A Voz da web

construções ideológicas e representatividade em vlogs LGBT+ no Brasil

  • Tomaz Affonso Penner Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo
Palavras-chave: LGBT, produtores de conteúdo, vloggers, YouTube

Resumo

Por meio da aplicação de questionários em grupos de discussão LGBT+ no Facebook, o trabalho realizou um mapeamento e sistematização das identidades de gênero e orientações sexuais de vloggers LGBT+ brasileiros do YouTube. A partir dos resultados, foi possível comprovar a hipótese lançada inicialmente, que aponta a predominância de homens entre os produtores de conteúdos mais influentes e, portanto, com mais visibilidade. No caso das LGBT+, percebeu-se a relevância de homens gays cisgêneros entre os mencionados pelos respondentes do questionário, apontando mais repercussão dos conteúdos gerados por essa categoria de gênero, sexual e identitária dissidente em relação às demais.

Biografia do Autor

Tomaz Affonso Penner, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo

Doutorando em Ciências da Comunicação na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA|USP. Mestre pela mesma instituição. Pesquisador do Grupo de Estudos Linguagens e Discursos nos Meios de Comunicação – GELiDis.

Referências

AMARAL, Adriana. Curadoria de informação e conteúdo na web: uma abordagem cultural. In: CORRÊA, Elizabeth Saad (Org.). Curadoria Digital e o Campo da Comunicação. São Paulo: Editora ECA-USP, 2012.
BACHELARD, Gaston. Conhecimento comum e conhecimento científico. Tempo Brasileiro. São Paulo, n. 28, p. 47-56, jan-mar 1972.
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BOOTH, Paul. Digital fandom: new media studies. Nova York: Peter Lang, 2010.
BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.
BOURDIEU, Pierre. Sociologia. In: ORTIZ, Rentato (org.). Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática, 1983.
BUTLER, Judith. Críticamente subversiva. In: JIMÉNEZ, Rafael M. Mérida. Sexualidades transgressoras - una antología de estudios queer. Barcelona: Icária Editorial, 2002.
CANNITO, Newton. A televisão na era digital. São Paulo: Summus, 2010.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo : Paz e Terra, v.1. 1999.
CASTELLS, Manuel. Communication power. New York: Oxford University Press, 2009.
COLLING, Leandro. A igualdade não faz o meu gênero – Em defesa das políticas das diferenças para o respeito à diversidade sexual e de gênero no Brasil. Contemporânea - Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 3, n. 2, jul.-dez. 2013, pp 405-427.
CORRÊA, Elizabeth Saad; BERTOCCHI, Daniela. O algoritmo curador – o papel do comunicador num cenário de curadoria algorítmica de informação. In: CORRÊA, Elizabeth Saad (Org.). Curadoria Digital e o Campo da Comunicação. São Paulo: Editora ECA-USP, 2012.
COSTA, Bruno. Personagens de si nas videografias do Youtube. Revista Eco-Pós, Rio de Janeiro, v.12, n.2, p.206-219, maio-ago 2009.
GAMSON, Joshua. Deben autodestruirse los movimientos identitarios? Un extraño dilema. In: JIMÉNEZ, Rafael M. Mérida. Sexualidades transgressoras - una antología de estudios queer. Barcelona: Icária Editorial, 2002.
HELLER, A. Sobre preconceitos. In: O cotidiano e a história. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2004.
JENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.
LEMOS, Andre. LÉVY, Pierre. O futuro da Internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.
LÉVY, Pierre. Ciberdemocracia. Lisboa: Editions Odile Jacob, 2002.
LÉVY, Pierre. O que é o virtual. São Paulo: Ed. 34, 1996.
LIPPMANN W. Estereótipos. In: STEIMBERG, Ch. (org.). Meios de Comunicação Massa. Rio de Janeiro: Cultrix. 1980.
LOPES, M. I. V; MUNGIOLI, M. C. P. Brasil: a telenovela como fenômeno midiático. In: LOPES, Maria Immacolata Vassalo de; OROZGO, Guillermo (orgs). Memória Social e Ficção Televisiva em Países Ibero-americanos. Porto Alegre: Editora Sulina, 2013, ps. 129-168
LOURO, Guacira Lopes. O corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.
MACHADO, A.; VÉLEZ, M. L. Fim da Televisão? In: FECHINE, Y & CARLÓN, M (orgs). O Fim da Televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.
MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.
MILLER, Toby. O Agora e o Futuro da Televisão. In: FECHINE, Y & CARLÓN, M (orgs). O Fim da Televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.
SANTINI, Rose Marie; CALVI, Juan C. O consumo audiovisual e suas lógicas sociais na rede. Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, vol. 10, n 27, ps. 159-182, 2013.
SCOLARI, Carlos A. This is The End: as intermináveis discussões sobre o fim da televisão. In: FECHINE, Y & CARLÓN, M (orgs). Fim da Televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.
THOMPSON, John B. A nova visibilidade. Revista MATRIZes. 2008, n. 2, p. 15-38.
WILLIAMS, Raymond. Television: technology and cultural forms. London: Wesleyan University Press, 1992.
Publicado
2018-09-05
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas