Visões da cidade: vandalismo, violência e mobilidade urbana no telejornalismo

Palavras-chave: Telejornalismo, Violência, Mobilidade Urbana

Resumo

Este artigo é resultado de pesquisas continuadas desenvolvidas no Laboratório de Leitura Crítica da Mídia do PPGCOM - UFG. A partir dos conceitos de grotesco, modernidade; e questões sobre a cidade e a mobilidade urbana, apresenta uma análise sobre a cobertura midiática dos episódios de violência direcionada ao transporte, em especial aos incêndios intencionais de ônibus urbanos. A análise inclui um debate sobre as estratégias do telejornalismo na cobertura destas ações, os gêneros e formatos adotados e como eles refletem esta estratégia, mas também aspectos sobre o enquadramento (ou fremes) e o uso de uma estética do grotesco para consolidar a cobertura da violência urbana. Observou-se que as abordagens pontuais do espaço urbano a partir da violência conduzem a um questionamento sobre o Estado, a Cidadania e a Democracia e, de forma indireta, induz a noção da impossibilidade da convivência entre classes e grupos sociais nos espaços urbanos contemporâneos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Rocha Pessoa Temer, Universidade Federal de Goiás

Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia da Universidade Federal de Goiás, na linha de pesquisa Mídia e Cidadania. Doutorado em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (2001). Pós Doutoranda na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Jornalismo e Editoração, atuando principalmente nos seguintes temas: Teorias da Comunicação, Televisão, Telejornalismo, e Gêneros Jornalísticos. Líder do Grupo de Pesquisa Televisão e Cidadania da UFG. Autora dos livros Para Entender as Teorias da Comunicação e a Televisão em busca da Interatividade.

Simone Antoniaci Tuzzo, Universidade Federal de Goiás

Pós-Doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Professora Efetiva do Programa de Pós-Graduação em Comunicação - PPGCOM da Universidade Federal de Goiás - UFG.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec / Unesp, 1993.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2014.

BORELLI, Silvia; PRIOLLI, Gabriel (org). A deusa ferida: por que a Rede Globo não é mais campeã absoluta de audiência. SP: Summus, 2000.

BOURDIEU, Pierre. Sobre televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

BRITTOS, Valério Cruz; BOLAÑO, César Ricardo Siqueira (orgs). Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia. São Paulo: Paulus, 2005.

BUCCI, Eugênio (org). A TV aos 50 - Criticando a Televisão Brasileira no seu Cinquentenário. SP: Fundação Perseu Abramo, 2000.

FRANCISCATO, Carlos; GÓES,José Cristian. Contribuições da teoria do enquadramento para compreender o sensacionalismo no jornalismo. Revista Interamericana de Comunicação Midiática, v. 11, n. 22, p. 291-310, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/271104084_. Acesso em: 06 out. 2018.

MATTOS, Sérgio. História da televisão brasileira: uma visão econômica, social e política. 2. ed. Petrópolis:Vozes, 2002.

MATTOS, Sérgio. O resgate da memória e a construção da história da televisão no Brasil. In: BRAGANÇA, Aníbal; MOREIRA, Sônia Virgínia (org). Comunicação, acontecimento e memória. São Paulo: Intercom, 2005.

PARK, Robert. A cidade: sugestões para a investigação do comportamento humano no meio urbano. In: VELHO, Octávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987. p. 26-67.

SÁDABA, Maria Teresa Garraza. Origen, aplicación y límites de la teoría del encuadre (framing) en comunicación. Comunicación y sociedade, Centro de Ciencias Humanas y Sociales. Madrid/Espanha. v. XIV, n. 2, p. 143-17, 2001.

SIMMEL, G. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otavio (org). O fenômeno urbano. RJ: Zahar, 1979.

SODRÉ, Muniz. A comunicação do grotesco: introdução à cultura de massa no Brasil. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1973.

SODRÉ, Muniz. Antropológica no espelho: por uma teoria da comunicação linear e em rede. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

TEMER, Ana Carolina Rocha Pessoa; NERY, Vanda Cunha Albieri. Para entender as teorias da comunicação. 2. ed. Uberlândia: EDUFU, 2009

TEMER, Ana Carolina Rocha Pessoa. Flertando com o caos: comunicação, telejornalismo e Estado. Goiânia: FIC / UFG, 2014.

TEMER, Ana Carolina Rocha Pessoa. Notícias & serviços nos telejornais da Rede Globo. Rio de Janeiro: Sotese, 2002.

TUCHMAN, G. La producción de la noticia: estudio sobre la construcción de la realidad.Barcelona: Gustavo Gilli, 1983.

WIRTH, Louis. Urbanism as a Way of Life. In: MARWICK, E. W. ; REISS JR., A. J. Community life and social policy. Chicago: Universityof Chicago Press, 1956. p. 110 -132.

WIRTH, L.O urbanismo como modo de vida. In: VELHO, Otávio (Org.), O Fenômeno Urbano. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1979.

ZANETTI, D. O framing e o processo de construção da notícia. Revista PJ: BR - Jornalismo Brasileiro, São Paulo, ano V, n. 10, jul. 2008. Disponível em: http://www.eca.usp.br/pjbr/arquivos/artigos10_a.htm. Acesso em: 27 fev. 2012.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
Temer, A. C., & Tuzzo, S. (2019). Visões da cidade: vandalismo, violência e mobilidade urbana no telejornalismo. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 7(14), 145-162. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n14p145-162