O Conhecimento em Comunicação por trás das informações na Biblioteca Virtual da FAPESP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n21p196-215

Resumo

A partir da Biblioteca Virtual da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), se consolidou um itinerário científico na amostra de 912 projetos fomentados, pelas bolsas de estudo e auxílios, no Brasil e no Exterior, além das publicações, entre 1992 e 2016. Pela Pesquisa Documental, quantitativamente, as informações reunidas foram distribuídas e organizadas, em categorias de análise, para mapear e identificar os fluxos do conhecimento produzido. Qualitativamente, a Análise de Conteúdo permitiu estipular inferências com interpretações, descrições e hipóteses, a partir de variáveis identificadas. A organização desse conhecimento específico, na Área da Comunicação, é providencial. Se por um lado, a FAPESP legitima a pesquisa científica; por outro, existem perspectivas e tendências desconhecidas, pelas instâncias diretivas da entidade, cujas informações, organizadas em forma de conhecimento, revelam a partir da exploração dos dados, um exercício pleno da metapesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Gabrioti, Universidade Metodista de São Paulo e Athon Ensino Superior

Doutor em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo. Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade de Sorocaba. Professor e coordenador do curso de Jornalismo da Athon Ensino Superior. Diretor-adjunto de Projetos da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM).

Referências

AGANETTE, Elisângela; ALVARENGA, Lídia; SOUZA, Renato Rocha. Elementos constitutivos do conceito de taxonomia. Revista Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 20, n. 3, p. 77-93, set./dez. 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BIBLIOTECA Virtual da FAPESP – fonte referencial de informação para a pesquisa apoiada pela FAPESP. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP, São Paulo, 2004. Base de dados. Disponível em: http://www.bv.fapesp.br/pt/. Acesso em: 27 fev. 2021.

BOURDIEU, Pierre [et al.]. Ofício de sociólogo: metodologia de pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes, 2004.

CAMPOS, Maria Luiza; GOMES, Hagar E. Taxonomia e classificação: a categorização como princípio. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 8., 2007, Salvador. Anais [...]. Salvador, BA: Universidade Federal da Bahia, 2007. Disponível em: http://repositorios.questoesemrede.uff.br/repositorios/bitstream/handle/123456789/159/GT2--101.pdf?sequence=1.

CONCESSÕES para bolsas e auxílios à pesquisa - 2017. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP, São Paulo. Disponível em: http://www.fapesp.br/10841. Acesso em: 03 fev. 2018.

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 18 ed. São Paulo: Perspectiva, 1977.

GOBBI, Maria Cristina. Conquistas e Carências. In: LINS, Carlos Eduardo; MELO, José Marques de; GOBBI, Maria Cristina; MORAIS, Osvando J. (Org.). Ciências da comunicação no Brasil 50 anos: histórias para contar. Volume 1. São Paulo: Vanguarda do Pensamento Brasileiro; Fapesp, 2015. p. 41-48.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Unicamp, 1990.

LOPES, Maria Immacolata Vasallo de. A institucionalização da pesquisa em comunicação. Epistemologia do Campo da Comunicação no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 40., 2017, Curitiba. Anais [...]. Curitiba, PR: Universidade Positivo, 2017.

SODRÉ, Muniz. A ciência do comum: notas para o método comunicacional. Petrópolis: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

Gabrioti, R. (2021). O Conhecimento em Comunicação por trás das informações na Biblioteca Virtual da FAPESP. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 9(21), 196–215. https://doi.org/10.22484/2318-5694.2021v9n21p196-215

Edição

Seção

ARTIGOS - Outras Perspectivas