Propaganda Eleitoral Gratuita

uma análise dos programas televisivos de Fernando Haddad e Jair Bolsonaro no segundo turno das eleições de 2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p198-221

Resumo

O artigo analisa a inserção dos Partidos Políticos nos discursos dos candidatos presidenciais durante o segundo turno das eleições de 2018, durante o Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE). Partimos do entendimento que naquele pleito os partidos adquiriram uma narrativa central no sentido de reforçar a desqualificação das candidaturas, especialmente do candidato Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT). Para verificar como as legendas estiveram presentes na plataforma televisiva do HGPE, estudamos os discursos dos dois candidatos – Jair Bolsonaro, então do Partido Social Liberal (PSL), e Fernando Haddad – nos 13 programas, mensurando se, e como se referem ao próprio partido e à legenda do adversário. Levantamos que entre os temas de campanha (PANKE, CERVI, 2011), a desqualificação superou as propostas e a autopromoção. Classificamos, então, a categoria “desqualificação” (PANKE, 2012) apontando a presença dos partidos. Constatamos que as duas campanhas se valeram da tática, mas com enfoques distintos, criticando o mundo, o grupo ou o adversário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Menezes, Universidade Federal do Paraná

Mestranda em Comunicação e Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela mesma instituição.

Luciana Panke, Universidade Federal do Paraná

Professora da graduação e da pós-graduação em Comunicação na Universidade Federal do Paraná, compós-doutorado em Comunicação Política (UAM-México) e doutorado em Ciências da Comunicação (USP). Líder fundadora do Grupo de Pesquisa Comunicação Eleitoral (CEL), vice-presidente da Associação Latino-Americana de Investigadores em Campanhas Eleitorais (Alice), atualmente coordenadora da graduação em Publicidade e Propaganda e integrante do Comitê Mulheres Líderes das Américas (Espanha) Autora de vários capítulos e livros, entre eles, “Lula do sindicalismo à reeleição”, “Campanhas Eleitorais para Mulheres: Desafios e Tendências” e “Criação Publicitária em Rádio”.

Referências

BELLO, André. Origem, causas e consequências da polarização política, explica André Bello. [S.I.]: Poder360, 01 ago. 2019. Disponível em: https://www.poder360.com.br/opiniao/governo/origem-causas-e-consequencias-da-polarizacao-politica-explica-andre-bello. Acesso em: 13 jan. 2020.

BORBA, Felipe; MEDEIROS, Luiza. O HGPE na democracia brasileira: as eleições de 2014 e 2018 em perspectiva comparada. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM COMUNICAÇÃO E POLÍTICA, 8., 2019, Brasília, DF. Anais [...]. Brasília, DF: Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, 2019.

BRAGA, Maria. Eleições e democracia no Brasil: a caminho de partidos e sistema partidário institucionalizados. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 4, p. 43-73, jul./dez. 2010.

BRAGA, Maria; PIMENTEL, Jairo. Os partidos políticos brasileiros realmente não importam? Opinião Pública, Campinas, v. 17, n. 2, p. 271-303, nov. 2011.

BRASIL. Lei nº 13.165 de 29 de setembro de 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13165.htm Acesso em: Acesso em: 13 jan. 2020.

CERVI, Emerson Urizzi. O “tempo da política” e a distribuição dos recursos partidários: uma análise do HGPE. Em debate, Belo Horizonte, ano 2, n. 8, p. 12-17, ago. 2010.

DATAFOLHA. Instituto de Pesquisas - Eleições 2018. Disponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2018/09/12/horario-eleitoral.pdf. Acesso em: 17 jan. 2020.

ESTUDO ELEITORAL BRASILEIRO. CESOP-IBOPE/BRASIL18.NOV-04622. Banco de Dados do CESOP/UNICAMP, Campinas, mai. 2018. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/eseb/ondas. Acesso em: 19 mar. 2020.

FERREIRA, Denise; BATISTA, Carlos; STABILE, Max. A evolução do sistema partidário brasileiro: número de partidos e votação no plano subnacional 1982-2006. Opinião Pública, Campinas, v. 14, n. 2, p. 432-453, nov. 2008.

FREIDENBERG, Flavia. Guardianes de la democracia. Voz y Voto, México, n. 314, p. 47-50, abr. 2019. Disponível em: https://www.academia.edu/38734693/Guardianes_de_la_Democracia.

Acesso em: 15 jan. 2020.

LARA, Matheus. Polarização nas eleições de 2018 desemboca em violência. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 11 out. 2018. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,polarizacao-nas-eleicoes-2018-desemboca-em-violencia,70002543150. Acesso em: 15 jan. 2020.

LATINOBARÓMETRO. Corporación Latinobarómetro, 1995-2018. Disponível em: http://www.latinobarometro.org/lat.jsp. Acesso em: 19 mar. 2020.

MALAMUD, Andrés. Los partidos se ríen de sus sepultureros. [S.I.]: La Nacion, 21 out. 2015. Disponível em: https://www.lanacion.com.ar/opinion/los-partidos-se-rien-de-sus-sepultureros-nid1838207. Acesso em: 18 jan. 2020.

MORENO, Alejandro. Partidarismo e Ideologia nos eleitorados latino-americanos. In: TELLES, Helcimara; LAVAREDA, Antonio (Org.). Voto e estratégias de comunicação política na América Latina. Curitiba: Appris, 2015.

PANKE, Luciana. Categorias de desqualificação na propaganda eleitoral. Em Debate, Belo Horizonte, v. 4, n. 6, p. 7-14, set. 2012.

PANKE, Luciana; CERVI, Emerson Urizzi. Análise da Comunicação eleitoral: uma proposta metodológica para os estudos do HGPE. Contemporânea, Salvador, v. 9, n. 3, p. 390-404, 2011.

TESSEROLI, Ricardo; PIMENTEL, Pedro. O "Brasil que eu quero" é o mesmo das propostas de Bolsonaro e Haddad na Televisão? In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM COMUNICAÇÃO E POLÍTICA, 8., 2019, Brasília, DF. Anais [...]. Brasília, DF: Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, 2019.

TSE. Partidos políticos registrados no TSE. Brasília, 2020. Disponível em: http://www.tse.jus.br/partidos/partidos-politicos/registrados-no-tse.

Acesso em: 19 mar. 2020.

Publicado

2020-09-18

Como Citar

Menezes, A., & Panke, L. (2020). Propaganda Eleitoral Gratuita: uma análise dos programas televisivos de Fernando Haddad e Jair Bolsonaro no segundo turno das eleições de 2018. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 8(18), 198-221. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p198-221