Quando a semiótica se tornou uma teoria da comunicação?

um estudo de sua presença em livros-texto (1969-2018)

Palavras-chave: Communication, Communication theory, Semiotics

Resumo

O objetivo deste texto é compreender como uma perspectiva originária da Linguística e/ou da Filosofia se tornou uma referência teórica para a Comunicação. Este artigo destaca alguns momentos dessa aproximação,  examinando, a partir de pesquisa bibliográfica, a presença da Semiótica em 26 livros-textos de Teoria da Comunicação publicados entre 1969 e 2018. A análise das evidências sugere que: (1) não há consenso sobre sua pertinência: 14 dos livros analisados não a incluem entre as teorias da comunicação, e apenas três detalham o tema; (2) embora presente na área desde a década de 1960, o tema ganha espaço como “teoria da comunicação” nos anos 1990; (3) não há quase distinção entre abordagens semióticas, apresentadas como teoria dos signos e geralmente associada à Linguística e à Teoria da Informação. Estes resultados são discutidos no contexto da atual pesquisa de epistemologia da Comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, M. Paradigmas de construção do campo comunicacional. In: HOHFELD, A. [et al.]. Tensões e Objetos da Pesquisa em Comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2002.

BARTHES, R. Elementos de Semiologia. São Paulo: Cultrix, 2014.

BELTRÃO, L. Teoria geral da comunicação. 3 ed. Brasília: Thesaurus, 1982.

BELTRÃO, L. Fundamentos científicos da Comunicação. Brasília: Coordenada, 1973.

BELTRÃO, L.; QUIRINO, N. Subsídios para uma teoria da comunicação de massa. São Paulo: Summus, 1986.

BRAGA, J. L. Dispositivos Interacionais. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 20., 2001, Porto Alegre, RS. Anais [...]. Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

BRAGA, J. L. Dispositivos Interacionais. In: BRAGA, J. L. [et al.]. Matrizes interacionais: a comunicação constrói a sociedade. Campina Grande: EDUEPB, 2017. p. 17-41.

BRAGA, J. L. Constituição do campo da comunicação. In: FAUSTO NETO, A.; PRADO, J. L. A.; PORTO, S. (Org.). Campo da Comunicação. João Pessoa: Editora da UFPB, 2001.

D’AZEVEDO, M. C. Atenção. Signos. Graus de Informação. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1970.

D’AZEVEDO, M. C. Comunicação. Linguagem. Automação. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1971.

DeFLEUR, M. Teoria da Comunicação de Massa. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

DeFLEUR, M.; BALL-ROCKEACH, Sandra. Teorias da Comunicação de Massa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

ECO, U. A estrutura ausente. São Paulo: Perspectiva, 2010.

ECO, U. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 2004.

ECO, U. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FERRARA, L. D’A. A estratégia dos signos. São Paulo: Perspectiva, 1981.

FRANÇA, V. Paradigmas da Comunicação: conhecer o quê? In: MOTTA, L. G.; FRANÇA, V.; PAIVA, R.; WEBER, M. H. (Orgs.). Estratégias e culturas da comunicação. Brasília: UnB, 2001.

FRANÇA, V. R. V.; SIMÕES, P. G. Curso básico de Teorias da Comunicação. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

GOMES, P. G. Tópicos de Teoria da Comunicação. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 1997.

GREIMAS, A. J. Semântica estrutural. São Paulo: Cultrix, 2010.

HOHFELDT, A. Teoria da comunicação: a recepção brasileira das correntes do pensamento hegemônico. In: MELO, J. M. O campo da comunicação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2008.

HOHFELDT, A.; MARTINO, L. C.; FRANÇA, V. R. V. (Org.). Teorias da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2001.

JAKOBSON, R. Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 2015.

LANDOWSKI, E. Entre a comunicação e a semiótica, a interação. Parágrafo, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 207-217, jul./dez. 2016.

LIMA, V. Repensando as teorias da comunicação. In: MELO, J. M. Teoria e pesquisa em comunicação. São Paulo: Intercom: Cortez, 1983. p. 86-98.

LITTLEJOHN, S. Fundamentos teóricos da Comunicação Humana. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

LOPES, M. I. V. O campo da Comunicação: sua constituição, desafios e dilemas. Famecos, Porto Alegre, n. 30, p. 16-30, ago. 2006.

LOPES, M. I. V. Sobre o estatuto disciplinar do campo da Comunicação. In: LOPES, M. I. V. Epistemologia da Comunicação. São Paulo: Loyola, 2003.

MACHADO, I.; ROMANINI, V. Semiótica da Comunicação: da semiose da natureza à cultura. Famecos, Porto Alegre, v. 2, n. 17, p. 89-97, mai./ago. 2010.

MARCONDES FILHO, C. Teorias da Comunicação, hoje. São Paulo: Paulus, 2016.

MARCONDES FILHO, C. Os equívocos de Peirce. Famecos, Porto Alegre, n. 25, p. 153-67,

MARCONDES FILHO, C. Esquecer Peirce? Dificuldades de uma teoria da comunicação que se apoia no modelo lógico e na religião (Parte 1). Galaxia, São Paulo, n. 24, p. 22-32, 2012.

