“Todos os relatos doem em quem lê”

narrativas quase anônimas de uma travesti marginal no Facebook

  • Alisson Machado Universidade Federal de Santa Maria
  • Sandra Rubia da Silva UFSM
Palavras-chave: Espaço público digital, Redes sociais digitais, Transexualidade

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão sobre a construção discursiva e interacional de práticas, saberes e contextos de vida marginalizados, que ganham uma versão pública, discutível e reconhecível nos ambientes de interação das redes sociais digitais. Através dos conteúdos postados e das interações observadas na página Travesti Marginal, no Facebook, o artigo interpreta as dinâmicas e as conjunturas de significados ali estabelecidos, pensando a forma como a intimidade, a marginalidade e a subalternidade dos contextos de vida das prostitutas travestis assumem uma dimensão pública nas dinâmicas dos compartilhamentos. As interações consolidam-se como um espaço de discussão e resistência frente às formas de opressão e violência a que as travestis são submetidas. A pesquisa aponta para as redes de apoio e solidariedade e para as formas de subjetivação que se estabelecem nessas interações, mobilizadas pelas violências e pelo sofrimento que caracterizam a maioria das postagens. Além disso, faz-se uma reflexão sobre como a experiência pessoal das travestis autoriza essa produção discursiva, calcada na noção de experiência como ato cognitivo, ao mesmo tempo em que interdita a articulação de outras temáticas. 

Biografia do Autor

Alisson Machado, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando em Comunicação, pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação, da Universidade Federal de Santa Maria (POSCOM, UFSM).

Sandra Rubia da Silva, UFSM

Doutora em Antropologia Social, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do Departamento de Ciências da Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

ABOIM, S. Do público e do privado: uma perspectiva de género sobre uma dicotomia moderna. In: Estudos Feministas, Florianópolis, n. 20(1), p. 95-117, jan-abr, 2012.

ALVES, N. T. T. Da formação de redes à esfera pública na internet: uma abordagem histórica do surgimento de comunidades online comunicação e crise. In: Revista Eletrônica Comtempo, v. 2, 2010, p. 1-9.

BENEDETTI, M. R. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BOYD, D.; ELLISON, N. B. Social network sites: definition, history, and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, 2007.
Disponível em: http://jcmc.indiana.edu/vol13/issue1/boyd.ellison.html. Acesso em: jan. 2017.

BORRILLO, D. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autentica, 2010.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BUTLER, J. Bodies that matter: on the discursive limits of “sex”. Routledge: New York & London, 1993.

_____. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

CAMPAZANO, G. Recuperação das histórias travestis. In: CORNWALL, A.; JOLLY, S. (org.). Questões de sexualidade: Ensaios transculturais. Rio de Janeiro: ABIA, 2008, p. 81-90.

CARDOSO, G. A Mídia na Sociedade em Rede. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede: do Conhecimento à Política. In: CASTELLS, M.; CARDOSO, G. A Sociedade em Rede: Do conhecimento à ação política. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005.

CARRARA, S.; VIANNA, A. “Tá lá um corpo estendido no chão...”: a violência letal contra travestis no município do Rio de Janeiro. In: PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, n.16, v. 2, 2006, p. 233-249.

DI FELICE, M. Auréola digital: as manipulações tecnológicas do mundo e o fim do direito exclusivo da edição das informações. In: Stoa, disciplinas da USP, 2014. Disponível em: http://moodle.stoa.usp.br. Acesso em: nov. 2015.

ESTEVES, J. P. Sociologia da Comunicação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Editora Vozes, 2006.

______. Em defesa da sociedade: curso no Collége de France (1975-1976). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

GAGNEBIN, J. M. Memória, história, testemunho. In: BRESCIANI, S.; NAXARA, M. (orgs.) Memória e (res)sentimento: indagações sobre a questão sensível. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2001, p. 85-94.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 5. Campinas, Ed. Unicamp, vol 5, p. 07-41, 1995.

INNERARITY, D. O novo espaço público. Lisboa: Teorema, 2006.

KRISTEVA, J. Poderes de la Perversión. Argentina: Siglo XXI, 2004.

LE BRETON, D. Sociologia do corpo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LEMOS, A. Cibercultura como território recombinante. In: TRIVINHO, E.; CAZELOTO, E. (orgs.) A cibercultura e seu espelho. Campo do conhecimento emergente e nova vivência humana na era da imersão interativa. São Paulo: Abciber. Instituto Itaú Cultural, 2010, p. 38-46.

LOURO, G. L. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. L. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 7-34.

OKIN, S. M. Gênero, o público e o privado. In: Estudos Feministas, Florianópolis, n, 16(2), p. 305-332, mai-ago, 2008.

PELÚCIO, L. Travestis, a (re)construção do feminino: gênero, corpo e sexualidade em um espaço ambíguo. In: ANTHROPOLÓGICAS, ano 8, vol. 1, 2004, p. 123-154.

_____; TOSTA, A. L. Z. Experiências plurais em categorias singulares: Problematizando a materialização das travestilidades. In: Anais do 8 Fazendo Gênero. Florianópolis, 2008.
Disponível em: . Acesso em: jan. 2017.

POLIVANOV, B. Personas no Facebook e consumo por afiliação: percepções sobre (des)encaixes entre selves on e off-line. ORGANICOM, ano 12, n. 22, 2015, p. 225-235

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

______; FRAGOSO, S.; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2012.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

RODRIGUES, A. D.; BRAGA, A. Interação, discurso e espaço público em ambiente digital. In: CASTRO, P. C. (org.). Dicotomia público/privado: estamos no caminho certo? Maceió, Alagoas, Edufal, 2015, p. 25-48.

ROSE, N. Inventando nossos selfs: Psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

SIBILIA, P. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Contracampo, 2016.

SILVA, H. Travesti: a invenção do feminino. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: ISER, 1993.
THOMPSON, J. B. A nova visibilidade. In: MATRIZes, São Paulo, n. 2, abr., 2008, p. 15-38.

WACQUANT, L. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia/Revan, 2001.

ZELIZER, V. A. La negociación de la intimidad. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.
Publicado
2017-12-11