A Narrativa midiática

Mediações dos Acontecimentos

  • Marcelo Bolshaw Gomes Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Estudos Narrativos; Comunicação midiática; Semiótica;

Resumo

o presente texto argumenta que a narratividade é uma prática social, uma mediação entre os acontecimentos e o público. Ao contrário do estruturalismo que viu a narrativa como um gênero discursivo, defende-se aqui que a noção de ‘Narrativa’, entendida como uma forma de representação dos acontecimentos reais ou imaginários, é uma estrutura cultural mais abrangente, de origem psicológica e universal. Para tanto, revisa-se a seguir as principais contribuições teóricas para os Estudos Narrativos e se redefine narrativa como ‘a mediação dos acontecimentos’.

Biografia do Autor

Marcelo Bolshaw Gomes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em ciências sociais e professor do Programa de Pós Graduação em Estudos da Mídia

Referências

BAITELLO JR., N.. A serpente, a maçã e o holograma – esboços para uma teoria da mídia. São Paulo: Editora Paulus, 2010.
BENJAMIM, Walter. v. I, A obra de arte na época de sua repro­dutividade técnica. Obras Escolhidas (trad. S.P. Rouanet). São Paulo: Brasiliense, 1985.
BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. Os Pensadores. São Paulo: Editora Abril, 1980.
BENJAMIN, Walter. O narrador. Obras escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1985b.
BYSTRINA, I. Tópicos de Semiótica da Cultura. São Paulo: PUC/SP, 1995.
CAMPBELL, Joseph. O Herói de Mil Faces. São Paulo, Editora Cultrix/Pensamento, 1995.
CAMPBELL, Joseph. O Poder do Mito. Editora Palas Athena, São Paulo, 1990.
DAWSEY, John Cowart. O Teatro dos “Bóias-frias”: repensando a antropologia da Performance. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 24, p. 15-34, jul./dez. 2005.
DEBRAY, Vida e morte da imagem – um olhar sobre o ocidente. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.
ECO, Umberto. Leitor in Fábula: a cooperação interpretativa nos textos narrativos. Coleção Narratologia, Editora Perspectiva, São Paulo, 1976.
ECO, Umberto. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
FLUSSER, Vilém, O mundo codificado. Org. Rafael Cardoso. São Paulo: Cosac Naif, 2007.
FLUSSE, Vilém. O universo das imagens técnicas. Elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008.
GOMES, Marcelo Bolshaw. Comunicação e Hermenêutica – apontamentos para uma teoria narrativa da mídia. Revista Comunicação Midiática, v.7, n.2, p.26-46, maio/ago. 2012.
GOMES, Marcelo Bolshaw. Mimesis e Simulação – estudos narrativos transmídia I. (livro: ISBN 978-85-67732-43-5) Paraíba: Marca de Fantasia/UFPB, 2015.
GOMES, Marcelo Bolsahaw. O que transmito do que me disseram. ANIMUS – Revista Interamericana de Comunicação Midiática (ISSN 2175-4977), v. 15 n. 29, p. 180-202. (2016). Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (UFMS). Disponível em: último acesso em 18/07/2016.
GOFFMAN, Erving. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis: Editora Vozes, 1985.
GREIMAS, A. J. Semântica estrutural. São Paulo, Cultrix & Edusp, 1976.
KERCKHOVE, D. A pele da Cultura. Lisboa: Relógio d'água Editores, 1997.
LEVY, P. Tecnologias da Inteligência – o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.
MACHADO, Arlindo. A Televisão levada a Sério. São Paulo: Senac, 2009.
MACHADO, Arlindo. Prés-Cinemas e Pós-Cinemas. São Paulo: Papirus, 2002.
MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.
MARTINEZ, Mônica. Jornada do herói – a estrutura mítica na construção de histórias de vida em jornalismo. São Paulo: Annablume, 2008.
MCLUHAN, M. Os meios de Comunicação como extensão do homem. São Paulo: Cultrix, 1964.
MOTTA, Luiz Gonzaga. Jornalismo e configuração narrativa da história do presente. Revista eletrônica e-compós: http://www.compos.org.br/e-compos; edição 1, dezembro de 2004.
MÜLLER, Regina Polo. Ritual, Schechner e Performance. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 24, p. 67- 85, jul./dez. 2005. www.scielo.br/pdf/ha/v11n24/a04v1124.pdf
SCHECHNER, Richard. Restauração do comportamento. In: BARBA, Eugênio; SAVARESE, Nicola. A arte secreta do ator: dicionário de antropologia teatral. Campinas: Hucitec, 1995. p. 205-210.
SCHECHNER, Richard. Performance Studies, an introduction. London: Routledge, 2002.
PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.
PORTO, Mauro. Televisão e Político no Brasil – a Rede Globo e as interpretações da audiência. Rio de Janeiro, e-papers, 2007.
PROSS, Harry. A Sociedade do Protesto. São Paulo: Annablume, 1997.
PROPP, Vladimir. Morfologia do Conto Popular. Lisboa: Editora Vega, 1978.
RICOEUR, Paul. Tempo e Narrrativa – tomos I, II e III (1983; 1984; 1985); tradução: Constança Marcondes Cezar; Marina Appenzeller; Roberto Leal Ferreira. Campinas, Ed. Papyrus: 1994; 1995; 1997.
SIMPKINSON, Charles & Anne. Histórias Sagradas: uma exaltação do poder de cura e transformação; tradução: Ione Maria de Souza Ferreira. Coleção Arco do Tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.
TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas São Paulo: Perspectiva, 2006.
TURNER, Victor W.. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.
TURNER, Victor W.. Floresta de símbolos: aspectos do ritual ndembu. Niterói: EdUFF, 2005.
Publicado
2017-12-11
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas