Publicidade Tombamento

expressões da “geração tombamento” em anúncios contraintuitivos para o empoderamento de negras e negros brasileiros

  • Angelica M. Souza Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo (ECA/USP)
  • Francisco Leite Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo (ECA/USP)
  • Leandro Leonardo Batista Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo (ECA/USP)
Palavras-chave: Geração tombamento. Publicidade contraintuitiva. Empoderamento. Negros e Negras. Racismo.

Resumo

Este trabalho apresenta uma discussão sobre como a publicidade tem se apropriado das expressões da chamada “geração tombamento”, esta entendida como um movimento que se apoia na valorização da estética como ato político. O objetivo é introduzir uma reflexão acerca do modo como as expressões desse movimento estão sendo inseridas em narrativas publicitárias, como os anúncios contraintuitivos, colaborando para o deslocamento de estereótipos tradicionais negativos associados aos negros e negras brasileiros, contribuindo para o empoderamento social. A metodologia utilizada neste trabalho configura-se como uma pesquisa exploratória, a qual atende um levantamento bibliográfico com exemplificações de anúncios brasileiros.

Biografia do Autor

Angelica M. Souza, Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo (ECA/USP)

Publicitária formada pela ECA/USP, com experiência em marketing de bens de consumo, na Unilever, e negócios de impacto social com foco étnico-racial no mercado de trabalho, pela consultoria de engajamento Santo Caos. Foi embaixadora da USP, representando a universidade em Escolas Estaduais da periferia de SP. Contato com o autor: angelica.moreira.souza@usp.br.

Francisco Leite, Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo (ECA/USP)

Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, com estágio doutoral (CAPES), na Itália, na Università degli Studi di Trento e Università di Bologna. É professor no curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Pesquisa de Mercado em Comunicações da ECA-USP. Pesquisador associado do C4 - Centro de Comunicação e Ciências Cognitivas da mesma instituição. Autor de Publicidade contraintuitiva: inovação no uso de estereótipos na comunicação (Appris, 2014). Contato com o autor: fcoleite@usp.br.

Leandro Leonardo Batista, Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo (ECA/USP)

Doutor em Comunicação Social pela University of North Carolina (EUA). Professor de graduação e pós-graduação da ECA-USP. Pesquisador lí­der do C4 - Centro de Comunicação e Ciências Cognitivas da Escola de Comunicações e Artes da USP. Contato com o autor: leleba@usp.br.

Referências

ARAÚJO, Joel Zito. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: Editora Senac, 2000.
BATISTA, Leandro Leonardo; LEITE, Francisco. (Orgs.). O negro nos espaços publicitários brasileiros: perspectivas contemporâneas em diálogo. São Paulo: ECA/CONE, 2011.
BAQUERO, Rute Vivian Angelo. Empoderamento: questões conceituais e metodológicas. 1. ed. Porto Alegre: Revista Debates. Núcleo de Pesquisas sobre a América Latina/UFRGS, n° 1. Dez, 2005.
BLAIR, Irene V.; BANAJI, Mahzarin R.. Automatic controlled processes in stereotyping priming. Journal of Personality and Social Psychology, 1996, p. 6, 70, 1142-1163.
BLAIR, Irene V.; MA, Jinshan; LENTON, Alison P.. Imagining stereotypes away: the Moderation of implicit stereotypes through mental imagery. J.Pers.Soc.Psychol, 2001, p. 81, 828–841.
BOYER, Pascal. The naturalness of religious ideas: a cognitive theory of religion. Berkeley: University of California Press, 1994.
BOYER, Pascal. Religion explained: the evolutionary origins of religious thought. NY: Basic Books, 2001.
BUSOLIN, Murilo.. 'Batekoo' marca o fortalecimento do movimento negro no Brasil. Caderno E +. Jornal Estado de São Paulo. Online, São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2017.
CARRANÇA, Flávio; BORGES, Roseane da Silva (Orgs.).. Espelho Infiel: o negro no jornalismo brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Sindicato dos Jornalistas no Estado de São Paulo, 2004.
CARVALHO, Sérgio Resende.. Os múltiplos sentidos da categoria “empowerment” no projeto de promoção à saúde. v. 20, n. 4. Rio de Janeiro: Caderno de Saúde Pública, 2004.
CASHMORE, Ellis; TROYNA, Barry. Relações Raciais - Perspectiva 2; CASHMORE, E. Dicionário de Relações Étnicas e Raciais. São Paulo: Summus, 2000.
DASGUPTA, Nilanjana; GREENWALD, Anthony G.. On the malleability of automatic attitudes: Combating automatic prejudice with images of admired and disliked individuals. Journal of Personality and Social Psychology, 2001, p. 81, 800 – 814.
FIORINI, Yasmine Holanda.. Já que é pra tombar: jovens da geração tombamento falam sobre representatividade. Diário Catarinense, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2017.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia de oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
FRY, Peter. "Estética e política: relações entre 'raça', publicidade e produção da beleza no Brasil". GOLDEMBERG, Miriam (Org.). Nu e vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro: Record, 2002, p. 303-325.
GOMES, Karoline. Afropunk: o movimento que liberta. Ovelha, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2017.
GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolo da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
HECK, Ana Paula; NUNES, Máira de Souza. Publicidade e gênero: análise do fenômeno femvertising na criação de campanhas. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUL, 17, 2016, Curitiba, PR. Anais… Curitiba, PR: Intercom, 2016 – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.
HERRIGER, Norbert. Grundlagentext Empowerment. Düsseldorf, Alemanha: Sozialnet GMBH, 2006. Disponível em: . Acesso em: 2 abr. 2017.
ISHIDA, Gabriel. Influenciadores. In: SILVA, Tarcízio; STABILE, Max. (Org.). Monitoramento e Pesquisa em Mídias Sociais: Metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: IBPAD - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados; Uva Limão, 2016. p. 261-278 Disponível em: . Acesso em: 7 mai. 2017.
KLEBA, Maria Elisabeth; WENDAUSEN, Agueda. Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política. Santa Catarina, 2009.
KRÜGER, Helmuth. Cognição, estereótipos e preconceitos sociais. In: Marcos Emanoel Pereira; Marcus Eugênio Oliveira Lima. (Org.). Estereótipos, preconceitos e discriminação: perspectivas teóricas e metodológicas. 1. ed. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2004, p. 23 - 40.
LACERDA, Lorena. Geração tombamento: o “lacre” como empoderamento estético entre jovens negras urbanas. Afronta, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2017.
LAZARSFELD, Paul .F; BERELSON, Bernard; GAUDET, Hazel. The people’s choice: How the voter makes up his mind in a presidential campaign. New York: Columbia University Press, 1944.
LEITE, Francisco; BATISTA, Leandro. Leonardo. A propaganda contraintuitiva e o efeito ricochete. 15. ed. São Paulo: Galáxia, jun. 2008.
LEITE, Francisco. V. A propaganda contraintuitiva e seus efeitos em crenças e estereótipos. Dissertação (mestrado) - Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo/ Escola de Comunicações e Artes/USP. São Paulo, 2009.
LEITE, Francisco. Publicidade Contraintuitiva: Inovação no uso de estereótipos na comunicação. Curitiba: Appris, 2014.
LEITE, Francisco. Experiências de interação de mulheres brasileiras com a publicidade contraintuitiva: um estudo em Grounded Theory. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação - Escola de Comunicações e Artes/USP. São Paulo, 2015.
