Ciência, epistemologia e estudos de gênero na Universidade Federal do ABC

Relato sobre iniciativas para o fomento e institucionalização de uma área de pesquisa interdisciplinar

  • Charles Morphy Santos Universidade Federal do ABC
  • Cristina Fróes de Borja Reis Universidade Federal do ABC
  • Marília Mello Pisani Universidade Federal do ABC
  • Ana Carolina Boero Universidade Federal do ABC
  • Soraya Aparecida Cordeiro Universidade Federal do ABC
Palavras-chave: Ciências duras., Desigualdade., Feminismo., Humanidades., UFABC

Resumo

Uma onda conservadora tem se alastrado no Brasil em muitos estratos sociais e políticos, e vem contaminado os debates universitários, especialmente sobre estudos de gênero e assuntos afins. Do ponto de vista docente, tal debate vinha sendo travado na Universidade Federal do ABC (UFABC) a partir de esforços individuais. Essa foi uma das motivações para que fosse criado um grupo de trabalho voltado a estudos de gênero, ciência e políticas educacionais, que foi ratificado pelo Conselho Universitário da UFABC. Após sessenta dias, o GT apresentou uma proposta de abertura de vaga de concurso intitulada “Ciência, epistemologia e estudos gênero”. A justificativa para essa posição relaciona-se especialmente à necessidade do debate em torno das hard science e os estudos de gênero. A vaga, aprovada em todas as instâncias da UFABC, foi aberta na área Interdisciplinar. O objetivo do presente artigo é apresentar o histórico do debate sobre a questão de gênero na UFABC, descrevendo a criação e a operação do GT de gênero e seus resultados. Fica claro que a abertura para posições mais inovadoras na universidade requer mobilização e capacidade de execução, dependendo tanto dos valores institucionais quanto de iniciativas de toda a comunidade universitária.

Biografia do Autor

Charles Morphy Santos, Universidade Federal do ABC

Doutor em Ciências (Área: Entomologia) pela Universidade de São Paulo. Professor de Biologia Evolutiva e Comparada dos Animais na Universidade Federal do ABC.

Cristina Fróes de Borja Reis, Universidade Federal do ABC

Doutora em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora de Economia na Universidade Federal do ABC.

Marília Mello Pisani, Universidade Federal do ABC

Doutora em Filosofia pela Universidade Federal de São Carlos. Professora de Filosofia da Universidade Federal do ABC.

Ana Carolina Boero, Universidade Federal do ABC

Doutora em Ciências (Área: Matemática) pela Universidade de São Paulo. Professora de Matemática na Universidade Federal do ABC.

Soraya Aparecida Cordeiro, Universidade Federal do ABC

Bacharela em Administração de Empresas pela Fundação Armando Álvaro Penteado e Licenciada em Letras pela Universidade Bandeirante. Especialista em gestão pública pela Universidade Federal do ABC. Secretária-Geral junto a Reitoria da UFABC.

Referências

ARDITTI, Rita. Feminism and science. In: ARDITTI, Rita; BRENNAN, Pat; CAVRAK, Steve (Eds.), Science and Liberation. Boston: Beacon Press, p. 350-368, 1980.
BAZZO, Walter A. et al. Introdução aos Estudos CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade). Madrid: Organização dos Estados Ibero-americanospara a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), 2003.
BOWLER, Peter J. Biology and human nature. In: BOWLER, Peter J.; PICKSTONE, John V. The Cambridge History of Science Vol. 6: the modern Biological and Earth Sciences. New York: Cambridge University Press, 2009, p. 563-582.
FERNANDES, Sabrina. 2017. Assessing the Brazilian Workers’ Party. Jacobin, v. 25, p. 84-88.
FRANCIONE, Gary L. Introdução aos direitos animais. Campinas: Editora Unicamp, 2013.
GUATTARI, Felix. Les Trois Ècologies. Paris: Editions Galilée, 1989.
HARAWAY, Donna. Situated Knowledge: The Science Question in Feminism and the Privilege of Partial Perspective. Feminist Studies, v. 14, p. 575-599, 1988.
______. Gender, Race and Nature in the World of Modern Science. New York: Routledge, 1989.
HARDING, Sandra. The Science Question in Feminism. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1986.
______. Rethinking Standpoint Epistemology: What is Strong Objectivity. In: ALCOFF, Linda; POTTER, Elizabeth (Eds.) Feminist Epistemologies. Routledge, New York-London, p. 49-82, 1993.
JACOBS, Jerry A. Gender inequality and higher education. Annual Review of Sociology, v. 22(1), p. 153-185, 1996.
JAGAR, Alison M.; YOUNG, Iris M. A companion to feminist philosophy. Hoboken, NJ: Blackwell Publishing, 1999.
KELLER, Evelyn F. Reflections on Gender and Science. New Haven: Yale University Press, 1985.
______. The Gender/Science System: or, is Sex to Gender as Nature is to science? Hypatia, v. 2(3), p. 37-49, 1987.
______. Qual foi o impacto do feminismo na ciência? Cadernos Pagu, v. 27, p.13-34, 2006.
LAURETIS, Teresa. A Tecnologia do Gênero. In: HOLANDA, Heloísa B. (org). Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, p. 206-242, 1994.
MEMMI, Albert. Portrait du colonisé. Paris: Payot, 1973.
NAGLE, Angela. Kill All Normies: online culture wars from 4chan and Tumblr to Trump and the alt-right. United Kingdom: Zero Books, 2017.
PAIXÃO, Marcelo. 500 anos de solidão: estudos sobre desigualdades raciais no Brasil. Curitiba: Editora Apris, 2013.
POMBO, Olga; LEVY, Teresa; GUIMARÃES, Henrique. Interdisciplinaridade. Reflexão e Experiência, 2. edição. Lisboa: Texto Editora, 1994.
SANTOS, Charles Morphy D. O hipopótamo de Tal: reflexões sobre o conhecimento científico. São Paulo: Métis Produção Editorial, 2015.
SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru: EDUSC, 2001.
SEN, Amartya. The many faces of gender inequality. New Republic, p. 35-39, 2001.
SINGER, Peter. A Darwinian Left: politics, evolution and cooperation. New Haven and London: Yale University Press, 1999.
UFABC. Projeto Pedagógico Original. Disponível em: http://www.ufabc.edu.br/ . Santo André, 2006.
VETTER, Betty M. Women in the Natural Sciences. Signs, v. 1, n. 3, p. 713-20, 1976.
Publicado
2017-12-11