Aproximações entre o brincar e a religiosidade

uma reflexão a partir do larp

Palavras-chave: Comunicação, Práticas socioculturais, Brincar, Religiosidade, Larp

Resumo

Esse estudo visa observar a relação entre o brincar e a religiosidade, numa pesquisa bibliográfica de caráter ensaístico. Uma vez que o sagrado pode se manifestar através do lúdico, assim como as religiões possuem estruturas que podem ser vistas como originárias do jogo, práticas como o larp (visto enquanto mídia), objeto do estudo, poderiam ser observadas a partir da religiosidade popular. Ressalta-se aqui o desprendimento do viés de qualquer religião específica, ao olhar não apenas ao transcendente, mas também à imanência da religiosidade como edificação de vínculos entre os homens. Observa-se ainda que os larps poderiam ser possíveis tutores de resiliência, papel também presente nas religiões. Encerra ao propor a existência de, no larp, uma criação de áreas transicionais entre o concreto e o imaginário com potencial comunicacional contra-hegemônico.

Biografia do Autor

Jorge Miklos, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Midiática da Universidade Paulista

Graduado em Ciências Sociais (UMESP-SP) e História (UNIFAI). Mestre em Ciências da Religião e Doutor em Comunicação e Semiótica, ambos na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Especialista em Psicologia Junguiana (FACIS-IJEP). Analista Junguiano. Professor e Membro do IJEP (Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa). Pós-doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob supervisão da Prof.ª. Dra. Raquel Paiva (bolsa CNPq, 2013-2014) e estágios de pesquisa - Vilém-Flusser-Archiv em Berlim (Auxílio FAPESP, 2013). Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Midiática da Universidade Paulista. Professor de História Antiga das Faculdades de Integradas de Ciências Humanas, Saúde e Educação de Guarulhos. Vice-Líder do Grupo de Pesquisa Mídia e Estudos do Imaginário (UNIP-SP). Vice-Líder do MIRE - Grupo de Pesquisa Mídia, Religião e Política (UMESP-SP). Membro do CISC - Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia (PUC-SP). É autor dos livros: Ciber-Religião: A Construção de Vínculos Religiosos na Cibercultura (Ideias e Letras) e Cultura e Desenvolvimento Local: Ética e Comunicação Comunitária (Érica/Saraiva). Atualmente desenvolve Projeto de Pesquisa nomeado Imaginário Religioso na Sociedade Mediática .

Tadeu Rodrigues Iuama, Universidade Paulista

Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade de Sorocaba - UNISO. Doutorando em Comunicação pela Universidade Paulista – UNIP. Bolsista PROSUP/CAPES

Referências

BAITELLO JUNIOR, Norval. O pensamento sentado. Sobre glúteos, cadeiras e imagens. São Leopoldo: UNISINOS, 2012.

BEY, Hakim. TAZ: Zona Autônoma Temporária. São Paulo: Coletivo Sabotagem, 2004. Disponível em: <https://goo.gl/Mv8tYf>. Acesso em: 11 mai. 2018.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução de Padre Antônio Pereira de Figueredo. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica, 1980. Edição Ecumênica.

BOWMAN, Sarah Lynne. The functions of role-playing games: how participants create community, solve problems and explore identity. Jefferson: McFarland & Company Inc., 2010.

BOWMAN, Sarah Lynne. Imaginação ativa, individuação e narrativas de role-playing. Tríade: Revista de Comunicação, Cultura e Mídia, v. 5, n. 9, p. 140-157, jun. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/5kXrZx>. Acesso em: 11 mai. 2018.

BUSTOS, Juan Carlos Miguel de. Comunicación sostenible y desarollo humano em la sociedade de la información. Madrid: Agencia Española de Cooperación Internacional, 2006. Disponível em: <https://goo.gl/rRJ8KG>. Acesso em: 11 mai. 2018.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Lisboa: Cotovia, 1990.

CAPRA, Fritjof. O Tao da Física: Uma exploração dos paralelos entre a física moderna e o misticismo oriental. Lisboa: Presença, 1989.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 2006.

CYRULNIK, Boris. Do sexto sentido: o homem e o encantamento do mundo. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

CYRULNIK, Boris. Resiliência: essa inaudita capacidade de construção humana. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. São Paulo: Projeto Periferia, 2003. Disponível em: <https://goo.gl/v4T3j8>. Acesso em: 11 mai. 2018.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Edições 70, 1995.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

FALCÃO, Luiz. LIVE! Live Action Role Playing: Um Guia Prático para o LARP. São Paulo: NpLarp, 2013. Disponível em: <https://goo.gl/aV2mpd>. Acesso em: 11 mai. 2018.

HAGGREN, Kristoffer et al. Deltagar Kultur. Göteborg: Bokförlaget Korpen, 2009. Disponível em: <https://goo.gl/ufr8YQ>. Acesso em: 11 mai. 2018.

HOLMÅS, Heikki. LARPs can change the world, 2012. Disponível em: <https://goo.gl/DgNZoZ>. Acesso em: 11 mai. 2018.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2017.

IUAMA, Tadeu Rodrigues. O verso da máscara: processos comunicacionais nos LARPS e RPGS de mesa. Votorantim: Provocare, 2018. Disponível em: <https://goo.gl/A2bhgN>. Acesso em: 11 mai. 2018.

IUAMA, Tadeu Rodrigues. Priori Incantatem: uma discussão sobre a colonização do Imaginário no larp blockbuster. In: 40º CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2017, Curitiba. Anais... São Paulo: Intercom, 2017. Disponível em: <https://goo.gl/fYuDtY>. Acesso em: 11 mai. 2018.

LARSSON, Elge. Larp as real magic. In: BOCKMAN, Peter; HUTCHISON, Ragnhild. Dissecting Larp – Collected papers for Knutepunkt 2005. Oslo: Knutepunkt, 2005, p. 239244. Disponível em: <https://goo.gl/bWmGKd>. Acesso em: 11 mai. 2018.

LESSIG, Lawrence. Cultura livre: como a mídia usa a tecnologia e a lei para barrar a criação cultural e controlar a criatividade, 2004. Disponível em: <https://goo.gl/eJWu4x>. Acesso em: 11 mai. 2018.

MIKLOS, Jorge. Ciber-religião: a construção de vínculos religiosos na cibercultura. Aparecida: Ideias & Letras, 2012.

MORIN, Edgar. O enigma do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MORIN, Edgar. O método 4: as ideias: habitat, vida, costumes, organização. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MORIN, Edgar; KERN, Anne-Brigitte. Terra-Pátria. Porto Alegre: Sulina, 2003.

PLATÃO. O banquete. Pará de Minas: Virtualbooks, 2003. Disponível em: <https://goo.gl/981EfY>. Acesso em: 11 mai. 2018.

POEL, Francisco van der. Dicionário da religiosidade popular: cultura e religião no Brasil. Curitiba: Nossa Cultura, 2013.

ROMANO, Vicente. Ecología de la Comunicación. Hondarribia: Hiru, 2004.

SILVA, Míriam Cristina Carlos. Comunicação e cultura antropofágicas: mídia, corpo e paisagem na erótico-poética oswaldiana. Porto Alegre: Sulina; Sorocaba: EDUNISO, 2007.

WINNICOTT, Donald Woods. O Brincar & a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Publicado
2018-12-17
Como Citar
Miklos, J., & Iuama, T. (2018). Aproximações entre o brincar e a religiosidade. Tríade - Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 6(13), 130-142. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2018v6n12p130-142
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas