Identidade de Gênero

Percursos De Resistência No Trabalho Tido Como Masculino

  • Julice Salvagni Unisinos
  • Marília Veríssimo Veronese Universidade do Vale do Rio dos Sinos
  • Marina Guerin Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Palavras-chave: Gênero, Trabalho, Identidade, Performance de Gênero, Poder

Resumo

O presente artigo põe-se a pensar como o corpo e o gênero no trabalho podem impulsionar transgressões por meio das performances. O gênero é entendido como categoria social central para a formação identitária, assim, a identidade de gênero diz respeito às simbologias e espaços que são referentes ao sexo biológico, tendo no corpo um papel de marcação das atribuições normativas. O corpo se torna uma extensão do gênero e é pensado como um constructo individual, coletivo e social, diretamente relacionado em seu sentido biológico e material. A relação entre corpo e gênero é central na análise das performances e as vivências das mulheres trabalhadoras, já que descortina importantes relações de poder e dominação. Esta pesquisa qualitativa de estudo de casos múltiplos, coletou entrevistas individuais e utilizou-se a análise de discurso como método de produção de sentidos enfatizando uma abordagem de cunho semântico. Resultados indicam que as mulheres costumam representar o que elas mesmas chamam de ‘personagem masculino’, o que compreende uma gama de comportamentos e expressões vinculadas ao universo simbólico do homem, que vão desde a roupa usada no horário de trabalho, até a forma de abordar determinados assuntos. Assim, elas propositalmente encenam outra forma de se relacionar com aquele espaço de trabalho em uma busca de aceitação, rompendo o estigma de que a mulher é frágil e incapaz.

Biografia do Autor

Julice Salvagni, Unisinos

 Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Pós-doutora – CAPES/PNPD -no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Marília Veríssimo Veronese, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutora em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Professora Adjunta no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS.

Marina Guerin, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Psicologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS

