A heteronormatividade na mídia esportiva

a virilidade no discurso do programa Jogo Aberto

Palavras-chave: Homossexualidade. Futebol. Discurso. Televisão.

Resumo

Este artigo pretende compreender como o discurso do programa Jogo Aberto, veiculado na Rede Bandeirantes, abordou e debateu situações relacionadas a atitudes homoafetivas entre atletas de Palmeiras e Corinthians em 2013, ano que antecedeu a Copa do Mundo e que o debate sobre temas relacionados ao futebol estavam em evidência. Foi utilizada a análise de discurso crítica com base em dispositivos analíticos apresentados por Dijk (2015), que permitiu identificar construções narrativas do programa que contribuíram para a propagação de preconceitos e estereótipos sobre homossexuais com base no estudo da estrutura da superfície discursiva e do contexto social dos interlocutores do programa, formados basicamente por ex-atletas. Também foram utilizados dispositivos analíticos de ressalvas que apresentavam aspectos positivos sobre os participantes do programa e negativos sobre os homossexuais.

Biografia do Autor

Luiz Fernando Rodrigues Lemes, Universidade Federal de Goiás

Mestrando em Comunicação pela Universidade Federal de Goiás.

Ana Carolina Rocha Pessoa Temer, Universidade Federal de Goiás

Doutoura e mestre em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo - UMESP. Professora efetiva do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Goiás - UFG. 

Referências

ALMEIDA, Marco Bettine; SOARES, Alessandro da Silva. O futebol no banco dos réus: caso da homofobia. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 1, jan/mar. 2012, p. 301-321.

DIJK, Teun A. van. Discurso e Poder. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2015.

FRY, Peter; MACRAE, Edward. O que é homossexualidade. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

GREEN, James Naylor. Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. Trad. Cristina Fino e Cássio Arantes Leite. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LEAL, Bruno Souza; CARVALHO, Carlos Alberto de. Sobre jornalismo e homofobia ou: pensa que é fácil falar. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação - E-compós, 2009, p. 1-15.

PEREIRA, Annelyse Santos Lira Soares et al. Preconceito contra homossexuais no contexto do futebol. Psicologia & Sociedade, v. 26, n. 3, 2014, p. 737-745.

VIANNA, Adriana; LACERDA, Paula. Direitos e Políticas Sexuais no Brasil: mapeamento e diagnóstico. Rio de Janeiro: CEPESC, 2004.

Publicado
2018-12-17
Seção
ARTIGOS - Outras Perspectivas