Poder, olhar e representação

Autores

  • Edyala Yglesias Université de la Sorbonne-Nouvelle Paris 3.

Resumo

O presente ensaio aborda o ato narrativo como ato identitário. A personagem feminino-travesti do filme Tirésia France-Canada 20031 é nosso objeto de análise – espécie de “intercessor” –, no sentido usado por Deleuze, para uma reflexão crítica sobre a produção de sentidos, modos de organização e estruturação das narrativas audiovisuais, especialmente como se processa na imagem cinematográfica do eterno feminino. Tirésia encarna, ao mesmo tempo, o corpo feminino e o corpo colonizado, o duplo “outro” da narrativa. Dois aspectos orientam nosso interesse: o questionamento da lógica binária das narrativas dominantes no cinema ocidental e a representação do corpo brasileiro como estéreotipo do duplo “outro”. Nosso objetivo é tentar compreender como a mitificação do olhar ocidental se perpetua e os efeitos que engendra na formação das identidades brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-12-11

Como Citar

Yglesias, E. (2015). Poder, olhar e representação. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 3(6). Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/triade/article/view/2381

Edição

Seção

ARTIGOS - Outras Perspectivas