Estilística, uma possível metodologia para a análise de narrativas televisivas

Autores

  • João Paulo Hergesel Universidade Anhembi Morumbi
  • Rogério Ferraraz Universidade Anhembi Morumbi

DOI:

https://doi.org/10.22484/2318-5694.2017v5n9p18-33

Resumo

A Estilística, considerada capaz de compreender os aspectos afetivos da expressão, teve sua origem nos estudos aristotélicos de Retórica e Poética. Embora consolidada pela Linguística e pela Literatura, pesquisadores de Comunicação vem encontrando na Estilística a resposta para muitas de suas indagações. Já apropriada pelos estudos de Cinema, a Estilística caminha para encontrar nos estudos televisivos uma abertura pela qual pode oferecer auxílio nas análises descritivas e na interpretação contextual dos produtos. Este artigo, que oferece um resgate histórico dessa disciplina cunhada por Charles Bally e Leo Spitzer, apresenta-a como uma possível metodologia para análise de narrativas televisivas, explorando sua contribuição consagrada pelos estudos de obras cinematográficas e da TV norte-americana. Para ilustrar esse raciocínio, faz-se uma reflexão estilística sobre os programas do SBT, segunda maior emissora brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Hergesel, Universidade Anhembi Morumbi

Doutorando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM), sob orientação do Prof. Dr. Rogério Ferraraz, com bolsa PROSUP/Capes. Membro dos Grupos de Pesquisa Inovações e Rupturas na Ficção Televisiva Brasileira (UAM/CNPq) e Narrativas Midiáticas (Uniso/CNPq). Contato: jp_hergesel@hotmail.com.

Rogério Ferraraz, Universidade Anhembi Morumbi

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi – UAM.

Publicado

2017-06-17

Como Citar

Hergesel, J. P., & Ferraraz, R. (2017). Estilística, uma possível metodologia para a análise de narrativas televisivas. Tríade: Comunicação, Cultura E Mídia, 5(9). https://doi.org/10.22484/2318-5694.2017v5n9p18-33