Masculinidades em anúncio

a publicidade enquanto tecnologia de gênero

Palavras-chave: Tecnologias de gênero, Publicidade, Masculinidades

Resumo

Neste artigo buscamos evidenciar a publicidade enquanto uma tecnologia de gênero que coloca em circulação midiática representações de masculinidades. Para isso, destacamos a teoria latino-americana das mediações culturais, que permite articular o modo pelo qual a publicidade adapta seu discurso às discussões culturais correntes sobre o gênero em um processo dinâmico de produção de representações de gênero. A análise de dois anúncios de desodorantes masculinos por meio da semiótica peirceana ainda sugere possíveis estéticas, éticas e lógicas de masculinidades que são produzidas pelos anúncios, de forma a reconhecer a publicidade enquanto uma tecnologia de gênero que produz e promove representações de gênero.

Biografia do Autor

Clotilde Perez, Universidade de São Paulo

Professora Titular de Publicidade e Consumo da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Líder do Grupo de Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo. Fundadora da Casa Semio.

André Luiz Silva Peruzzo, Universidade de São Paulo

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Membro do GESC3 – Grupo de Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-7000-7676

Referências

AXE. The Thing. Youtube, 24 mar. 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mMZtzgWkpJU>. Acesso em: 13 jul. 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

DE LAURETIS, Teresa. Alicia ya no: Feminismo, Semiótica, Cine. Madrid: Ediciones Cátedra, 1992.

DE LAURETIS, Teresa. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (Org.) Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

DE LAURETIS, Teresa. Género y teoría queer. Mora (B. Aires), Ciudad Autónoma de Buenos Aires , v. 21, n. 2, dic. 2015 . Disponível em <http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1853-001X2015000200004&lng=es&nrm=iso>. Acesso em 13 jun. 2017.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade: a vontade de saber. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GEENA DAVIS INSTITUTE. Gender Bias in Advertising. Disponível em: <https://seejane.org/wp-content/uploads/gender-bias-in-advertising.pdf>. Acesso em: 1 jul. 2017.

GOFFMAN, Erving. Gender Advertisements. New York: Harper e Row, 1979.

HARAWAY, Donna. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 22, p. 201-246, 2004. ISSN 1809-4449. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644638>. Acesso em: 16 jul. 2017.

HECK, Ana Paula; NUNES, Máira de Souza. Publicidade e gênero: análise do fenômeno femvertising na criação de campanhas. In: XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul, 2016, CURITIBA. Anais. SÃO PAULO: INTERCOM, 2016.

JANUÁRIO, Soraya Barreto. Masculinidades em (re)construção: Gênero, Corpo e Publicidade. Covilhã: Labcom.ifp, 2016.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Mediação e Recepção: algumas conexões teóricas e metodológicas nos estudos latino-americanos de comunicação. Matrizes (USP. Impresso), v. 8, p. 65-80, 2014.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: Comunicação, cultura e hegemonia. 5. ed. Rio de Janeiro: Ufrj, 2008.

MEIO & MENSAGEM. Old Spice resgata homenidade no Brasil. 2014. Notícia.. Disponível em: <http://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2014/04/07/old-spice-estreia-no-brasil-para-resgatar-masculinidade.html>. Acesso em: 13 jul. 2017.

McCRACKEN, Grant. Manufatura e movimento de significado no mundo dos bens. In: Cultura e consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003. p. 99-120.

OLD SPICE. O Chamado. Youtube, 15 mar. 2014. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=t8MxQR1bVYc>. Acesso em: 13 jul. 2017.

PEREZ, Clotilde.;TRINDADE, Eneus; BATISTA, Leandro; HELLÌN, Pedro. Novos conteúdos e expressões do espaço midiático publicitário. Congresso da Associação Internacional de Semiótica Visual. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa/AISV, 2011.

PEREZ, Clotilde. Ecossistema publicitário: o crescimento sígnico da Publicidade. In: XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 39., 2016, São Paulo. Anais. São Paulo: Intercom, 2016.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: a história de um conceito. In: Heloísa Buarque de Almeida; José Szwako. (Org.). Diferenças, igualdade. 1ed.São Paulo: Berlendis e Vertecchia Editores, 2009, v. 1, p. 116-150.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 89 ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SANTAELLA, Lúcia. Semiótica Aplicada. São Paulo: Thomson Learning, 2002.

SANTAELLA, Lúcia; NÖTH, Winfried. Estratégias Semióticas da Publicidade. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

TRINDADE, Eneus. A publicidade e a modernidade-mundo. In: Ivan Santo Barbosa. (Org.). Os sentidos da publicidade. 1ed.São Paulo: Thomson, 2005, v. 1, p. 81-96.

WIDHOLZER, Nara. A publicidade como pedagogia cultural e tecnologia de gênero: abordagem linguístico-discursiva. In: FUNCK, Susana Bornéo; WIDHOLZER, Nara (Org.). Gênero em discursos da mídia. Florianópolis: Editora Mulheres, 2005. p. 17-52.

Publicado
2018-12-17
Como Citar
Perez, C., & Peruzzo, A. (2018). Masculinidades em anúncio. Tríade - Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 6(13), 69-84. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2018v6n13p69-84
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas