Todas as cores da escuridão

Por um Giallo tenebrista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p292-321

Palavras-chave:

Cinema, Giallo, Tenebrismo, Caravaggio

Resumo

Este artigo tem como objetivo demonstrar como o cinema Giallo se utilizou da técnica tenebrista de Caravaggio em alguns de seus momentos narrativos. Para sustentar tal ponto, o texto introduz a definição de tenebrismo a partir de Arquillo-Avilés e Torres (2011), priorizando a visão da arte barroca em Weisbach (1948), bem como na análise de Schütze (2017) da obra de Caravaggio. Do mesmo modo, o artigo parte das considerações de Koven (2006) sobre o Giallo como um cinema vernacular, para pensar como algumas opções estéticas ajudaram a moldar momentos narrativos dessas obras. Por fim, o trabalho busca definir algumas coordenadas básicas a partir de excertos de variados filmes do ciclo para se pensar o que seria um Giallo tenebrista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giancarlo Couto, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, na linha de pesquisa Cultura e Tecnologias das imagens e dos imaginários, com bolsa CAPES/PROSUC. Graduado em Jornalismo pela Universidade Feevale (2016), com o Trabalho de Conclusão de Curso na área do Cinema e Análise de Discurso. Estudante de Filosofia (Licenciatura), pela Universidade Federal de Pelotas - UFPEL.

Carlos Gerbase, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Comunicação Social / Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1980), doutorado em Comunicação Social pela PUCRS (2003) e pós-doutorado em Cinema pela Universidade Paris III - Sorbonne Nouvelle (2010). Atualmente é professor titular da PUCRS, atuando no Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual (graduação), no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPG-COM / FAMECOS), com a disciplina "Narrativas Tecnológicas" e no Programa de Pós-Graduação em Escrita Criativa da Faculdade de Letras da PUCRS (FALE). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema, narrativa, literatura, tecnologia e linguagem. É roteirista e diretor cinematográfico desde 1978, tendo realizado sete longa-metragens e dez curtas. É escritor, com quatro trabalhos de ficção (dois volumes de contos e dois romances), duas obras ensaísticas na área do cinema (tecnologias digitas e direção de atores) e uma obra didática destinada ao ensino médio (introdução à realização audiovisual).

Referências

ARQUILLO-AVILÉS, David; TORRES, Francisco Arquillo. El tenebrismo como recurso técnico y concepto estético. Temas de estética y arte. Depósito de Investigación, Sevilha, v. 25, p. 180-204, 2011.

DUGNANI, Patricio. As estratégias da imagem: as emergentes estéticas midiáticas entre o barroco e o pós-modernismo. 2013. 161 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Programa de Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

FREELAND, Cynthia. The naked and the undead: evil and the appeal of horror. 1. ed. Boulder: Westview Press, 2000.

GÉLIS, Jacques. O corpo, a igreja e o sagrado. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História do Corpo: 1. Da renascença às luzes. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 19-130.

GOMBRICH, Ernst Hans. Shadows: the depiction of cast shadows in western art. 1. ed. Londres: Yale University Press, 2014.

HUTCHINGS, Peter. The A to Z of horror cinema. 1. ed. Plymouth: The Scarecrow Press, 2009.

KANNAS, Alexia. All the colours of the dark: film genre and the italian giallo. Journal of Italian Cinema & Media Studies, Bristol, v. 5, n. 2, p. 173-190, mar. 2017. Disponível em: https://www.ingentaconnect.com/content/intellect/jicms/2017/00000005/00000002/art00003. Acesso em: 31 mai. 2020.

KOVEN, Mikael. La dolce morte: vernacular cinema and the italian giallo film. 1. ed. Plymouth: The Scarecrow Press, 2006.

NEEDHAM, Gary. Playing with genre: defining the Italian giallo. In: Schneider, Steven (Org.). Fear without frontiers: horror cinema across the globe. 1. ed. Londres: FAB Press, 2003. p. 135-160.

PIEDADE, Lúcio de Franciscis dos Reis. A cultura do lixo: horror, sexo e exploração no cinema. 2002. 222 f. Dissertação (Mestrado em Multimeios) – Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

SCHÜTZE, Sebastian. Caravaggio: as obras completas. 1. ed. Lisboa: Taschen Bibliotheca Universalis, 2017.

SHIPKA, Danny. Perverse titillation: the exploitation cinema of Italy, Spain and France, 1960-1980. 1. ed. London: McFarlane & Company Inc., 2011.

WEISBACH, Werner. El barroco: arte de la contrarreforma. 2. ed. Madrid: Espasa Calpe S. A., 1948.

WÖLFFLIN, Heinrich. Renascença e barroco: estudo sobre a essência do estilo barroco e a sua origem na Itália. 1. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1989.

WÖLFFLIN, Heinrich. Conceitos fundamentais da história da arte: o problema da evolução dos estilos na arte mais recente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Publicado

2020-09-18

Como Citar

Couto, G., & Gerbase, C. (2020). Todas as cores da escuridão: Por um Giallo tenebrista. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 8(18), 292-321. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p292-321

Edição

Seção

ARTIGOS - Outras Perspectivas