A Ditadura Militar, o fim da TV Excelsior e a recomendação da Comissão Nacional da Verdade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p98-116

Resumo

O Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade, publicado em 2014, inclui entre as vítimas da perseguição militar nos anos da ditadura implantada no Brasil em 1964 as empresas do Grupo Simonsen, em especial a Panair do Brasil e a TV Excelsior, que foram fechadas pelos donos do poder, respectivamente, em 1965 e 1970. De natureza descritivo-interpretativa, e à luz do método da compreensão, o presente ensaio quer ajudar a romper o véu do esquecimento que encobre a história da TV Excelsior, primeira emissora industrial de televisão brasileira. Pretende, assim, ao mesmo tempo, contribuir para um reexame da história da televisão no Brasil em seus 70 anos de existência (1950-2020). E também, por fim, num momento político como o que atravessa o País, em que forças políticas favoráveis ao regime de exceção implantado em 1964 pretendem fazer crer que os críticos estão enganados, afirmar a importância da defesa do estado democrático de direito e da luta contra toda forma de tirania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dimas Künsch, FACASPER

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo, é doutor em Ciências da Comunicação e Mestre em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo (USP). Graduado em Filosofia (Brasil) e em Teologia (Innsbruck, Áustria), é Especialista em Psicologia Junguiana e Mediador Judicial. Ajudou a implantar e coordenou por oito anos (2009-2017) o Programa de Pós-Graduação em Comunicação - Mestrado em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero. Foi também professor de graduação da mesma instituição entre fevereiro de 2004 e dezembro de 2017. Lidera o grupo de pesquisa "Da compreensão como método" e coordena o projeto de pesquisa "Princípios teóricos e epistemológicos da compreensão como método", que reúne pesquisadores brasileiros e colombianos (Facultad de Comunicaciones da Universidade de Antioquia, Medellín, Colômbia). É autor de livros, capítulos de livros, artigos e ensaios científicos sobre temas de Comunicação, Jornalismo, Narrativa Jornalística, Narrativas Míticas, Teoria e Epistemologia da Comunicação, Pensamento da Complexidade e Método da Compreensão. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: Comunicação, Jornalismo, Narrativas Contemporâneas, Narrativas Míticas, Teorias da Comunicação, Epistemologia da Comunicação, Pensamento da Complexidade e Pensamento da Compreensão. Foi coordenador da Comissão Organizadora do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação, a Compós, de 2017 (Compós 2017).

Rodolfo Bonventti, Universidade Anhembi Morumbi

Doutor em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Docente do curso de Rádio, Televisão e Internet da Universidade Anhembi Morumbi e do Curso de Pós Graduação em Produção de TV do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU).

Referências

ARENDT, Hannah. Compreender: formação, exílio e totalitarismo (ensaios). São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BONVENTTI, Rodolfo Carlos. TV Excelsior: Do pioneirismo ao confronto com a ditadura militar e o esquecimento. 2019. 290 f. Tese (Doutorado em Comunicação) –

Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2019.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BRASIL. Relatório da Comissão Nacional da Verdade – Volume 2. Brasília: CNV, 2014. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_2_digital.pdf.

Acesso em: 20 jul. 2020.

BUSETTO, Áureo. Em busca da caixa mágica: o Estado Novo e a televisão. Revista Brasileira de História, Rio de Janeiro, v. 27, n. 54, p. 177-196, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010201882007000200010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20 jul. 2020.

CANCLINI, Néstor García. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CARVALHO, Carlos Alberto; LAGE, Leandro. Pela adoção da perspectiva da pertinência em pesquisas comunicacionais. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 21., 2012, Juiz de Fora, MG. Anais [...]. Juiz de Fora, MG: Universidade Federal de Juiz de Fora, 2012. Disponível em:

http://www.compos.org.br/data/biblioteca_1879.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

COSTA, Alcir Henrique da. Um país no ar. São Paulo: Brasiliense, 1986.

FERNANDES, Ismael. Memória da telenovela brasileira. São Paulo: Proposta Editorial, 1982.

HAMBURGER, Esther. Diluindo fronteiras: a televisão e as novelas no cotidiano. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz (Org.). História da vida privada no Brasil. v. 4. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

JAMBEIRO, Othon. A TV no Brasil do século XX. Salvador: Edufba, 2002.

KLAUTAU, Carolina. Jornalismo, incerteza e complementaridade de opostos: um diálogo compreensivo. 2018. 261 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) –

Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, 2018. Disponível em:

https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2018/12/CAROLINA-MOURA-KLAUTAU-DE-ARAU%CC%81JO-FIGUEIREDO.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

KÜNSCH, Dimas A. Aquém, em e além do conceito: comunicação, epistemologia e compreensão. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 18., 2009, Belo Horizonte, MG. Anais [...]. Belo Horizonte, MG: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2009. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/biblioteca_1109.pdf. Acesso em: 26 abr. 2020.

LEAL FILHO, Laurindo Lalo. A TV sob controle: a resposta da sociedade ao poder da televisão. São Paulo: Summus Editorial, 2006.

MATTOS, Sérgio. Um perfil da TV brasileira: 40 anos de história: 1950-1990. Salvador: A Tarde, 1990.

MELO, José Marques de. Televisão brasileira: 50 anos de ousadia, astúcia, inovação. São Paulo: Cátedra Unesco/Umesp de Comunicação, 2010.

MORAIS, Fernando. Chatô: o rei do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MOYA, Álvaro de. Gloria in Excelsior. São Paulo: Imprensa Oficial, 2004.

OLIVEIRA SOBRINHO, José Bonifácio de. O livro do Boni. São Paulo: Casa da Palavra, 2011.

ORTIZ, Ricardo. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

RAMOS, Saulo. Código da vida. São Paulo: Editora Planeta, 2007.

SASAKI, Daniel Leb. Pouso forçado. São Paulo: Editora Record, 2005.

SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio a Castelo. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1979.

Publicado

2020-09-18

Como Citar

Künsch, D., & Bonventti, R. C. (2020). A Ditadura Militar, o fim da TV Excelsior e a recomendação da Comissão Nacional da Verdade. Tríade: Revista De Comunicação, Cultura E Mídia, 8(18), 98-116. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2020v8n18p98-116