Sororidade em campanhas de hashtag durante a pandemia do novo coronavírus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2022v10id4805

Palavras-chave:

feminismo, pandemia, redes sociais, sororidade, violência de gênero

Resumo

No início do isolamento social, durante a pandemia do novo coronavírus, pesquisas e estatísticas revelaram, associativamente, um aumento no registro de agressões às mulheres no ambiente doméstico. Campanhas em favor da assistência às vítimas e ações de apoio entre mulheres logo se multiplicaram em sites de redes sociais sublinhando o protagonismo destes recursos, bem como a centralidade de campanhas de hashtag na configuração de ações políticas feministas. O objetivo deste texto é problematizar como a sororidade foi articulada através destes dispositivos interacionais midiatizados. O trabalho compõe duas partes: a primeira delimita uma revisão teórica sobre a sororidade à luz de pensadoras contemporâneas, e a segunda parte examina como tal noção é apropriada por uma das campanhas pioneiras no Brasil, a partir da hashtag #vizinhavocenaoestasozinha, no Instagram, entre março e abril de 2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angie Biondi, Universidade Tuiuti do Paraná

Doutora em Comunicação Social pela UFMG. Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Tuiuti do Paraná. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Corpo, Imagem e Sociabilidade.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRAGA, José Luiz. Dispositivos interacionais. In: BRAGA, J. L; CALAZANS, R.; RABELO, L. (orgs.). Matrizes interacionais: a comunicação constrói a sociedade. Campina Grande: EDUEPB, 2017. p. 17-42. DOI: https://doi.org/10.7476/9788578795726

BRAGA, José Luiz. Dispositivos interacionais: lugar para dialogar e tensionar conhecimentos. [Entrevista cedida a] Mozahir Salomão Bruck; Eduardo Jesus. Dispositiva, Belho Horizonte, MG, v. 1, n. 1, p. 29 – 38, 2012. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/dispositiva/article/view/2817. Acesso em: maio 2020.

BUCHER, Taina; HELMOND, Anne. The affordances of social media platforms. In: BURGESS, Jean et al. (ed). The SAGE handbook of social media. London; New York: SAGE Publications, 2017. DOI: https://doi.org/10.4135/9781473984066.n14

CASALI, Caroline. Redes sociais: um perfil no Facebook. In: BRAGA, J. L; CALAZANS, R.; RABELO, L. (orgs.). Matrizes internacionais: a comunicação constrói a sociedade. Campina Grande: EDUEPB, 2017. p. 119-136. DOI: https://doi.org/10.7476/9788578795726.0006

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento feminista negro conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

COSTA, Suely Gomes. Onda, rizoma e “sororidade” como metáforas: representações de mulheres e dos feminismos (Paris, Rio de Janeiro: anos 70/80 do século XX). INTERthesis, Florianópolis, SC, v. 6, n. 2, p. 01-29, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2009v6n2p1. Acesso em: maio 2020. DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2009v6n2p1

DEAN, Jodi. Reflective solidarity. Constellations, Hoboken, Nova Jersey, v. 2, n.1, 1995. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1467-8675.1995.tb00023.x. Acesso em: maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-8675.1995.tb00023.x

FERRARESE, Estelle; LAUGIER, Sandra. Formes de vie. Paris: CNRS Éditions, 2018.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2016.

GILL, Rosalind. Postfeminist media culture: elements of a sensibility. European journal of cultural studies, EUA, v. 10, n. 2, p. 147-166, 2007. Disponível em: https://journals.sagepub.com/home/ecs. Acesso em: maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1177/1367549407075898

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

HOOKS, Bell; McKINNON, Tanya. Sistherhood: beyond public and private. Signs, Chicago, v. 21, n. 4, p. 814-829, 1996. Disponível em: https://www.journals.uchicago.edu/toc/signs/1996/21/4. Acesso em: maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1086/495122

LAUGIER, Sandra. Politics of vulnerability and responsibility for ordinary others. Critical Horizons, Londres, v. 17, n. 2, p. 207-223, 2016. Disponível e;: https://www.tandfonline.com/toc/ycrh20/17/2. Acesso em: maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1080/14409917.2016.1153891

LAUGIER, Sandra. La vulnerabilité des formes de vie. Raisons politiques, Bélgica, v. 57, n. 1, p. 65-80, 2015. Disponível em: https://www.cairn-mundo.info/revista-raisons-politiques-2015-1.htm. Acesso em: maio 2020. DOI: https://doi.org/10.3917/rai.057.0065

LEAL, Tatiane. O sentimento que nos faz irmãs: construções discursivas da sororidade em mídias sociais. Revista ECO-Pós, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 139 – 164, 2020. DOI https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27601. Disponível em: https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/27601. Acesso em: jan. 2020. DOI: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27601

MATOS, Marlise. Quarta onda feminista e o campo crítico-emancipatório das diferenças no Brasil: entre a destradicionalização social e o neoconservadorismo político. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 38., 2014, Caxambú, MG. Anais [...]. Caxambú, MG: UFMG, 2014.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

MISKOLCI, Richard. Novas Conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Cronos, Natal, v. 12, p. 9-22, 2011.

MOURA, Maria Aparecida. Semiótica e ativismo hashtag: experimentações metodológicas. In: MARTINS, Bruno at al. (orgs). Experiências metodológicas em textualidades midiáticas. Belo Horizonte: Relicário, 2019. p.163-188.

NATANSOHN, Graciela; REIS, Josemira. Com quantas hashtags se constrói um movimento? O que nos diz a “Primavera Feminista” brasileira. Tríade, Sorocaba, v. 5, n. 10, p.113-130, dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/triade/article/view/3096. Acesso em: jan. 2020.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

Downloads

Publicado

28-12-2022

Como Citar

BIONDI, A.; SALGUEIRO MARQUES, Ângela C. Sororidade em campanhas de hashtag durante a pandemia do novo coronavírus. Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, Sorocaba, SP, v. 10, n. 23, p. e022016, 2022. DOI: 10.22484/2318-5694.2022v10id4805. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/triade/article/view/4805. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS - OUTRAS PERSPECTIVAS