LEITE, Francisco. Contraintuitivo e contraestereotípico na comunicação publicitária: distinções, articulações e complementariedades discursivas. Revista Comunicação Midiática. 11. ed, n. 3. set./dez. 2016.
LINS, Larissa. Você faz parte da geração tombamento? Diário de Pernambuco, Recife, 2016. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2017.
LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
LÓPEZ, Laura Cecilia. O conceito de racismo institucional: aplicações no campo da saúde. Interface - Comunic., Saude, Educ., 16. ed, n. 40. jan./mar. 2012.
LOUISE, Nayanne. Transição capilar: o que é, quanto tempo dura, como fazer... Saiba tudo sobre o período de transformação para ter os cachos de volta. Fique Diva Niely, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2017.
MANEO, Adriano; AMÂNCIO, Thiago. Desigualdades no Brasil. Jornal Folha de São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.
MARTINS, Carlos Augusto de Miranda e. Racismo Anunciado: o negro e a publicidade no Brasil (1985-2005). 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.
MCCOMBS, Maxwell E.; SHAW, Donald L.. The agenda setting function of mass media. Public Opinion Quartely. 36. ed. 1972.
MEIRELLES, Mauro; INGRASSIA, Thiago. Perspectivas teóricas acerca do empoderamento de classe social. Revista Eletrônica “Fórum Paulo Freire”, 2. ed. Ago, 2006.
MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino.. O negro no Brasil de hoje. 2. ed. São Paulo: Global, 2006.
OAKLEY, Peter; CLAYTON, Adrew. Monitoramento e avaliação do empoderamento (“empowerment”). São Paulo: Instituto Polis, 2003.
OLIVEIRA, Kiusam Regina de. Candomblé de Ketu e educação: estratégia para o empoderamento da mulher negra. Tese (Doutorado), USP, São Paulo, 2008.
PEREZ, Clotilde; TRINDADE, Eneus. Consumo midiático: youtubers e suas milhões de visualizações. Como explicar? In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 26., 2017, São Paulo, SP. Anais. São Paulo: Faculdade Cásper Líbero, 2017.
PORTAL BRASIL. Censo 2010 mostra as características da população brasileira, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2017.
RIBEIRO, Stefhanie. Meu lacre é poder. Revista Trip, São Paulo, 25 jul. 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2017.
SCHWARCZ, Lilia. M.. Quase pretos, quase brancos. (Entrevista a Carlos Haag). Revista Pesquisa FAPESP. Abril de 2007.
SCHWARCZ, Lilia. M.. Retrato em branco e preto: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Cia das Letras, 1987.
SCHWARCZ, Lilia. M.. Nem preto, nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. 1. ed. São Paulo: Claro Enigma, 2012.
SILVA, Carmen; MARTÍNEZ, María Loreto. Empoderamiento: proceso, nivel y contexto. 12. ed, n. 1. Santiago, Chile: Psykhe, mai, 2004.
SODRÉ, Muniz. Claros e Escuros: identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.
SODRÉ, Muniz. Por um conceito de minoria. In: PAIVA, Raquel; BARBALHO, Alexandre (Orgs.). Comunicação e cultura das minorias. São Paulo: Paulus, 2005.
STARK, Wolfgang. Gemeinsam Kräfte entdecken: Empowerment als kompetenz-orientierter Ansatz in der psychosozialen Arbeit. In: LENZ, Albert ; STARK, Wolfgang. Empowerment Neue Perspektiven für psychosoziale Praxis und Organisation. Duisburg/Alemanha: Orglab, 2006. Disponível em: < https://d-nb.info/963952293/04 >. Acesso em: 23 fev. 2007.
TRINDADE, Eneus. Propaganda, identidade e discurso: brasilidades midiáticas. Porto Alegre: Sulinas, 2012.
UPAL, M. A; Gonce, L; Tweney, R; e Slone, D. J. Contextualizing counterintuitiveness: How contexto affects comprehension and memorability of counterintuitive concepts. Cognitive Science, 31(3), 2007a.
UPAL, Muhammad Afzal. What is More Memorable Counterintuitive Concepts Interpreted Metaphorically or Literally? in Proceedings of the 29th Annual Meeting of the Cognitive Science Society, Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 2007.
UPAL, Muhammad Afzal. "An alternative account of the minimal counterintuitiveness effect." Cognitive Systems Research. 11, 2. 2010.
VALOURA, Leila de C.. Paulo Freire, o educador brasileiro autor do termo empoderamento, em seu sentido transformador. 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2017.
VASCONCELLOS, Eduardo Mourao. O poder que brota da dor e da opressão: empowerment, sua história, teoria e estratégias. São Paulo: Paulus, 2003.
VEJA Online. Conheça os nomes que deverão causar na cena musical em 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 Fev. 2018.
VIEIRA, Isabela. Educação - Percentual de negros em universidades dobra, mas é inferior ao de brancos. EBC Agência Brasil, 2016. Disponível em: . Acesso em 20 set. 2017.
WALLERSTEIN, Nina. Empowerment to reduce health disparities. 59. ed. England: Scandinavian Journal of Public Health, 2002.
WEGNER, Daniel M.. Ironic Processes of mental control. Psychological Review. 101. ed. Jan. 1994.
WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.
Publicado
2018-05-05