Corpos (não)representáveis e suas (in)existências pós-periféricas

  • Josefina de Fatima Tranquilin-Silva Uniso/Espm
Palavras-chave: Gênero, Corpo trans, Pós-periférico, Juventudes, Mulheres

Resumo

Compreendendo que as relações de gênero também ocorrem a partir da movência entre a aceitação e aversão a determinados corpos, presentes nas cartografias físicas e simbólicas das urbanias, afirmamos que as dimensões das diversidades de gênero necessitam ser investigadas, extrapolando os lugares e olhares comuns. Nesse sentido, as juventudes e as questões de gênero, nos contextos das urbanias, são os eixos dessa análise, que tem como lócus metodológico o show da cantora Linn da Quebrada e a apresentação de MC Paz, ambos parte do Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 e do 13º Congresso Mundos de Mulheres. A observação etnográfica nos espaços físicos do evento construiu a metodologia. A música e os corpos não representáveis das mulheres trans e das pessoas trans não binárias, em contextos pós-periféricos (ROCHA, SILVA, PEREIRA, 2015), tanto no show de Linn da Quebrada quanto na apresentação de MC Paz, na festa de encerramento, são ingredientes que demonstram representações diaspóricas rompendo os limites territoriais e adensando a luta feminista.

Biografia do Autor

Josefina de Fatima Tranquilin-Silva, Uniso/Espm

Doutora em Antropologia pela Pontifícia universidade católica de São Paulo – PUCSP. Pós-doutora em Comunicação e Práticas do Consumo pela Escolha superior de propaganda e marketing - ESPM/SP. Professora da Universidade de Sorocaba - UNISO.

