O rap na cidade:

O “Quinto Elemento” e as Rodas de Rima do RJ

Palavras-chave: Hip hop, Rodas de Rima, Cidade, Rio de Janeiro, Quinto elemento

Resumo

O propósito do artigo é mobilizar o conceito de “quinto elemento” da cultura Hip Hop, entendido como arma em potencial contra confinamentos cognitivos e relevante gatilho estético de resistência no ambiente urbano, para investigar a intervenção das Rodas de Rap do Circuito Carioca de Ritmo e Poesia (CCRP) na cidade do Rio de Janeiro. O artigo atesta a dimensão comunitária do rap nas Rodas, definindo-a como resultado da “criatividade social” das "neotribos" que giram no entorno do Hip Hop carioca. Inspirado pela noção de “quinto elemento”, o rap é se apresenta como uma linguagem capaz de produzir um élan comunitário na vida da cidade, a partir de sua música. Assim como em sua origem em NY, quando jovens do sul do Bronx redefiniram suas identidades culturais num espaço urbano violento e empobrecido, o rap, através das Rodas no Rio de Janeiro, segue emergindo com energia e vitalidade para intervir na dinâmica da cidade.

Biografia do Autor

Gabriel Gutierrez Mendes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Cientista Político, Mestre pelo IUPERJ (atual IESP) e Doutorando no PPGCOM/UERJ.  Pesquisador do CAC/UERJ e das Faculdades Integradas Helio Alonso (FACHA).
Gabriel Chavarry Neiva, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Professor e Pesquisador do Departamento de Comunicação da PUC RIO. Graduado em  História na UFF. Mestre em Sociologia e Antropologia (PPGSA) na UFRJ e Doutor em  Comunicação no PPGCOM UERJ.

Referências

BORGES, Raphael; ALMEIDA, Ivy. Estação Periferia: Racionais MC’s. Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=0Hf9IUsdMbo>. Acesso em: 10 mar 2015.

DUNCOMBE, S. Introduction. In: Cultural Resistance Reader. Londres: Verso, 2002.

FERNANDES, C.S.; HERSCHMANN, M. Cidades Musicais: comunicação, territorialidade e política. Porto Alegre: Sulina. 2018.

FERNANDES, C.S. Sociabilidade, Comunicação e Política: A experiência estético-comunicativa da Rede MIAC na cidade de Salvador. Rio de Janeiro: E Papers, 2009.

FORMAN, Murray. Represent: Race, Space and Place in Rap Music. In: FORMAN, Murray. (org). That´s the joint: The Hip Hop Studies Reader. Nova Iorque: Routledge: 2004.

FREITAS, R.F. & LINS, F. & SANTOS, M.H. Megaeventos: motores de transformações sociais. In: XXIII Encontro Anual da Compós, 2014. Anais dos Encontros da Compós. Belém: E-compós, 2014.

GILROY, P. O Atlântico negro. Rio de Janeiro: Editora 34, 2001.

GONÇALVES, R. A. A cultura urbana periférica–silenciamentos e táticas. Revista SOLETRAS, n. 36, 2018.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

HERSCHMANN, M.; C.S. FERNANDES, Cíntia Sanmartin. Territorialidades sônicas e re-significação de espaços do Rio de Janeiro. Logos, v. 18, n. 2, 2011.

HERSCHMANN, M.; C.S. FERNANDES, Cíntia Sanmartin. Comunicação, Música e Territorialidades: repensando a relevância das Cidades Musicais do Rio de Janeiro. Logos, v. 23, n. 2, 2016.

KELLNER, D. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. São Carlos: Edusc, 2001.

KISCHINHEVSKY, M. A música como forma de conhecimento social. Entrevista: Micael Herschmann. Revista Eptic, v. 14, n. 2, 2012.

MACEDO, I. A linguagem musical do Rap: expressão local de um fenômeno mundial. Tempos Históricos, v.15, 2011.

MAFFESOLI, Michel. A contemplação do mundo. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1995.

RACIONAIS MC’S. Introdução. São Paulo. Zimbabwe. 1993.

REIS, J. A lei no bolso: música de rua e luta pelas espçaos públicos no Rio de Janeiro. In: FERNANDES, C.S.; HERSCHMANN, M. Cidades Musicais: comunicação, territorialidade e política. Porto Alegre: Sulina. 2018.

ROCHE, M. Mega events and modernity: olympics and the growth of global culture. Londres: Routledge, 2000.

ROSE, Tricia. Black noise: Rap music and black culture in contemporary America. Nova Iorque: Wesleyan, 1994.

ROSE, Tricia. Um estilo que ninguém segura: Política, estilo e a cidade pós-industrial no hip hop. In: HERSCHMANN, M. (org). Abalando os anos 90: Funk e hip hop, globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

SANCHEZ, F. A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Editora Argos, 2010.

TAKEUTI, N.M. Refazendo a margem pela arte e política. Nómadas 32, 2010.

TROTTA, F. Música e conflito na cidade: práticas de escuta, espaço público e violência no Rio. In FERNANDES, C.S.; HERSCHMANN, M. Cidades Musicais: comunicação, territorialidade e política. Porto Alegre: Sulina. 2018.

VAINER, Carlos. Cidade de exceção: reflexões a partir do Rio de Janeiro, In: XIV Encontro Nacional da Anpur. Rio de Janeiro: Anpur, 2010.

Publicado
2019-04-23
Como Citar
Mendes, G., & Neiva, G. (2019). O rap na cidade:. Tríade - Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 7(14), 199-219. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n14p199-219