MARTINO, L. M. S. A ilusão teórica no campo da comunicação. Famecos, Porto Alegre, v. 36, n. 1, p. 120-130, 2008.

MARTINO, L. M. S. O que foi teoria da comunicação? Um estudo da bibliografia entre 1967-1986. Comunicação Midiática, Bauru, v. 6, n. 1, p. 28-39, 2011.

MARTINO, L. M. S. O diálogo norte-sul em Teoria da Comunicação: hegemonias, apropriações e resistências nas pesquisas anglo-saxônicas e latino-americanas. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 36, n.1, p. 85-106, 2014.

MARTINO, L. M. S.; MARQUES, A. C. S. A teoria nas livrarias: o circuito de publicação e distribuição como problema epistemológico na Comunicação. Paulus, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 103-115, 2019.

MARTINO, L. C. (Org.). Introdução. In: MARTINO, L. C. Teorias da Comunicação: muitas ou poucas? Cotia: Ateliê, 2007.

MARTINO, L. C. Apontamentos epistemológicos sobre a fundação e a fundamentação do campo comunicacional. In: CAPPARELLI, S. [et al.]. A Comunicação Revisitada. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MARTINO, L. C. Ceticismo e inteligibilidade do campo comunicacional. Galáxia, São Paulo, v. 1, n. 5, p. 53-67, abr. 2003.

MARTINO, L. C. Elementos para uma epistemologia da Comunicação. In: FAUSTO NETO, A.; PRADO, J. L. A.; PORTO, S. (Org.). Campo da Comunicação. João Pessoa: Editora da UFPB, 2001.

MARTINS, Luiz. Teorias da Comunicação. Brasília: Casa das Musas, 2005.

MASER, S. Fundamentos de Teoria Geral da Comunicação. São Paulo: E.P.U., 1975.

MELO, J. M. Teorias da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 1999.

MOREIRA, R. Teoria da comunicação: ideologia e utopia. Petrópolis: Vozes, 1979.

MORRIS, C. W. Fundamentos da Teoria dos Signos. Rio de Janeiro: Eldorado Tijuca, 1976.

MORTENSEN, C. D. (Org). Teoria da Comunicação: textos básicos. São Paulo: Mosaico, 1980.

MOURA, C. P. O curso de comunicação social no Brasil. Porto Alegre: EdPUCRS, 2002.

NÖTH, W. A teoria da comunicação de Charles S. Peirce e os equívocos de Ciro Marcondes Filho. Galaxia, São Paulo, n. 25, p. 10-23, 2013.

NUNES, A. Teorias da Comunicação. Maceió: Ed. Ufal, 2011.

PEIRCE, C. S. Semiótica e Filosofia. São Paulo: Cultrix, 1984.

PENA, F. Teoria da Comunicação – 1000 perguntas. Rio de Janeiro: Thompson, 2005.

PEREIRA, J. H. Curso básico de Teoria da Comunicação. Rio de Janeiro: Quartet, 2001.

PICADO, J. B. Por que a Semiótica interessa às Teorias da Comunicação? In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 10., 2001, Brasília, DF. Anais [...]. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2001.

PIGNATARI, D. Informação. Linguagem. Comunicação. São Paulo: Perspectiva, 1964.

POLISHUK, I.; TRINTA, A. R. Teorias da Comunicação. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

RÜDIGER, F. Introdução à Teoria da Comunicação. São Paulo: Edicon, 1998.

SÁ, A. (Org.) Fundamentos científicos da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 1973.

SANTAELLA, L. Produção de linguagem e ideologia. São Paulo: Cortez, 1980.

SANTAELLA, L.; NOTH, W. Semiótica. São Paulo: Experimento, 1999.

SANTOS, R. E. As Teorias da Comunicação. São Paulo: Intercom ,2003.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2013.

SCHNEIDERMAN, B. Semiótica Russa. São Paulo: Perspectiva, 1979.

SIMÕES, M. M. R.; OLIVEIRA Jr., F. G. O que tem de semiótica? Apropriações das pesquisas da Compós e do PPGCom da PUC-MG acerca da Semiótica Peirceana. Razón y Palabra, v. 1, n. 88, dez. 2014.

TEMER, A. C. R. P.; NERY, V. C. A. Para entender as Teorias da Comunicação. Uberlândia: Ed. UFU, 2009.

VARÃO, R. O passado não é o que costuma(va) ser: por uma outra história das teorias da Comunicação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 30., 2007, Santos, SP. Anais [...]. Santos, SP: Universidade Católica de Santos, 2007.

VELLOZO, S. L. Teoria geral da Comunicação Coletiva. Rio de Janeiro: Ed. O Cruzeiro, 1969.

VILLALBA, R. Teoria da Comunicação. São Paulo: Ática, 2006.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Martino, L. M. S. (2019). Quando a semiótica se tornou uma teoria da comunicação? um estudo de sua presença em livros-texto (1969-2018). Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 7(16), 98-121. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2019v7n16p98-121