Entrevista pingue-pongue

tipos usuais no jornalismo brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p266-291

Resumo

Este artigo propõe uma catalogação didático-pedagógica de tipos de entrevista pingue-pongue usual no jornalismo escrito nacional com o intuito de sistematizar alguns modelos de textos possíveis e suas variações. A pesquisa vem sanar uma lacuna no debate sobre entrevista escrita, visto que boa parte da literatura que discute o tema na área, em língua portuguesa, dedica-se a tratar, mais pontualmente, das orientações de execução e das condições de produção – Erbolato (1991), Lage (2003), Pereira Júnior (2006), Oyama (2009), Floresta e Brslauskas (2009) e Nascimento (2009), Pinto (2009), Medina (1995) etc. Trata-se de um exercício didático de base descritiva, com amostras por intencionalidade, cujo material do campo foi identificado e captado durante dez semestres (2013, 2014, 2016, 2017 e  2018) em que a pesquisadora atuou como responsável pela disciplina de Gêneros Jornalísticos. A pesquisa também estrutura uma revisão de literatura sobre o assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaisa Cristina Bueno, UFMA

Jornalista formada pela UFMS, possui doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2015) e Mestrado em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2007). Integra do grupo de pesquisa em Ciberjornalismo, numa parceria entre UFMS e UFMA, desde 2009, e coordena no Maranhão o Grupo de Pesquisa em Comunicação e Cibercultura. Em 2019 assumiu a coordenação do programa de pós-graduação Mestrado em Comunicação, PPGCom UFMA de Imperatriz.

Referências

ALTMAN, Fábio. A arte da entrevista. São Paulo: Bom Tempo, 2004.

BARBEIRO, Herótodo; LIMA, Paulo Rodolfo. Manual de jornalismo: rádio, TV e novas mídias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

BELTRAO, Luiz. A imprensa informativa: técnica da notícia e da reportagem no jornal diário. São Paulo: FolcoMasucci, 1969.

BEZZERA, Jackson. Cláudia Raia: “Sei escolher quem eu quero do meu lado”. Quem, São Paulo, 06 nov. 2016. Disponível em: https://revistaquem.globo.com/Entrevista/noticia/2016/11/claudia-raia-sei-escolher-quem-eu-quero-do-meu-lado.html. Acesso em: 05 jan. 2019.

CAPUTO, Stella. G. Sobre entrevistas. Teoria, prática e experiências. Petrópolis: Vozes, 2006.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Sotaques d'aquém e d'além mar. Travessias para uma nova teoria de gêneros jornalísticos. São Paulo: Summus, 2008.

COSENZO, Luiz; RODRIGUES, Bruno. Se jogasse no futebol masculino, não precisaria trabalhar nunca mais, diz Marta. Folha de S.Paulo, São Paulo, 24 dez. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/esporte/2018/12/se-jogasse-no-futebol-masculino-nao-precisaria-trabalhar-nunca-mais-diz-marta.shtml. Acesso em: 05 jan. 2019.

ENTREVISTA coletiva concedida pela Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante café da manhã com jornalistas. Palácio do Planalto, Biblioteca Presidência da República, Brasília, 07 jan. 2016. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/presidencia/ex-presidentes/dilma-rousseff/entrevistas-presidenta/entrevista-coletiva-concedida-pela-presidenta-da-republica-dilma-rousseff-durante-cafe-da-manha-com-jornalistas-palacio-do-planalto.

Acesso em: 05 jan. 2019.

ERBOLATO, Mário. Técnicas de codificação em Jornalismo. São Paulo: Ática, 1991.

FLORESTA, Cleide; BRASLAUSKAS, Lígia. Técnicas de reportagem e entrevista: roteiro para uma boa apuração. São Paulo: Saraiva, 2009.

FONTANELLA, Bruno Jose Barcellos [et al.]. Amostragem em pesquisa qualitativa: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 389-394, fev. 2011.

GARCIA, Luiz (Org.). Manual de Redação e Estilo. São Paulo: Editora Globo, 1993.

GARCIA, Pedro Piccoli. Estratégias Narrativas em Entrevistas Pingue-Pongue: Uma Análise de “As 30 melhores entrevistas de Playboy. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUL, 17., 2016, Curitiba, PR. Anais [...]. Curitiba, PR: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2016.

LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro: Record, 2003.

MANUAL DA REDAÇÃO. Folha de S. Paulo. São Paulo: Publifolha, 2018.

MANUAL DA REDAÇÃO. Folha de S. Paulo. São Paulo: Publifolha, 2002.

MANUAL DE ESTILO. Editora Abril. São Paulo: Editora Abril, 1990.

MARCHESI, Bruna. Bate-bola: Henri Castelli. O Popular, Goiânia, 14 fev. 2016. Disponível em: https://www.opopular.com.br/noticias/ludovica/lazer/bate-bola-henri-castelli-1.1036584. Acesso em: 05 jan. 2019.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa; amostragem e técnicas de pesquisa; elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 2018.

MARIA Fernanda Cândido é a próxima convidada do ‘Você entrevista’. [S.I.]: Extra, Globo, 02 jul. 2017. Disponível em: https://extra.globo.com/tv-e-lazer/maria-fernanda-candido-a-proxima-convidada-do-voce-entrevista-21545270.html. Acesso em: 05 jan. 2019.

MARTINS FILHO, Eduardo. Manual de Redação e Estilo de O Estado de São Paulo. São Paulo: O Estado de São Paulo, 1997.

MEDINA, Cremilda. Entrevista: Diálogo possível. São Paulo: Ática, 1995.

MEDINA, Jorge Bomfim. Gêneros jornalísticos: repensando a questão. Ciências, Humanidade e Letras, Pernambuco, v. 1. n. 1. p. 45-55, 2001.

MELO, José Marques de. Jornalismo: compreensão e reinvenção. São Paulo: Saraiva, 2009.

MELO, José Marques de; ASSIS, Fransisco. Gêneros e formatos jornalísticos: um modelo classificatório. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 39-56, jan./abr. 2016.

MELO, José Marques de; ASSIS, Fransisco. Gêneros Jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Umesp, 2010.

NASCIMENTO, Patrícia Ceolin. Técnicas de redação em jornalismo: o texto da notícia. São Paulo: Saraiva, 2009.

OYAMA, Thays. A arte de entrevistar bem. São Paulo: Contexto, 2009.

PEREIRA, Fábio Henrique. A entrevista no jornalismo brasileiro: uma revisão de estudos. Estudos em Jornalismo e Mídia, Santa Catarina, v. 14, n. 2, p. 139-149, 2017.

PEREIRA JÚNIOR, Luiz Costa. A apuração da notícia. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

PERON, Isadora; FERNANDES, Ana; VENTURINI, Lilian. 'Ninguém governa sem o PMDB', afirma Beto Albuquerque. O Estado de São Paulo, São Paulo, 17 set. 2014. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,ninguem-governa-sem-o-pmdb-afirma-beto-albuquerque,1561677. Acesso em: 05 jan. 2019.

PINTO, Ana Estela de Sousa. Jornalismo Diário: Reflexões, Recomendações, Dicas, Exercícios. São Paulo: Publifolha, 2009.

SILVA, Nivea Rohling da. O gênero entrevista pingue-pongue: reenunciação e valoração do discurso do outro. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 12, n. 2, p. 505-530, jul./dez. 2009.

SQUARISI, Dad; SALVADOR, Arlete. A arte de escrever bem. São Paulo: Contexto, 2005.

TAVARES, Frederico de Mello B.; SCHWAAB, Reges. A revista e seu jornalismo. Porto Alegre: Penso, 2013.

TRAVANCAS, Isabel. A entrevista no jornalismo e na antropologia. Pesquisando jornalistas. In: MAROCCO, Beatriz. (Org.). Entrevista na prática jornalística e na pesquisa. Porto Alegre: Libreto, 2012, p. 15-30.

TODA mulher é meio Leila Diniz. O Pasquim, Rio de Janeiro, n. 22, 20 a 26 nov. 1969.

Publicado

2020-09-18

Como Citar

Bueno, T. C. (2020). Entrevista pingue-pongue: tipos usuais no jornalismo brasileiro. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 8(18), 266-291. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p266-291

Edição

Seção

ARTIGOS - Outras Perspectivas