso, destacaremos os processos de humanização do protagonista e do antagonista em Blade Runner, o que nos leva à questão da empatia e da aceitação do Outro e do diferente nas narrativas audiovisuais contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2017-06-17

Como Citar

Soares, R. de L., & Anaz, S. (2017). O mesmo e o outro em Blade Runner. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 5(9). https://doi.org/10.22484/2318-5694.2017v5n9p98-111