Pode uma bicha comunicar?

at(r)aques para uma Teoria da Comunicação

  • Samilo Takara Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Comunicação. Estudos Culturais. Sexualidade. Teoria. Bicha.

Resumo

Este texto participa de uma proposição para problematizar as demandas da comunicação no intuito de discutir a diversidade cultural/sexual nos campos da Comunicação. Com base em interlocuções com os aportes teóricos dos Estudos Culturais, as proposições da sexualidade e a relação da comunicação na produção de efeitos, sentidos e significados, discute-se a seguinte problemática: pode uma bicha comunicar? Este texto utiliza-se de estratégia metodológica bibliográfica e propõe-se a discutir o limite das práticas comunicacionais para as diferenças culturais, as demandas e as necessidades de problematização do campo acadêmico e científico sobre os estudos no campo da Comunicação. Incita-se a aproximação com as problemáticas desenvolvidas por Gayatri Spivak e Jota Mombaça para problematizar a comunicação como espaço para a diferença cultural/sexual.

Referências

COLLING, Leandro. Como pode a mídia ajudar na luta pelo respeito à diversidade sexual e de gênero. In: PELÚCIO, Larissa [et al.] (organizadores). Olhares plurais para o cotidiano: gênero, sexualidade e mídia. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 22. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2006.
GARCIA, Ramón. A propósito do outro: a loucura. In: LARROSA, Jorge; LARA, Nuria Pérez de. Imagens do outro. Petrópolis/RJ: Vozes, 1998. (24-46).
GARCIA, Wilton. A forma estranha: ensaios sobre cultura e homoerotismo. São Paulo: Edições Pulsar, 2000.
GOMES, Mayra Rodrigues. Poder no Jornalismo: Discorrer, Disciplinar, Controlar. São Paulo: Hacker Editores. Edusp, 2003.
HALL, Stuart. A ideologia e a teoria da comunicação. MATRIZes. v. 10, n. 3, (p. 33-46), 2016.
HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Trad. Luiz Repa. São Paulo: Ed. 34, 2003.
HOOKS, Bell. Linguagem: ensinar novas paisagens/novas linguagens. Estudos Feministas. v. 16. n. 3, p. 857-865, 2008.
IRIGARAY, Luce. A questão do outro. Labrys – estudos feministas. n. 1-2,(1-12), 2002. Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2017.
KÜNSCH, Dimas A. Comunicação e Incomunicação: aproximação complexo-compreensiva à questão. Revista LÍBERO. Ano 10, n. 19. P. 51-59, 2007.
_________________. Aquém, em e além do conceito: comunicação, epistemologia e compreensão Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, n. 39, p. 63-69, 2009.
_________________. Saber, afeto e compreensão: epistemologia da comunicação e dialogia. Revista LÍBERO. v. 14, n. 27, p. 31-42, 2011.
LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.
LOPES, Maria Immacolata Vassalo de. O campo da comunicação: reflexões sobre seu estatuto disciplinar. Revista USP. n. 48. P. 46-57, 2001.
MOMBAÇA, Jota. Pode um cu mestiço falar? [2015]. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2017.
PELBART, Peter Pál. O Avesso do Niilismo. Cartografias do esgotamento. 2. ed. São Paulo: n-1 edições, 2016.
PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual – práticas subversivas de identidade sexual. Trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.
SIGNATES, Luiz. Epistemologia da Comunicação na Democracia: a centralidade do conceito de comunicação na análise dos processos políticos. Revista Novos Olhares. v.1, n. 1, 2012.
SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.
TAKARA, Samilo. Uma pedagogia bicha: Homofobia, Jornalismo e Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação [tese de Doutorado]. Maringá/PR, 2017.
ZAMBONI, Jésio. Educação Bicha: uma a(na[l])rqueologia da diversidade sexual. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo. UFES, Vitória, 2016.
Publicado
2017-12-11