Análise semiótica da vinheta da telenovela “Verdades Secretas”

  • Georgia Mattos Universidade de Sorocaba
  • Tarcyanie Cajueiro Santos Uniso
Palavras-chave: Semiótica peirciana, Vinheta, Telenovela

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a vinheta da telenovela “Verdades Secretas” da Rede Globo de Televisão, tendo como base teórica, a Semiótica de Charles Sanders Peirce, que considera qualquer coisa como um Signo capaz de ser interpretado. Reconhecendo a vinheta televisiva como um signo sujeito a possíveis interpretações num telespectador, aplicamos a análise a partir das estratégias metodológicas desenvolvidas por Lucia Santaella, na qual percebemos a relação dos elementos que compõem as imagens e que formam uma obra bem elaborada da linguagem imagética.

Biografia do Autor

Georgia Mattos, Universidade de Sorocaba

Mestre em Comunicação e Cultura  pela Universidade de Sorocaba

 

Tarcyanie Cajueiro Santos, Uniso

Doutora e Pós-doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Docente do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (PPGCC/Uniso). E-mail: tarcyanie.santos@prof.uniso.br.

Referências

AZNAR, Sidney Carlos. Vinheta: do pergaminho ao vídeo. São Paulo: Arte & Ciência, 1997.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costu-mes, gestos, formas, figuras, cores, números. 21. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2007.
DRIGO, Maria Ogécia; SOUZA, Luciana Coutinho Pagliarini. Aulas de semiótica peirceana. São Paulo: Annablume, 2013.
FREITAS, Leonardo Fialho. A vinheta e sua evolução através da História: da origem do termo até a adaptação para os meios de comunicação. 2007. 119 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Faculdade dos Meios de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.
FREITAS, Maria Eduarda. Abertura de Verdades Secretas exibe belas modelos em cenários decadentes. [S.I.]: Gshow, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 de novembro de 2016.
LEXIKON, Herder. Dicionário de Símbolos. São Paulo: Cultrix, 1990.
LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Telenovela brasileira: uma narrativa sobre a nação. Comunicação e Educação, São Paulo, n. 26, p. 17-34, jan./abr. 2003.
LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Para uma revisão das identidades coletivas em tempo de globalização. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. (Org.). Telenovela. Internacionalização e Interculturalidade. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 121-137.MOTTER, Maria Lourdes. Mecanismos de renovação do gênero telenovela. Empréstimos e Doações. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. (Org.). Telenovela. Internacionalização e Interculturalidade. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 251-291.ORTIZ, Renato; BORELLI, Silvia Helena Simões; RAMOS, José Mário Ortiz. Telenovela: História e Produção. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.SANTAELLA, Lucia. Semiótica Aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.STRAUBHAAR, Joseph. As múltiplas proximidades das telenovelas e das audiências. In: LO-PES, Maria Immacolata Vassallo de. (Org.). Telenovela. Internacionalização e Interculturalida-de. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 75-110.XAVIER, Ismail. Do senso moral-religioso ao senso comum pós-freudiano: imagens da história nacional na teleficção brasileira. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. (Org.). Telenove-la. Internacionalização e Interculturalidade. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 47-73.
Publicado
2018-09-05
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas