A habilidade social da marca: uma reflexão sobre interação marca-indivíduo no ambiente digital

Autores

  • Fernanda Carrera UFF

Resumo

Este artigo busca partir das noções concebidas no seio da psicologia social de Michael Argyle para a compreensão do novo fazer publicitário inserido nos trâmites da cibercultura. Ancoradas pelas práticas interacionais dos indivíduos em sites de redes sociais, as estratégias publicitárias na contemporaneidade parecem instaurar uma outra proposta discursiva: a da interação social propriamente dita com seus supostos consumidores. Neste sentido, pode-se pensar a construção do eu da marca sob a luz da produção de si dos indivíduos. Tendo como ponto de partida, portanto, o aparato teórico-metodológico da habilidade social de Argyle, busca-se aqui entender os limites e as similaridades encontradas em interações marca-indivíduo com aqueles caracteres previamente compreendidos como específicos da conjuntura relacional dos indivíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Carrera, UFF

Doutoranda em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialista em Gramática e Texto pela Universidade Salvador (UNIFACS). Graduada em Comunicação com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Universidade Católica do Salvador (UCSAL)

Publicado

2015-12-11

Como Citar

Carrera, F. (2015). A habilidade social da marca: uma reflexão sobre interação marca-indivíduo no ambiente digital. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 3(6). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/triade/article/view/2266

Edição

Seção

DOSSIÊ