Referências

BARCINSKI, Mariana; CÚNICO, Sabrina Daiana. Mulheres no tráfico de drogas. Retratos da vitimização e do protagonismo feminino. Civitas-Revista de Ciências Sociais, v. 16, n. 1, 2016.
BLANCA, Rosa Maria. Performance: entre el arte, la identidad, la vida y la muerte. Cadernos Pagu, n. 46, p. 439-460, 2016.
BORBA, Rodrigo. A linguagem importa? Sobre performance, performatividade e peregrinações conceituais. Cadernos Pagu, n. 43, p. 441-473, 2014.
BRADLEY, Harriet. Men's Work, Women's Work: a sociological history on the sexual division of labor in employment. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1989.
CARVALHO, Marília. Gênero e Tecnologia: estudantes de engenharia e o mercado de trabalho. In: Seminário Internacional Mercado de Trabalho e Gênero: comparações Brasil - França, 2007, São Paulo e Rio de Janeiro. Anais do Seminário Internacional Mercado de Trabalho e Gênero: comparações Brasil - França. São Paulo : FCC, 2007.
CAVAZOTTE, Flávia de Souza Costa Neves; DE OLIVEIRA, Lucia Barbosa; DE MIRANDA, Liliana Carneiro. Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e em sua intenção de deixar a empresa. Revista de Administração, v. 45, n. 1, p. 70-83, 2010.
CAVEN, Valerie; LAWLEY, Scott; BAKER, Jocelyn. Performance, gender and sexualised work: Beyond management control, beyond legislation? A case study of work in a recruitment company. Equality, Diversity and Inclusion: An International Journal, v. 32, n. 5, p. 475-490, 2013.
CICCIA, Lucía. Genes, sinapsis y hormonas. Iberoamérica Social: Revista-red de estudios sociales, n. V, p. 83-94, 2016.
DE SOUZA, Eloisio Moulin. A Teoria Queer e os Estudos Organizacionais: Revisando Conceitos sobre Identidade. Revista de Administração Contemporânea, v. 21, n. 3, p. 308, 2017.
FAY, Claudia Musa; OLIVEIRA, Geneci Guimarães de. As mulheres na aviação brasileira. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 – desafios atuais do feminismo. Florianópolis, 16 a 20 de setembro de 2013. Anais eletrônicos... Gênero e mercado de trabalho: avanços e desafios, 2013. ISSN 2179-510X.
FRASER, Nancy. Mercantilização, proteção social e emancipação: as ambivalências do feminismo na crise do capitalismo. Revista Direito GV, v. 7, n. 2, p. 617-634, 2011.
GALETTI, Camila Carolina H. Feminismo em movimento: A Marcha das Vadias e o movimento feminista contemporâneo. Anais do 18º Encontro da REDOR (UFRPE), 2014.
GASKELL, George. “Entrevistas individuais e grupais”. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Org.). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. 2.ed. Tradução de Pedrinho Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2003. p.64-89.
GILL, Rosalind. “Análise de discurso”. In. BAUER, Martin; GASKELL, George (org). Pesquisa Qualitativa Com Texto, Imagem e Som: um Manual Prático. 2a. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.
GOELLNER, Silvana Vilodre. “A produção cultural do corpo”. In: LOURO, Guacira Lopes. NECKEL, Jane Felipe. GOELLNER, Silvana Vilodre. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, RJ: Vozes. 2003.
GOLDANI, Ana Maria. Famílias e gêneros: uma proposta para avaliar (des) igualdades. Anais, Associação Brasileira de Estudos Populacionais – ABEP. p. 1-20, 2016.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
KERGOAT, Danièle. “Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo”. IN: HIRATA, Helena et al. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.
HIRATA, Helena. Subjetividade e sexualidade no trabalho de cuidado. Cadernos Pagu, n. 46, p. 151-163, 2016.
HIRATA, Helena. A precarização e a divisão internacional e sexual do trabalho. Sociologias, v. 11, n. 21, 2009.
HIRATA, Helena.. “O Universo do Trabalho e da Cidadania das Mulheres - um olhar do feminismo e do sindicalismo”. In: COSTA, Ana Alice. OLIVEIRA Eleonora Menicucci de. LIMA Maria Ednalva Bezerra de. SOARES Vera. (org.). Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo, SP: CUT Brasil, 2004.
HIRATA, Helena. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, n. 17-18, p. 139-156, 2002.
HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.
KHEL, Maria Rita. A mínima diferença: masculino e feminino na cultura. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1996.
JACOBS, Daiane Dordete Steckert. Vocal Body, Gender and Performance. Revista Brasileira de Estudos da Presença, v. 7, n. 2, p. 359-381, 2017.
JAIN, Akanshka. Impact of Glass Ceiling on Female Position in the Corporate World. Voice of Intellectual Man-An International Journal, v. 6, n. 2, p. 143-148, 2016.
KNIJNIK, Jorge. Gênero, um debate que não quer calar. Gênero e Esporte: masculinidades e feminilidades. Rio de Janeiro: Apicuri, 2010.
KLINGER, Diana. Escrita de si como performance. Revista Brasileira de Literatura Comparada, v. 10, n. 12, p. 11-30, 2017.
LIMA, Gustavo Simão et al. O teto de vidro das executivas brasileiras. Revista Pretexto, v. 14, n. 4, p. 65-80, 2014.
MCDONOUGH, Roisin; HARRISON, Rachel. Patriarchy and relations of production. In: Feminism and materialism: Women and modes of production, volume 7, p. 11-41, 2013.
MEDEIROS, Raquel. “Somos todas vadias”: corpo, performance e representação no movimento marcha das vadias. Revista Senso Comum, n. 3, 2015.
MEYER, Dagmar Estermann. “Gênero e educação: teoria e política”. In: LOURO, Guacira Lopes. NECKEL, Jane Felipe. GOELLNER, Silvana Vilodre. (Org). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, RJ: Vozes. 2003.
MISOCZKY, Maria Ceci A. Implicações do uso das formulações sobre campo de poder e ação de Bourdieu nos estudos organizacionais. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. SPE, p. 9-30, 2003.
MOTA, Carolina; TANURE, Betania; NETO, Antonio Carvalho. Mulheres executivas brasileiras: O teto de vidro em questão. Revista Administração em Diálogo-RAD, v. 16, n. 3, 2015.
ROUDINESCO, Elisabeth. A Família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
SAFFIOTI, Heleieth. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos pagu, n. 16, p. 115-136, 2001.
SAFFIOTI, Heleieth. Violência de gênero: o lugar da práxis na construção da subjetividade. Lutas sociais, n. 2, p. 59-79, 2004.
SALVAGNI, Julice. As caminhoneiras: uma carona nas discussões de gênero, trabalho e identidade. Programa de Pós-Graduação em Sociologia – Tese de Doutorado. UFRGS: 2016.
VAZ, Daniela Verzola. O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, 2013.
YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e métodos - 2.ed. -Porto Alegre: Bookman, 2001.
Publicado
2017-12-11