A Estética do engajamento do itaú na #instamission38

  • Larissa Neves Araújo Universidade Federal da Bahia - FACOM
  • Regina Gomes Souza
Palavras-chave: projeto fotográfico colaborativo, marca, engajamento

Resumo

O presente artigo concebe a mídia social Instagram como cenário de convergência entre novas e velhas plataformas comunicacionais no intuito de analisar as estratégias de visualidade da produção imagética do #Instamission38: “Fotografe o que transforma o mundo”, promovida pelo banco Itaú. Para tal, a noção de Branded Content na publicidade delineia o Instamission enquanto uma experiência de entretenimento ancorada na prática colaborativa fotográfica, de modo que os seus usuários sejam concebidos como sujeitos criativos para qual o consumo adquire novas significações aportando uma identidade de pertencimento global que nos será útil para esclarecer uma estética do engajamento no regime de visibilidade contemporâneo.

Biografia do Autor

Larissa Neves Araújo, Universidade Federal da Bahia - FACOM

Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia - UFBA. Professora do curso de graduação em publicidade e propaganda da Universidade Salvador – UNIFACS.

Regina Gomes Souza

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa – NOVA. Professora do programa de pós – graduação  em comunicação e cultura contemporâneas da Universidade Federal da Bahia – UFBA.

Referências

BARTHES, Roland.A retórica da imagem. In: O óbvio e o obtuso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1990.

CHACON, Fernando. Banco Itaú: O desafio de se tornar inconfundível. Porto Alegre. Palestra ministrada no Congresso de Marketing da ADVB em 31 outubro de 2014.

COVALESKI, Rogério. Publicidade Híbrida. Curitiba: Maxi Editora, 2010.

CRARY, Jonathan. Técnicas do observador: visão e modernidade no século XIX. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

GUMBRECHT , H. U. Pequenas crises: experiência estética nos mundos cotidianos. In: GUIMARÃES, C. G. (Org.); LEAL, Bruno Souza (Org.); MENDONÇA, Carlos Camargos (Org.). Comunicação e Experiência Estética. 1ª ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência: a colisão entre os velhos e novos meios de Comunicação, São Paulo: Aleph, 2006.

JOLY, Martine. Introdução à Análise da Imagem.(Trad. José Eduardo Rodil). Lisboa: Edições 70, 2007.

LEMOS, André. Cidade e mobilidade. Telefones celulares, funções pós-massivas e territórios informacionais. Revista Matrizes, n. 1, 2007

LIPOVETSKY, Gilles. Os Tempos Hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: Viver na era do capitalismo artista. Tradução de Eduardo Brandão. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ODIN, Roger. A Questão do público: uma abordagem semiopragmática. In: RAMOS, Fernão (Org.) Teoria contemporânea do cinema. São Paulo: SENAC, 2004.

PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Editora Perspectiva, 1977.

ROCHA, Rose de Melo. Cultura da visualidade e estratégias de (in)visibilidade. In: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Disponível em: .Acesso em: 12 mar.2016

SANTOS, André Bonfim dos. A descompressão do audiovisual publicitário: analisando o processo comunicacional da prática do Branded Content. 2014, 135 f. Dissertação – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação.

SILVA JR, J. A. Da fotografia expandida à fotografia desprendida: como o instagram explica a crise da Kodak e vice-versa. Revista Líbero, São Paulo, v. 17, n. 33, p. 117-126, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2017

WOLTON, Dominique. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010.
Publicado
2018-09-05
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas