Corpo, mídia e identidade de gênero

  • Mônica Ferreira Cassana Universidade Federal do Pampa
Palavras-chave: Discurso. Corpo. Mídia

Resumo

O presente artigo pretende promover uma reflexão sobre o discurso dos sujeitos transexuais no arquivo jornalístico/midiático, investigando as diferentes formas de subjetivação que transparecem nesse discurso. O corpus investigado reúne discursos coletados de reportagens sobre os sujeitos transexuais, veiculadas em portais de jornalismo on line. Como dispositivos teóricos e metodológicos, mobilizamos conceitos de sujeito, língua e ideologia da Análise de Discurso de linha francesa, fundamentada por Michel Pêcheux. Pretendemos demonstrar, através de nosso gesto de interpretação, de que forma as posições de sujeito jornalista e sujeito transexual se articulam de forma heterogênea no discurso. Ainda assim, como efeito de conclusão, é possível entender que há a constituição de uma distinta concepção de corpo, que nos permite pensar na instauração de diferentes concepções de identidade para os sujeitos desse discurso.

 

Biografia do Autor

Mônica Ferreira Cassana, Universidade Federal do Pampa

Professora na Universidade Federal do Pampa (Unipampa). É doutora em Letras, área de Estudos da Linguagem, especialidade teorias do texto e discurso, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016). Possui mestrado em Letras pela Universidade Católica de Pelotas (2011) e graduação em Letras - Licenciatura em Português e Espanhol e respectivas literaturas pela Universidade Federal de Pelotas (2008). Atualmente, é tutora do Programa de Educação Tutorial do curso de Letras no campus Bagé da Unipampa e membro do GEPAD (Grupo de Pesquisas em Análise do Discurso - UFRGS) e do LEAD (Laboratório de Estudos em Análise do Discurso - UCPEL/UFPEL). Atua nas seguintes áreas: texto, discurso, corpo, linguagem e ensino.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). In: Cadernos de estudos lingüísticos, Campinas, UNICAMP – IEL, n. 19, jul./dez.,1990.
AUTHIER-REVUZ, J. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas: Editora da UNICAMP, 1998
BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.
BRAGA, Sandro. O travesti e a metáfora da modernidade. Palhoça: Editora da Unisul, 2010.
COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Paulo: EdUFSCar, 2009.
DUFOUR, Dany-Robert. A arte de reduzir as cabeças: sobre a nova servidão na sociedade ultraliberal. Trad. Sandra Regina Felgueiras. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2005.
GUILHAUMOU, Jacques e MALDIDIER, Denise. Efeitos de arquivo: a análise de discurso no lado da história. In: ORLANDI, Eni. Gestos de leitura. Campinas: Unicamp, 2010.
JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012. E-book.
MITTMANN, Solange. Discurso e texto: na pista de uma metodologia de análise. In: FERREIRA, Maria Cristina e INDURSKY, Freda. Análise do discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007, p. 153-162.
ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.
PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento (1983). Campinas: Pontes, 2012.
PÊCHEUX, Michel. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, Eni. Gestos de leitura. Campinas: Unicamp, 2010.
PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio (1975). Campinas: Unicamp, 2009.
PRECIADO, Beatriz. Multidões queer: notas para uma : notas para uma política dos “anormais” política dos “anormais”. Estudos Feministas, Florianópolis, 19(1): 312, janeiro-abril/2011.
Publicado
2018-05-05