Desafios e descompassos de uma cidade rumo à indústria criativa

Challenges and imbalances of a city towards the creative industry

Palavras-chave: Recife, Porto digital, Indústria Cultural, Economia criativa

Resumo

Este trabalho visa mapear o cenário econômico e cultural da cidade do Recife no século XX com o objetivo de identificar iniciativas que contribuem para a indústria criativa da cidade hoje. Ao longo de sua existência, a capital pernambucana foi marcada por experiências culturais significativas, nas áreas do cinema e da tecnologia da informação. A pesquisa parte do pressuposto de que essas experiências contribuíram para a vocação criativa empreendedora da cidade e para o surgimento, no final do século, do Porto Digital. O presente artigo é resultante de uma pesquisa, de caráter exploratório, que optou pelo resgate histórico realizado a partir de fontes documentais, entre elas documentos oficiais, institucionais e publicações jornalísticas de diferentes suportes, tais como produtos digitais.

Biografia do Autor

ALINE MARIA GREGO LINS, UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO

Aline Maria Grego Lins é Professora Doutora em Comunicação e Semiótica, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP e Mestre em Educação pela Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro. Atualmente é docente do Mestrado Profissional em Indústrias Criativas e do bacharelado em Jornalismo, ambos da Universidade Católica de Pernambuco - UNICAP. E está fazendo o pós-doutorado em Jornalismo no Programa da Escola de Comunicação - ECOS, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

Maria Julia Queiroga, Universidade Católica de Pernambuco

Atuou como pesquisadora no projeto de pesquisa (PIBIC) da Universidade Católica de Pernambuco, de Julho de 2016 até Julho de 2018 e como estagiária na Assessoria de Imprensa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco no período de 2015-2016. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Jornalismo e Editoração, atuando principalmente nos seguintes temas: economia política da comunicação, cinema, porto digital e mulheres.

Referências

ANDRADE, Bruno Alves de. Distribuição espacial da indústria têxtil e de confecção em Pernambuco: qual a influência dos fatores locacionais. 2016. 74 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Programa de Pós Graduação em Economia, Universidade Federal de Pernambuco, 2016.

BENDASSOLLI, Pedro F. et al. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Revista de Economia e Administração – RAE, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 10-18, jan./mar. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rae/v49n1/v49n1a03.pdf. Acesso em: 26 nov. 2015.

BRASIL. Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 1991. Dispõe sobre a capacitação e competitividade do setor de informática e automação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 24 out. 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8248.htm. Acesso em: 16 abr. 2017.

CUNHA FILHO, P. (org.) Relembrando o Cinema Pernambucano: dos arquivos de Jota Soares. Recife: Massangana, 2006.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - FIRJAN. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.abradi.com.br/wp-content/uploads/2015/05/Mapeamento-2014.pdf. Acesso em: 13 abr. 2017.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – FIRJAN. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Firjan, 2016. Disponível em: http://www.firjan.com.br/EconomiaCriativa/pages/default.aspx. Acesso em: 03 maio. 2017.

FIGUEIRÔA, Alexandre. O Cinema Super 8 em Pernambuco. Recife: Fundarpe, 1994.

FUNCULTURA. Breve histórico. Cultura PE: o portal da cultura pernambucana. Disponível em: http://www.cultura.pe.gov.br/pagina/funcultura/sobre/breve-historico/. Acesso em: 11 jul. 2017.

FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO - FUNDAJ. Disponível em: www.fundaj.gov.br. Acesso em: 25 abr. 2017

HOWKINS, John. Economia criativa: como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: Makron Books, 2013.

LUBAMBO, Cátia W. O bairro do Recife: entre o Corpo Santo e o Marco Zero. Recife: CEPE/Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1991.

NOGUEIRA, Amanda Mansur Custódio. O novo ciclo do cinema em Pernambuco: a questão do estilo. 2009. 157 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, 2009.

OLIVEIRA, João M.; ARAUJO, Bruno; SILVA, Leandro Valério. Panorama da economia criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA, 2013.

OUTTES, Joel. O RECIFE: gênese do urbanismo 1927 – 1943. Recife: Fundaj; Massangana, 1997.

PINTO, Luiz Carlos. Bairro do Recife 100 anos depois: história de vencidos e esquecimento. Recife: Marco Zero Conteúdo, 2015. Disponível em: http://marcozero.org/bairro-do_recife-100-anos-depois/. Acesso em: 10 out./2018.

PORTO DIGITAL. Documentação técnica. Disponível em: http://www.portodigital.org/parque/o-que-e-o-porto-digital/documentacao. Acesso em: 10 set. 2018.

SABOYA, Francisco. [Palestra dia 15/03]. 2017. Conferência realizada na abertura do Programa de Pós-Graduação em Indústrias Criativas da Universidade Católica de Pernambuco, 15 mar. 2017.

SETTE, Mário. Arruar – História pitoresca do Recife antigo. 3. ed. Recife: Secretaria de Educação e Cultura – Departamento de Cultura, 1978. Coleção Pernambucana.

UNESCO. United Nations Development Programme. Creative economy report: widening local development pathways. New York, 2013. Disponível em: http://www.unesco.org/culture/pdf/creative-economy-report-2013.pdf. Acesso em: 25 abr. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Centro de Informática. Sobre o CIn. Disponível em: http://www2.cin.ufpe.br/site/secao. php?s=1&c=1. Acesso em: 25 abr. 2017.

ZANCHETI, Sílvio; LACERDA, Norma. A revitalização de áreas históricas como estratégia de desenvolvimento local: avaliação do caso do Bairro do Recife. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 30, n. 1, p 8-24, jan./mar. 1999.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
LINS, A., & Queiroga, M. (2019). Desafios e descompassos de uma cidade rumo à indústria criativa. Tríade - Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 7(14), 53-73. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n14p53-73