Hayao Miyazaki:

o estilo autoral do animador japonês

  • Raphael Parreira e Silva PUC Minas
  • Conrado Moreira Mendes PUC MINAS
Palavras-chave: Miyazaki, Cinema, Estilo, Animê

Resumo

Com o intuito de depreender o estilo autoral do japonês Hayao Miyazaki, são analisados, neste trabalho, seus seguintes filmes: Porco Rosso (1992), A Viagem de Chihiro (2001) e Vidas ao Vento (2013). Tais obras são examinadas à luz do conceito de estilo, conforme propõe Discini (2014), articulando-se tal concepção à teoria do autor de Stam (2003), além de debater os alicerces em torno da caracterização de personagens centrais de acordo com Brait (2005) e Brecht (2002). Por meio das análises realizadas, pôde-se concluir que o estilo autoral de Miyazaki se constrói a partir de recorrências observadas tanto no plano do conteúdo, quanto no plano da expressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Parreira e Silva, PUC Minas

Mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Belo Horizonte, Brasil.

Conrado Moreira Mendes, PUC MINAS

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas, Belo Horizonte, Minas Gerais. Doutor em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo – USP. 

Referências

BRAIT, Beth. Bakhtin: conceitos-chave / Beth Brait, (org.). 2. Ed. – São Paulo: Contexto, 2005. 223p.

BRANDÃO, Luis Alberto; OLIVEIRA, S. P.. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 104p

BRECHT, Bertolt. Estudos Sobre o Teatro. Tradução de Fiama Pais Brandão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002

DISCINI, Norma. Ator, Aspecto, Estilo. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), São Carlos, v. 35, p. 1544-1553, 2006.

DISCINI, Norma. Corpo e Estilo. São Paulo: Contexto, 2014, 383p

LUYTEN, Sonia Bibe. Mangá: o poder dos quadrinhos japoneses. São Paulo: Hedra, 2000.

PINHEIROS, F. A evolução da noção de Autoria no cinema. In: O Mosaico. Faculdade de artes do Paraná/ UNESPAR, 2012. p. 59-72.

OLIVEIRA, J. Por entre mitos e fadas: diálogos metafóricos com a literatura midiática japonesa da obra de Hayao Miyasaki. 2016. 277 f. Tese (Doutorado em Letras) – Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2016.

RIVERA, T. C. .Cinema, Imagem e Psicanálise. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. v. 1. 75p.

SATO, Cristiane A. A Cultura popular japonesa.: animê. In: LUYTEN, Sonia Bibe (Org). Cultura Pop Japonesa: Manga e Animê. São Paulo. Hedra, 2005. Cap. 2, p. 27 – 42.

STAM, R. Introdução à teoria do cinema. Tradução de Fernando Mascarello. Campinas: Papirus, 2003.

STAM, Robert. Teoria e prática da adaptação: da fidelidade à intertextualidade. Ilha do Desterro A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, Florianópolis, n. 51, p. 019-053, abr. 2006.

YOSHIMIZU, Kohei. Los Japoneses y las flores. Revista Niponica. Tóquio: Mi nistério das Relações Exteriores do Japão, n. 2, 25 de n

Publicado
2019-08-10
Como Citar
e Silva, R., & Mendes, C. (2019). Hayao Miyazaki:. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 7(15), 137-157. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n15p137-157
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas