Análise poética na produção acadêmica do curta-metragem “Corpo-território pandêmico”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2022v10id5069

Palavras-chave:

análise poética, cinema, corpo-território, cidades, pandemia

Resumo

Este artigo propõe realizar uma análise da poética do curta-metragem “Corpo-território pandêmico” (2021), produzido em percurso de criação da pesquisa de mestrado que desenvolvo sobre “Cidade e identidades”. Sendo uma produção artística realizada juntamente a uma pesquisa científica, venho questionar quais os elementos de construção da obra realizada que convergem com os conhecimentos produzidos no percurso acadêmico em questão. A partir da exploração dos conceitos trabalhados na pesquisa de perspectiva teórico-metodológica pós-colonial e focalizada sobre corpos em dissidência da heteronormatividade, realizamos uma análise da poética da obra audiovisual, com a finalidade de relacionar o processo artístico de criação de imagens como um espaço-outro de conhecimento científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Martins Bela Fonte, PUC - Campinas

Bacharelada em Imagem e Som pela UFSCar e bolsista CAPES 1 no PPG  Interdisciplinar em Linguagens, Mídia e Artes.

João Paulo Hergesel, PUC - Campinas

Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Linguagens, Mídia e Arte da PUC-Campinas. Doutor em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi (2019), mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade de Sorocaba (2014) e licenciado em Letras: Português/Inglês pela mesma instituição (2012)

Referências

ANAZ, Sílvio Antônio Luiz. A imagem e seus sentidos imanentes e transcendentes. InTexto, Porto Alegre, n. 49, p. 138-150, 2020. DOI: http://doi.org/10.19132/1807-8583202049. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/intexto/article/view/86302. Acesso em: 21 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202049.138-150

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Imprensa Nacional; Casa da Moeda. 1990. Série Universitária. Clássicos de Filosofia.

BEIGUELMAN, Giselle. A pandemia das imagens: retóricas visuais e biopolíticas do mundo covídico. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 549-563, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-4714.2020v23n3p549.7. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rlpf/a/FWBYWLzgB7B9vGmW5fXmFGn/?lang=pt. Acesso em: 21 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-4714.2020v23n3p549.7

BORDWELL, David. Historical Poetics of Cinema. In: BORDWELL, David. The Cinematic Text: Methods and Approaches. Nova Iorque: AMS Press, 1989, p. 369-398.

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Campinas: Papirus, 2008.

CAVASSANI, Maria Fernanda; SILVA, Mirian Cristina Carlos. O feminino no filme Bicho de sete cabeças, de Laís Bodanzky. Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 111-124, 2021.DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2177-5672/trama.v12n2p111-124. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tint/article/view/14739. Acesso em: 21 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.5935/2177-5672/trama.v12n2p111-124

DULCI, Tereza Maria Spyer; MALHEIROS, Mariana Rocha. Um giro decolonial à metodologia científica: Apontamentos epistemológicos para metodologias desde e para a América Latina. Espirales, Foz do Iguaçu, ed. esp., p. 174-193, 2021. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/espirales/article/view/2686. Acesso em: 21 dez. 2022.

FONTES, Giovanna Soares. Corpo-Território: a luta anti-extrativista das mulheres latino-americanas. Observatório Feminista de Relações Internacionais, [S. l.], 2021. Disponível em: https://ofri.com.br/corpo-territorio-a-luta-anti-extrativista-das-mulheres-latino-americanas/. Acesso em: 21 dez. 2022.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. Posfácio de Daniel Defert. São Paulo: Edições n-1, 2013.

GAGO, Verónica. A potência feminista ou o desejo de transformar tudo. São Paulo: Elefante, 2020.

HAESBAERT, Rogério. Do corpo-território ao território-corpo (da Terra): contribuições decoloniais. GEOgraphia, Niterói, v. 22, n. 48, p. 75-90, 2020. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2020.v22i48.a43100. Disponível em: https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/43100. Acesso em: 21 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2020.v22i48.a43100

HERGESEL, João Paulo; FERRARAZ, Rogerio. Narrativa e estilo na telenovela infantojuvenil brasileira contemporânea: por uma telepoética de As Aventuras de Poliana (SBT). Culturas Midiáticas, João Pessoa, v. 14, p. 123-147, 2021. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2763-9398.2021v14n.59030. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/cm/article/view/59030. Acesso em: 21 dez. 2022.

HERGESEL, João Paulo; SILVA, Miriam Cristina Carlos, PICHIGUELLI, Isabella. Ficção seriada infantojuvenil e religião: questões sobre discurso e narrativa na websérie -10 | a vida não é um jogo. Tropos: Comunicação, Sociedade e Cultura, Rio Branco, v. 10, n. 1, p. 1-20, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/4402. Acesso em: 21 dez. 2022.

KIFFER, Ana. O Brasil é uma heterotopia. São Paulo: Edições n. 1, 2020. Disponível em: https://www.n-1edicoes.org/textos/125. Acesso em: 21 dez. 2022.

LUGONES, María. Heterosexualism and the colonial/modern gender system, Hypatia: A Journal of Feminist Philosophy, Eugene, (Oregon, Estados Unidos), v. 22, n. 1, p. 186-209, 2007. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1527-2001.2007.tb01156.x. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1527-2001.2007.tb01156.x. Acesso em: 21 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.2979/HYP.2007.22.1.186

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: o lado mais obscuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 1-17. DOI: https://doi.org/10.17666/329402/2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/nKwQNPrx5Zr3yrMjh7tCZVk/?lang=pt. Acesso em 21 dez. 2022.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2278. Acesso em: 21 dez. 2022.

PORTAL G1. Eleições 2018: mapa de apuração no Brasil, São Paulo, 2018. Disponível em http://especiais.g1.globo.com/politica/eleicoes/2018/mapa-da-apuracao-no-brasil-presidente/2-turno/. Acesso em: 21 dez. 2022.

PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 11-20, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000100002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/yvLQcj4mxkL9kr9RMhxHdwk/. Acesso em: 21 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000100002

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 117-142. Disponível em http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em: 21 dez. 2022.

ROCHA, Simone Maria.; LAPOUBLE, Cláudia Regina Adrianzen. A metodologia de análise estilística: tessituras possíveis entre estilo e identidade no filme Nostalgia de la luz. E-Compós, Brasília, v. 17, n. 1, p. 1-22, 2014. DOI: https://doi.org/10.30962/ec.1041. Disponível em: https://e-compos.org.br/e-compos/article/view/1041. Acesso em: 21 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.30962/ec.v17i1.1041

Downloads

Publicado

26-12-2022

Como Citar

FONTE, L. M. B.; HERGESEL, J. P. Análise poética na produção acadêmica do curta-metragem “Corpo-território pandêmico”. Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, Sorocaba, SP, v. 10, n. 23, p. e022020, 2022. DOI: 10.22484/2318-5694.2022v10id5069. Disponível em: https://periodicos.uniso.br/triade/article/view/5069. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS - OUTRAS PERSPECTIVAS