Twitter e esporte de alto rendimento

controle, restrições e punições

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n17p93-116

Palavras-chave:

Twitter, Redes Sociais, Mídia, Esporte

Resumo

A pesquisa tem como objetivo analisar os controles, as restrições e punições aplicadas aos atletas pelos Órgãos Esportivos a partir das postagens e repercussão dos atletas no Twitter. Para tanto foram analisadas 20 reportagens publicadas na internet, em quatro idiomas – português, inglês, espanhol e francês –, sendo cinco para cada idioma. Adotou-se a pesquisa qualitativa cross-cultural retrospectiva com análise de conteúdo em ambiente virtual. Os resultados demonstraram que ocorreram ações nos três aspectos estudados, com incidência maior nas matérias em português e inglês. Desta forma, ficou evidente que os organismos esportivos têm tentado restringir e controlar as postagens, inserindo em seus regulamentos formas restritivas e punitivas aos atletas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavio Rebustini, Dr, Universidade de São Paulo

Pós-doutor em Desenvolvimento Humano e Tecnologias (UNESP/Rio Claro - 2013-2016). Pós-Doutor em Psicometria (Universidade de Quebéc à Trois-Rivières - Canada - 2013-2017). Doutor em Desenvolvimento Humano e Tecnologia - UNESP - Rio Claro (2011-2012), sob orientação do Prof. Dr. Afonso Antonio Machado e com estágio doutoral com o Prof. Dr. Marcos A. A. Balbinotti pelo departamento do Psicologia da Universidade de Quebéc em Trois-Rivières - Canadá (2012). Professor Mestrado em Gerontologia da EACH - USP. Reitor da Universidade do Grande ABC de 2008 a 2010 (UNIABC). Mestrado em Ciências da Motricidade pela UNESP/Rio Claro (2005). Aperfeiçoamento em Voleibol no Instituto Estatal de Cultura Física de Moscou - Russia (1997), especialização em Psicologia do Esporte pela Faculdades Metropolitanas Unidas (1997), especialização em Voleibol pela Faculdades Metropolitanas Unidas (1996), aperfeiçoamento em Teoria e Metodologia do Treinamento Desportivo no Instituto Estatal de Cultura Física de Moscou - Russia (1994), graduado em Educação Física pela Universidade de Formação Educação e Cultura do ABC - UNIABC (1994). Tem experiência na área de Gestão Universitária e em Educação Física, com ênfase em Estados Emocionais e Movimento. Experiência na validação de instrumentos para as áreas das Ciências da Saúde e Humanas. Atua nos seguintes temas: Esporte, Estados Emocionais, Psicologia do Esporte e do Exercício, Psicometria e Gerontologia. Membro da Mixed Methods International Research Association; Membro da Association of Internet Researchers. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da Escola de Enfermagem da USP - SP

Afonso Antonio Machado, Dr, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho"

Licenciado em Educação Física pela PUC- Campinas (1976); graduado em Filosofia e Pedagogia; graduando em Psicologia (2017). Mestre (1985) e doutor(1994) em Educação, pela UNICAMP. Livre-docente pelo Instituto de Biociências, UNESP, Rio Claro, com a tese "Agressividade e ansiedade em atletas jovens"(1998). Foi editor-chefe da Revista MOTRIZ, presidente da SOBRAPE (Sociedade Brasileira de Psicologia do Esporte, de 2006-08) e Coordenador do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Humano e Tecnologias (DEHUTE)(2011-17), no IB/UNESP. Atualmente é editor-chefe do Brazilian Journal of Sport Psychology, consultor da Revista Iberoamericana de Psicología del Ejercício e del Deporto, da Revista Movimento, da Revista Movimento&Percepção e da Coleção Pesquisa em Educação Física. Professor adjunto na UNESP/ Rio Claro, em RDIDP. Atua na Educação Física, com ênfase nos temas: estados emocionais, identidade psicológica do esportista, gênero e masculinidade no esporte e lesões psicológicas esportivas. Coordena o LEPESPE (Laboratório de Estudos e Pesquisas em Psicologia do Esporte). Vice-presidente da ABEPEEX, na atual gestão. Realizou estágio de pós-doutoramento no Laboratório de Psicologia do Esporte, junto ao Prof. Dr. Duarte Araújo, da Faculdade de Motricidade Humana, em Lisboa(08-09) e na Universidade do Minho, com Prof. Dr. António Rui Gomes (10-11). Bolsista PQ (2010-13). .

Referências

ATLETA leiloa espaço em seu ombro para tatuar Twitter de patrocinador. Globo Esporte, 13 jan. 2012. Disponível em: http://globoesporte.globo.com/atletismo/noticia/2012/01/atleta-leiloa-espacoem-seu-ombro-para-tatuar-twitter-de-patrocinador.html. Acesso em: 05 jul. 2017.

ATLETAS apelam ao Twitter para protestar contra restrições publicitárias. O Globo, Rio de Janeiro, 31 jul. 2012. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/atletas-apelam-ao-twitter-para-protestar-contra-restricoes-publicitarias-5644703. Acesso em: 23 jul. 2017.

BARDIN, Lawrence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BELOT, Matthew; WINAND, Mathieu; KOLYPERAS, Dimitrios. How do International Sport Federations Communicate Through Social Media: A content Analysis of FIFA's Twitter Communications. In: EUROPEAN ACADEMY OF MANAGEMENT, 2016, Paris.

CANCLINI, Néstor García. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade, 3. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

CLAVIO, Galen; WALSH, Patrick. Dimensions of social media utilization among college sport fans. Communication & Sport, v. 2, n. 3, p. 261-281, 2014.

COCHE, Roxane. How Athletes Frame Themselves on Social Media: An Analysis of Twitter Profiles. Journal of Sports Media, v. 12, n. 1, p. 89-112, 2017.

DART, Jon. New media, professional sport and political economy. Journal of Sport and Social Issues, v. 38, n. 6, p. 528-547, 2014.

ELA SOFRE preconceito por correr maratona acima do peso e combate 'haters'. UOL Esporte, São Paulo, 05 jun. 2017. Disponível em: https://esporte.uol.com.br/corrida-de-rua/ultimas-noticias/2017/06/05/ela-sofre-preconceito-por-correr-maratona-acima-do-peso-e-combate-haters.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 23 jul. 2017.

FELDMAN, Ronen. Techniques and applications for sentiment analysis. Communications of the ACM, v. 56, n. 4, p. 82-89, 2013.

FINLEY, Klint. A brief history of the end of the comments. Wired, 08 out. 2015.

FORD, Nigel. Using the web for research. Los Angeles: Sage, 2012.

FREDERICK, Evan. Malice in the Digital Palace: A Commentary on Athletes, Social Media, and Defamation. Journal Legal Aspects Sport, v. 27, p. 79, 2017.

GEURIN-EAGLEMAN, Andrea N.; BURCH, Lauren M. Communicating via photographs: A gendered analysis of Olympic athletes’ visual self-presentation on Instagram. Sport Management Review, v. 19, n. 2, p. 133-145, 2016.

GIBBS, Chris; HAYNES, Richard. A phenomenological investigation into how Twitter has changed the nature of sport media relations. International Journal of Sport Communication, v. 6, n. 4, p. 394-408, 2013.

GOL contra na web: atletas não aprendem a lidar com as redes sociais. Veja, São Paulo, 24 jun. 2016. Disponível em: http://veja.abril.com.br/esporte/gol-contra-na-web-atletas-nao-aprendem-a-lidar-com-as-redes-sociais/. Acesso em: 23 jul. 2017.

GRIMMELMANN, James. The virtues of moderation. Yale JL & Tech., v. 17, p. 42, 2015.

HOEBER, Orland [et al.]. Visual Twitter Analytics (Vista) Temporally changing sentiment and the discovery of emergent themes within sport event tweets. Online Information Review, v. 40, n. 1, p. 25-41, 2016.

KRIPPENDORFF, Klaus. Content Analysis: an introduction to its methodology. California: Sage Publications, 2004.

LAZARUS, Danielle. The Adjudicatory Audible: The Impact of Social Media on the Punishments of NFL Athletes. 2016. 54 f. Undergraduate Honors Thesis - Sanford School of Public Policy, Duke University, Durham, 2016.

LEBEL, Katie; DANYLCHUK, Karen. An Audience Interpretation of Professional Athlete Self-Presentation on Twitter. Journal of Applied Sport Management, v. 6, n. 2, 2014.

LEE, Amber. 15 Sports Stars Who Don't Let Hate Affect Them. Bleacher Report, 22 nov. 2014. Disponível em: http://bleacherreport.com/articles/2274020-15-sports-stars-who-dont-let-hate-affect-them. Acesso em: 23 jul. 2017.

LES ATHLÈTES contre le contrôle de Facebook et Twitter aux JO. Le Figaro, 31 jul. 2012. Disponível em: http://www.lefigaro.fr/sport-business/2012/07/31/20006-20120731ARTFIG00393-les-athletes-contre-le-controle-de-facebook-et-twitter-aux-jo.php. Acesso em: 15 jul. 2017.

MACHADO, Afonso Antônio; CALLEGARI, Marcelo; MOIOLI, Altair. O corpo, o desenvolvimento humano e as tecnologias. Motriz, Rio Claro, v. 17 n. 4, p.728-737, out./dez. 2011.

MENG, Matthew D.; STAVROS, Constantino; WESTBERG, Kate. Engaging fans through social media: implications for team identification. Sport, Business and Management, v. 5, n. 3, p. 199-217, 2015.

MIDDLESBROUGH pode tatuar patrocinador em jogadores. [S.I.]: MKT Esportivo, 05 abr. 2012. Disponível em: http://www.mktesportivo.com/2012/04/middlesbrough-pode-tatuar-patrocinadorem-jogadores. Acesso em: 07 jul. 2017.

NARAINE, Michael L.; PARENT, Milena M. Illuminating centralized users in the social media ego network of two national sport organizations. Journal of Sport Management, v. 30, n. 6, p. 689-701, 2016.

PACETE, Luiz Gustavo. O que a nova fase do Twitter diz sobre o futuro do esporte. [S.I.]: Meio & Mensagen, 11 jul. 2017. Disponível em: http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2017/07/11/o-que-a-nova-fase-do-twitter-diz-sobre-o-futuro-do-esporte.html. Acesso em: 23 jul. 2017.

PAULUCCI, Maurício. Fábio crítica "haters" e fala sobre sondagem de rival: "Se fosse por dinheiro, já tinha saído. Globo Esporte, 20 jun. 2017. Disponível em: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/cruzeiro/noticia/fabio-critica-haters-e-fala-sobre-sondagem-de-rival-se-fosse-por-dinheiro-ja-tinha-saido.ghtml. Acesso em: 23 jul. 2017.

PEGORARO, Ann. Look who’s talking—Athletes on Twitter: A case study. International Journal of Sport Communication, v. 3, n. 4, p. 501-514, 2010.

PEIXOTO, Maria Inês Carvalho. Marketing communication trends in sport organisations : case study : Futebol Clube do Porto, Sporting Clube de Portugal, Sport Lisboa e Benfica, Manchester United and Real Madrid. 2016. 74 f. Dissertação (Mestrado em Marketing) – Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, 2016.

PEREIRA, Juliana Ervilha Teixeira [et al.]. A problematização da liberdade de expressão na mídia social. Revista Científica Doctum Direito, v. 1, n. 3, 2019.

PHILLIPS, Charlotte. Exploring the effectiveness of twitter as a method of increasing feamle participation in sport: a UK home nation NGB case study. 2016. 57 f. Dissertation (Master of Management) - Cardiff Metropolitan University, Cardiff, 2016.

RANGEL, Sérgio. Seleção vai regular uso de redes sociais. Folha de S. Paulo, São Paulo, 21 jun. 2011. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk2106201110.htm. Acesso em: 21 jul. 2017.

REBUSTINI, Flávio. A vulnerabilidade no esporte e a exposição às novas mídias: um estudo sobre o twitter. 2012. 122 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias) - Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

REBUSTINI, Flávio. As novas mídias e o esporte: entenda como utilizá-las. Portal de Educação Física, set. 2016. Disponível em: http://www.educacaofisica.com.br/carreiras2/as-novas-midias-e-o-esporte-entenda-como-utiliza-las/. Acesso em: 29 out. 2016.

REBUSTINI, Flávio [et al.]. Twitter e Esporte de Alto Rendimento. Coleção Pesquisa em Educação Física, Várzea Paulista, v. 10, n. 6, p. 141-146, 2011.

SANDEL, Michael J. O que o dinheiro não pode comprar: os limites morais do mercado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

SANDERSON, Jimmy. To tweet or not to tweet: Exploring Division I athletic departments’ social-media policies. International Journal of Sport Communication, v. 4, n. 4, p. 492-513, 2011.

SANDERSON, Jimmy [et al.]. Social Media Policies within NCAA Member Institutions: Evolving Technology and its Impact on Policy. Journal of Issues in Intercollegiate Athletics, v. 8, 2015.

SCHREIER, Margrit. Qualitative content analysis in practice. New York: Sage Publications, 2012.

SOUSA, Maíra de Cássia Evangelista. A dinâmica da notícia nas redes sociais na internet: a forma de apresentação das postagens no Twitter e no Facebook. Fronteiras, São Leopoldo, v. 17, n. 2, p. 199-212, 2015.

STROPPA, Tatiana; ROTHENBURG, Walter Claudius. Liberdade de expressão e discurso do ódio: o conflito discursivo nas redes sociais. Revista Eletrônica do Curso de Direito, Santa Maria, v. 10, n. 2, p. 450-468, 2015.

TWITTER craze is rapidly changing the face of sports. Sports Illustrated, jun. 2009. Disponível em: http://sportsillustrated.cnn.com/2009/writers/the_bonus/06/05/twitter.sports/index.html. Acesso em: 13 fev. 2017.

USA Track & Field Advertising Guidelines. 2012. Disponível em: http://www.usatf.org/About/Privacy---Other-Policies/AdvertisingGuidelines.aspx.

Acesso em: 05 jun. 2012.

USA Track & Field Advertising Guidelines. 2016. Disponível em: http://www.usatf.org/usatf/files/18/18566416-27be-46cc-bd09-f42bf38a1243.pdf.

Acesso em: 23 jul. 2017.

WANLIN, Philippe. L’analyse de contenu comme méthode d’analyse qualitative d’entretiens: une comparaison entre les traitements manuels et l’utilisation de logiciels. Recherches Qualitatives, v. 3, n. 3, p. 243-272, 2007.

WATSON, Brendan R.; PENG, Zhao; LEWIS, Seth C. Who will intervene to save news comments? Deviance and social control in communities of news commenters. New Media & Society, n. 18, p. 410-428, 2019.

WEST, Sarah Myers. Censored, suspended, shadowbanned: User interpretations of content moderation on social media platforms. New Media & Society, v. 20, n. 11, p. 4366-4383, 2018. Disponível em:

www.wired.com/2015/10/brief-history-of-the-demise-of-the-comments-timeline/.

Acesso em: 14 jul. 2019.

YOON, Sukjoon; PETRICK, James F.; BACKMAN, Sheila J. Twitter power and sport-fan loyalty: The moderating effects of Twitter. International Journal of Sport Communication, v. 10, n. 2, p. 153-177, 2017.

ATLETAS que mitaram nas redes sociais durante o ano. UOL Esporte, 15 dez. 2016. Disponível em: https://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2016/12/15/16-atletas-que-mitaram-nas-redes-sociais-durante-o-ano/. Acesso em: 15 mai. 2017.

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Rebustini, F., & Machado, A. A. (2020). Twitter e esporte de alto rendimento: controle, restrições e punições. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 8(17), 93-116. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n17p93-116

Edição

Seção

ARTIGOS - Outras Perspectivas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##