"Aceita que agora é das transviadas"

política identitária LGBTQIA+ em Meu Corpo é Político

Palavras-chave: Gênero, Visibilidade Trans, Discurso, Documentário Meu Corpo é Político, Políticas identitárias

Resumo

A política no Brasil, desde a ditadura, é acompanhada por uma crescente busca por visibilidade e direitos. A discussão sobre políticas identitárias LGBTQIA+ ganhou outros contornos no cinema nacional com o avanço dos movimentos sociais. O documentário "Meu Corpo é Político" (2017) aborda o dia a dia de quatro pessoas transgêneras. O objetivo deste artigo é compreender as estratégias discursivas empregadas pelo filme para pautar as políticas identitárias LGBTQIA+. Para isso, foi realizada uma revisão bibliográfica ligada à teoria queer bem como uma análise dos discursos visuais e verbais do filme. Por fim, constata-se que o documentário fortalece a visibilidade das pessoas trans, colaborando com a discussão sobre direitos sociais e políticos de transexuais ao criticar o sistema cisnormativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENTES, Ivana. Biopolítica feminista e estéticas subversivas. Matrizes, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 93-109, mai./ago. 2017. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/133380. Acesso em: 12 jan. 2019.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BRASIL. Decreto-lei n 8727, de 28 de abril de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8727.htm. Acesso em: 18 set. 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CIRURGIA de redesignação sexual. WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Cirurgia_de_redesigna%C3%A7%C3%A3o_sexual&oldid=55007069. Acesso em: 18 set. 2019.

CORPO elétrico. Direção de Marcelo Caetano. Produção de Marcelo Caetano. São Paulo: Vitrine Filmes, 2017. 1 DVD (95 min).

CRÔ: o filme. Direção de Bruno Barreto. Produção de Paula Barreto. Rio de Janeiro: LC Barreto, 2013. 1 DVD (210 min).

CRÔ em família. Direção de Cininha de Paula. Produção de Marcos Didonet; Vilma Lustosa; Walkiria Barbosa. Rio de Janeiro: Total Entertainment, 2018. 1 DVD (210 min).

ELVIS & MADONA. Direção de Marcelo Laffitte. Produção de Jaime A. Schwartz. São Paulo: Pipa Filmes, 2010. 1 DVD (205 min).

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 19 ed. Rio de Janeiro: Graal, 2009.

HOJE EU quero voltar sozinho. Direção de Daniel Ribeiro. Produção de Diana Almeida. São Paulo: Lacuna Filmes, 2014. Netflix (96 min).

LAERTE-SE. Direção de Eliane Brum. Produção de Lygia Barbosa da Silva. São Paulo: Tru3Lab, 2017. Netflix (201 min).

MADAME Satã. Direção de Karim Aïnouz. Produção de Isabel Diegues; Maurício Andrade Ramos e Walter Salles. Rio de Janeiro: Video Filmes Produções Artísticas Ltda.; Wild Bunch; Lumiere; Dominant 7; Studio Canal, 2002. 1 DVD (205 min).

MEU CORPO é político. Direção de Alice Riff. Produção de Heverton Lima. Curitiba: Olhar Distribuição, 2017. 1 DVD (72 min).

NEVES, Thiago Tavares das; LACAVA, Vyullheney Fernandes de Araújo. Devires-Trans: Corpo, Arte e Política na Cultura Pop. In: CONGRESSO INTERNACIONAL COMUNICAÇÃO E CONSUMO, 7., 2018, São Paulo, SP. Anais [...]. São Paulo, SP: Escola Superior de Propaganda e Marketing, 2018. Disponível em: http://anais-comunicon.espm.br/GTs/GTPOS/GT5/GT05_NEVES_LACAVA.pdf. Acesso em: 16 set. 2019.

OLIVEIRA, André de. Em ‘Meu Corpo é Político’, a vida de quatro transgêneros é normal (mas não fácil). El País, São Paulo, 4 de dezembro de 2017, Cultura. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/01/cultura/1512168336_411578.html. Acesso em: 18 set. 2019.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto Contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2014a.

PRECIADO, Beatriz. Historia de la tecnossexualidad. In: PRECIADO, Beatriz. Yonqui: sexo, drogas y biopolítica. Buenos Aires: Paidós, 2014b.

PRECIADO, Beatriz. Tecnogénero. In: PRECIADO, Beatriz. Yonqui: sexo, drogas y biopolítica. Buenos Aires: Paidós, 2014c. p. 89-109.

ROCHA, Rose de Melo. Cultura da visualidade e estratégias de (in)visibilidade. E-Compós, Brasília, v. 7, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.30962/ec.115.

ROCHA, Rose de Melo [et al.]. Comunicação e estudos de gênero: imagens diaspóricas, imaginários insurgentes. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 27., 2018, Belo Horizonte, MG. Anais [...]. Belo Horizonte, MG: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2018. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/arquivos_2018/trabalhos_arquivo_VWT9ARUV352MJUPIJ17K_27_6563_23_02_2018_16_37_30.pdf. Acesso em: 18 set. 2019.

ROSA, Susel Oliveira da. Entre a biopolítica e a sexopolítica. In: RESENDE, Haroldo de. (Org.). Michel Foucault: política – pensamento e ação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2015.

TIBURI, Marcia. Judith Butler: feminismo como provocação. Cult, São Paulo, ano 19, jan. 2016.

TRANQUILIN-SILVA, Josefina de Fátima. 1ª marcha da visibilidade trans de Sorocaba: estética, consumo e comunicação política. In: CONGRESSO INTERNACIONAL COMUNICAÇÃO E CONSUMO, 7., 2018, São Paulo, SP. Anais [...]. São Paulo, SP: Escola Superior de Propaganda e Marketing, 2018. Disponível em: http://anais-comunicon.espm.br/GTs/GTPOS/GT5/GT05_TRANQUILLIN.pdf. Acesso em: 16 set. 2019.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Moreira, D. G. (2019). "Aceita que agora é das transviadas": política identitária LGBTQIA+ em Meu Corpo é Político. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 7(16), 219-239. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n16p219-239
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas