Luz, câmera e (re)ação

história e política em “meteorango kid – o herói intergalático”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p117-149

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo compreender como se dá o processo de constituição da narratividade cinematográfica no filme Meteororango Kid – o herói intergalático e sua relação com o contexto histórico em que foi produzido, no caso, a Ditadura Civil Militar Brasileira (1964-1985). Construiremos um estudo do período da Ditadura Militar Brasileira a partir do “Cinema Marginal”. Buscaremos também contribuir para um debate sobre a Ditadura Civil Militar e o uso do cinema como fonte histórica, uma vez que é algo recente na historiografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Raquel Hettwer Massmann, Universidade Federal de Alagoas (PPGLL/UFAL)

É Professor Adjunto da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). É Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (USP) (2009), Mestre e Graduada em Letras (português-francês) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) (2005 e 2002). Realizou estágio Pós-doutoral em Semântica no Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) (2014). Em 2019, foi Professor Visitante Nacional Sênior do Programa de Mestrado em Educação e Cultura (PPGEDUC) da Universidade Federal do Pará (UFPA). Em 2018, foi professora convidada na Universidade de Turim (Itália). É Pesquisador Colaborador no Laboratório de Estudos Urbanos (LABEURB) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Entre 2010 e 2018, foi docente permanente e coordenadora adjunta (2012-2018) do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Vale do Sapucaí. Em 2012 e 2013, participou da comissão de elaboração da proposta do curso de Doutorado em Ciências da Linguagem e, em 2015, integrou a comissão de elaboração da proposta do curso de Letras da Universidade do Vale do Sapucaí. Atuou como docente nos cursos presenciais de Graduação em Letras, História e Tecnologia em Gastronomia da Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). Na UNIVÁS Virtual, ministrou o curso de Leitura e Produção de Textos para diferentes cursos de graduação. No Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem, orientou pesquisas de Mestrado e Doutorado, coordenou o Núcleo de Pesquisas em Linguagem (NUPEL) e, ao lado da Profa. Eni P. Orlandi, fundou o Centro de Ensino de Línguas (CELi) e o Centro de Documentação Denise Maldidier (CEDDEM). Tem experiência em teoria e análise linguística principalmente na área de semântica, análise de discurso, retórica e argumentação. Em suas pesquisas, destaca-se o interesse pelo funcionamento dos discursos jurídico, político e artístico. É pesquisadora do Grupo de Pesquisa Semântica do acontecimento: agenciamento enunciativo, designação e argumentação (UNICAMP). ID ORCID: 0000-0002-3401-2291

 

Atílio Catosso Salles, Universidade do Vale do Sapucaí (PPGCL/Univás)

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual de Mato Grosso (2012), Mestrado em Ciências da Linguagem pela Universidade do Vale do Sapucaí (2014) e Doutorado em Ciências da Linguagem pela Universidade do Vale do Sapucaí (2017). Realizou estágio de Pós-Doutorado (CAPES/PNPD) no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Univás (2017-2018). Atualmente é professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). Integra projetos de pesquisa interinstitucionais, em âmbito nacional e internacional, como participante e líder. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Teoria e Análise Linguística, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise de Discurso, discurso e performance, memória, narratividade fílmica, arte, efeito presença e corpo. Sua tese "Corpo-em-arte: sujeito, presença e performance" recebeu menção honrosa do Prêmio ANPOLL (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística) de Teses e Dissertações: Luiz Antônio Marcuschi (2018). Em 2018 publicou o livro Discurso e performance.

Cesar Augusto de Lima, Universidade do Vale do Sapucaí

Historiador

Referências

ADORNO. T. W. Indústria Cultural e Sociedade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

BAUDRIALLAD, J. Simulacros e simulações. Lisboa: Relógio d’Água, 1993.

CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. (Org.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997. Disponível em: https://dphgoiana.files.wordpress.com/2013/09/ciro-flamarion-cardoso-ronaldo-vainfas-dominios-da-histc3b3ria-pdfrev.pdf.

CARMO, P. S. do. Culturas da Rebeldia: a juventude em questão. São Paulo: Editora SENAC, 2001.

CHAUÍ, M. S. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

FAUSTO, B. História do Brasil. 10. ed. São Paulo: Edusp, 2002.

FERRO, M. Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos. O breve século XX. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MARIGHELLA, C. Manual do Guerrilheiro Urbano. [S.I.]: Sabotagem, 2003. Disponível em: https://www.documentosrevelados.com.br/wp-content/uploads/2015/08/carlos-marighella-manual-do-guerrilheiro-urbano.pdf. Acesso em: 12 out. 2017.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: Princípios e Procedimento. São Paulo: Pontes, 2010.

¬¬¬ORLANDI, E. P. (Org.). Instituição, relatos e lendas: narratividade e individuação dos sujeitos. Pouso Alegre: Univás; Campinas: RG Editores, 2016.

PEREIRA, E. S. Imagens a Margem: Cinema Marginal e contracultura na Bahia (1968-1972). 2014. 114 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) – Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2014. Disponível em: https://slidex.tips/download/ednei-de-santana-pereira-imagens-a-margem-cinema-marginal-e-contracultura-na-bah. Acesso em: 12 out. 2017.

PINTO, L. S. O Cinema Brasileiro face à censura imposta pelo regime militar no Brasil – 1964/1988. Brasília: Ministério da Justiça – Secretaria Nacional de Justiça, 2006. Disponível em:

http://www.memoriacinebr.com.br/textos/o_cinema_brasileiro_face_a_censura.pdf. Acesso em: 06 out. 2017.

RAMOS, F. Cinema Marginal (1968-1972): A representação em seu limite. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

ROSZACK, T. A contracultura: reflexões sobre a sociedade tecnocrática e a oposição juvenil. Petrópolis: Vozes, 1972.

SALLES, A. C.; COSTA, G. C. Recortes e(m) análise: no movimento da narratividade cinematográfica. Revista Rua, Campinas, v. 2, n. 22, p. 553-572, Nov. 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8647949/14717. Acesso em: 15 mar. 2018.

SOUZA, C. R. Os pioneiros do cinema brasileiro: Raízes do cinema brasileiro. Alceu, Rio de Janeiro, v. 8, n. 15, p. 20-37, jul./dez. 2007. Disponível em: http://revistaalceu-acervo.com.puc-rio.br/media/Alceu_n15_Souza.pdf. Acesso em: 06 out. 2017.

SOUZA, T. C. C. Discurso e Imagem: perspectivas de análise do não verbal. C-legenda, Niterói, n. 1, 1998. Disponível em: http://periodicos.uff.br/ciberlegenda/article/view/36741/21317. Acessado em: 01 nov. 2019.

XAVIER, I. Alegorias do Subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo e cinema marginal. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

Publicado

2020-09-18

Como Citar

Massmann, D. R. H., Salles, A. C., & de Lima, C. A. (2020). Luz, câmera e (re)ação: história e política em “meteorango kid – o herói intergalático”. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 8(18), 117-149. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p117-149

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##