Referências

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.
BORELLI, S. H. S.; ROCHA, R. de M. Juventudes, midiatizações e nomadismos: a cidade como arena. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo:ESPM, v. 5, n. 13. p 27-40, julho, 2008.
BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2015.
CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis, Vozes, 1994.
DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992
G1. Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais no mundo, diz pesquisa. G1, 26 abr. 2017. Disponível em: < http://g1.globo.com/profissao-reporter/noticia/2017/04/brasil-e-o-pais-que-mais-mata-travestis-e-transexuais-no-mundo-diz-pesquisa.html >. Acesso em: 29 set. 2017.
GUATTARI, F. & ROLNIK, S. (2005). Micropolítica: Cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005
http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/contemporanea/article/view/17256
Jesús Martín-Barbero. Sujeito, comunicação e cultura. Comunicação e Educação: USP. s/v, n. 15, p. 62-80, maio a agosto, 1999.
LACAZ, A. S., LIMA, S. M., COELHO, A. L. Juventudes periféricas: arte e resistências no contemporâneo. Psicologia & Sociedade, v. 27, n. 1, p. 58-67. s/m, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2017
LEITE JR, Jorge. Nossos corpos também mudam: sexo, gênero e a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso científico. Tese de doutorado, PPGCSO/PUCSP, p.233, 2008. Disponível em: , https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/3992#preview-link0>. Acesso em: 05 set. 2017.
MARTÍN-BARBERO, J. As novas sensibilidades: entre urbanias e cidadanias. Matrizes, São Paulo: USP, s/v, n 2, p. 207-215, abril, 2008. Disponível em:
MARTIN-BARBERO, Jesus. In: (prefácio) Culturas Juvenis no século XXI/ orgs Silvia H.S.Borelli, João F.Filho. São Paulo: EDUC, 2008.
MESQUITA, M. R; BONFIM, J. PADILHA, E. e SILVA, A. C. Juventudes e participação: compreensão de política, valores e práticas. Psicologia & Sociedade, v. 28, n. 2, p. 288-297, s/m, 2015. Disponível em: < https://www.ufrgs.br/ppgac/wp-content/uploads/2013/10/Pe%C3%A7a-did%C3%A1tica-experi%C3%AAncia-e-choque_-o-fragmento-Fatzer-como-nova-forma-de-narrar.pdf >. Acesso em 30 ago. 2107.
NOS2. Brasil chega a números assustadores em mortes de LGBTs em 2017. NOS2, 26 set. 2017. Disponível em: < http://www.nos2.co/2017/09/homofobia-no-brasil-chega-a-numeros-assustadores-em-mortes-de-lgbts-em-2017 >. Acesso em: 26 set. 2017.
PAZ. Conheça MC Paz, o(a) argentino(a) que transforma a música da Patagônia em funk queer. Noisey, 20 set. 2016. Disponível em: < https://noisey.vice.com/pt_br/article/yvwd8y/mc-paz-emergente-single >. Acesso em 29 set. 2017.
PAZ. PAZ financiamento colaborativo Patagonia Emergente. PAZ raperxsudaka, 27 jul. 2017. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=i_BTv38EFHY >. Acesso em: 29 set. 2017.
PRATA, P. Dilatada, Reconfigurada, Contemporânea: juventude e pirataria como exercício de cidadania cultural. Contemporânea: UERJ, edição especial, v.6, n.3, p. 222-243, s/m, 2008. Disponível em:
QUEBRADA, Linn da. “A música é responsabilidade social”, diz Linn da Quebrada, “bicha e preta”. Serafina, 08 ago. 2017a. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/serafina/2017/09/1908172-a-musica-e-responsabilidade-social-diz-linn-da-quebrada-bicha-preta-e-periferica.shtml >. Acesso em 29 set. 2017. Entrevista.
QUEBRADA, Linn da. “Ficou insustentável fingir que nós não existimos”. Revista Cult, 8 ago. 2017b. Disponível em: < https://revistacult.uol.com.br/home/entrevista-linn-da-quebrada >. Acesso em: 29 set. 2017. Entrevista.
RAMIREZ. L. G.; R. de C. A. OLIVEIRA. Movimientos juveniles y usos de las tecnologias digitales em America Latina. In: Juventudes Latinoamericanas: Prácticas socioculturales, políticas y políticas públicas/ Ernesto Rodríguez [et.al.]; Humberto J. Cubides C (edición literária). Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2015. E-Book.- (Grupos de trabajo de CLACSO / Atilio Alberto Boron). Disponivel em: < http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/gt/20150522115424/juventudes.pdf>. Acesso em: 05 ago.2017.
ROCHA, R. de M; TRANQUILIN-SILVA, J. de F. Alteridade de gênero e deslocamentos de sentido como práticas feministas em rede: observações sobre a página “Moça, você é machista”. Contracampo: UFF, Rio de Janeiro, v. 35, n. 02, p. 33-51, ago/nov., 2016. Disponível em: < http://www.contracampo.uff.br/index.php/revista/article/view/934/pdf>.
ROCHA, R. L. de M. Corpos significantes na metrópole discursiva. Significação, São Paulo:USP, v. 37, n 39, p. 126-146, s/m, 2012.
ROCHA. R. M., SILVA, J. C. e PEREIRA, S., L. Imaginários de uma outra diáspora: consumo, urbanidade e acontecimentos pós-periféricos. Galaxia:PUC, (Online), s/v, n. 30, p. 99-111, dez. 2015. Disponivel em: < http://www.scielo.br/pdf/gal/n30/1982-2553-gal-30-0099.pdf>. Acesso em 1- ago. 2017.
sexualidade e feminismo em “Moça, você é machista. Rumores:USP, v. 10, n. 20, p. 234 a 255, julho – dezembro, 2016
SILVA, A. Imaginários urbanos. São Paulo: Perspectiva, 2001.
TEIXEIRA, F. N. Peça didática, experiência e choque: o fragmento fatzer como nova forma de narrar. In: SIMPÓSIO DA INTERNATIONAL BRECHT SOCIETY, vol.1, 2013, Rio Grande do Sul, Anais... 2014. P. 1-15. Disponível em: < https://www.ufrgs.br/ppgac/wp-content/uploads/2013/10/Pe%C3%A7a-did%C3%A1tica-experi%C3%AAncia-e-choque_-o-fragmento-Fatzer-como-nova-forma-de-narrar.pdf>. Acesso em: 03 set. 2017
TRANQUILIN SILVA, J. de F. O ativismo digital de Lorelay Fox: estética e performance de gênero. Comunicação Mídia Consumo: ESPM, v. 14, n. 40, p. 25-44, maio/ago. 2017. Disponível em: < http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/1316/pdf_1 >. Acesso em 02 aago. 2017.
TRANQUILIN-SILVA, J. de F. Corpos falantes e rostos (in)visíveis: corpo,
TRANQUILIN-SILVA, J. de F. Sou santa, sou puta, sou filha da luta. IN: COMUNICON, 2015, São Paulo. Anais... São Paulo: PPGCOM/ESPM, 2015. p. 1-15. Disponível em:< http://anais-comunicon2015.espm.br/GTs/GT5/22_GT5_TRANQUILIN-SILVA_.pdf >. Acesso em: 02 set. 2017
VIEIRA, H. Da censura à medicalização: a cadela do fascismo segue viva. Ssexbbox, 20 set. 2017. Disponível em: < http://www.ssexbbox.com/2017/09/da-censura-medicalizacao/ >. Acesso em: 29 set. 2017.
Publicado
2017-12-11