Novas perspectivas de visibilidade midiática e afirmação política da população travesti na contemporaneidade

análise do registro audiovisual “blasFêmea” (2017), de Linn da Quebrada e suas implicações comunicacionais

  • Clotilde Perez ECA-USP
  • Renato Gonzalves Ferreira Filho USP

Resumo

O registro audiovisual “blasFêmea”, de autoria de Linn da Quebrada, sintetiza um novo momento para a luta pela representação LGBT na sociedade. Trazendo o enunciado de uma travesti, o material reposiciona algumas das imagens correntes que dela se fazem na cultura brasileira e engendra novas estratégias políticas e comunicacionais que partem da imagem. A partir de uma análise multidisciplinar do objeto, matizaremos os sentidos que a visibilidade midiática e a afirmação política ganham na contemporaneidade. Engendramos as reflexões acerca de gênero e, em especial sobre as questões da mulher e do feminino por meio de Butler (2016), Paglia (1996) e Foucault (2015), bem como as pesquisas sobre linguagens hidridas de Santaella (2001, 2003 e 2007), uma vez que também está em questão uma nova forma de expressão audiovisual midiatizada em redes sociais entre o videoclipe, o filme e a publicidade.

Biografia do Autor

Renato Gonzalves Ferreira Filho, USP

Doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA USP. Mestre em Culturas Brasileiras pelo IEB-USP. Publicitário formado pela ECA USP. Membro do GESC3 – Grupo de Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo, ECA USP.

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
DEBRAY, Regis. Vida e morte da imagem: uma história do olhar no Ocidente. Petrópolis: Vozes, 1993.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1. A vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2015.
GONÇALVES, Renato. Nós duas. As representações LGBT na canção brasileira. São Paulo: Lápis Roxo, 2016.
KULICK, Don. Travesti. Prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2008.
LACAN, Jacques. Seminário, livro 18. De um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
PAGLIA, Camille. Vampes e vadias. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1996.
PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo. Uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids. São Paulo: Annablume, Fapesp, 2009.
PERLONGHER, Nestor. O negócio do michê. São Paulo: Brasiliense, 1987.
SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento. Sonora Visual Verbal. São Paulo: Iluminuras, 2001.
_______. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.
_______. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007
Publicado
2017-12-11